Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

A Cúpula do Futuro

“A ideia central da Cúpula do Futuro é que a humanidade enfrenta um conjunto de desafios sem precedentes que só podem ser resolvidos por meio da cooperação”.

O sistema geopolítico mundial não está entregando o que queremos ou precisamos. O desenvolvimento sustentável é nosso objetivo declarado, significando prosperidade econômica, justiça social, sustentabilidade ambiental e paz. No entanto, a nossa realidade é de pobreza contínua em meio à abundância, desigualdades crescentes, crises ambientais cada vez mais graves e guerra. Para voltar aos trilhos, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, convocou sabiamente uma Cúpula do Futuro (CDF) nas Nações Unidas em 22-23 de setembro, uma convocação que foi endossada pelos 193 Estados-Membros da ONU.

Por Jeffrey Sachs

A ideia central da Cúpula do Futuro é que a humanidade enfrenta um conjunto de desafios sem precedentes que só podem ser resolvidos por meio da cooperação global. A crise das mudanças climáticas induzidas pelo ser humano (especialmente o aquecimento do planeta) não pode ser resolvida por nenhum país sozinho. Nem as crises de guerras (como na Ucrânia e Gaza) ou as tensões geopolíticas (entre os EUA e a China) podem ser resolvidas por um ou dois países sozinhos. Cada país, mesmo as grandes potências, incluindo os EUA, a China, a Rússia, a Índia e outros, faz parte de uma estrutura global complexa de poder, economia e política que requer soluções verdadeiramente globais.

A Cúpula girará em torno de 5 tópicos principais, todos relacionados ao multilateralismo, significando o sistema pelo qual as nações coexistem com o resto do mundo. Esses tópicos são: (1) o objetivo do desenvolvimento sustentável; (2) o objetivo da paz; (3) o controle de novas tecnologias, como a inteligência artificial; (4) o empoderamento de jovens e futuras gerações; e (5) a reforma da arquitetura da ONU.

A Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da ONU (SDSN), que dirijo em nome do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, emitiu uma declaração resumindo a visão de acadêmicos líderes ao redor do mundo sobre a reforma do sistema multilateral. A declaração da SDSN sobre a CDF é o Capítulo 1 do Relatório de Desenvolvimento Sustentável da SDSN de 2024.

Sobre o objetivo do desenvolvimento sustentável, o desafio central é o financiamento global. Alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – incluindo a luta contra a pobreza, fome, doenças e degradação ambiental – requer investimentos públicos consideráveis. As principais áreas prioritárias de investimento público incluem educação, saúde, energia de baixo carbono, agricultura sustentável, infraestrutura urbana e infraestrutura digital. O problema é que a metade mais pobre do mundo – os países de baixa renda e de renda média-baixa – não tem acesso ao financiamento de que precisam para alcançar os ODS. A reforma mais urgente do sistema global que esses países necessitam é o acesso a financiamento de longo prazo e baixo custo.

Sobre o objetivo da paz, o desafio central hoje é a competição entre grandes potências. Os EUA estão em competição com a Rússia e a China. Os EUA visam a primazia na Europa sobre a Rússia e a primazia na Ásia sobre a China. Rússia e China resistem aos EUA. O resultado é a guerra (na Ucrânia) ou o risco de guerra (no Leste Asiático). Precisamos de um sistema liderado por uma ONU mais forte, no qual a competição entre grandes potências seja governada e restrita pela Carta da ONU, em vez do militarismo e da política de poder. Mais geralmente, passamos da era em que qualquer país podia ou deveria aspirar à primazia ou à hegemonia. As grandes potências devem viver em paz e respeito mútuo sob a Carta da ONU, sem ameaçar a segurança umas das outras.

Sobre o objetivo da tecnologia, o principal desafio é garantir a governança transparente e responsável das novas tecnologias avançadas, incluindo biotecnologia, inteligência artificial e geoengenharia. Tecnologias tão poderosas não podem continuar a ser geridas em segredo pelos militares e grandes corporações. Elas precisam ser governadas com honestidade, transparência e responsabilidade para com o público.

Sobre o objetivo de jovens e futuras gerações, o grande desafio é garantir que cada criança possa atingir o seu potencial por meio de uma educação de alta qualidade. A educação é essencial para um emprego decente e uma vida digna. No entanto, centenas de milhões de crianças, especialmente nos países pobres, estão fora da escola ou em escolas de baixa qualidade que não ensinam as habilidades necessárias para o século XXI. Sem uma educação de qualidade, essas crianças enfrentarão uma vida de pobreza e subemprego ou desemprego. Precisamos de um novo arranjo financeiro global para garantir que cada criança, mesmo nos países mais pobres, tenha a oportunidade de receber uma educação decente.

Sobre o objetivo de reformar o sistema da ONU, o ponto-chave é dar mais poder às instituições da ONU e torná-las mais representativas. A ONU hoje depende demais de alguns poucos países poderosos, principalmente os EUA. Quando os EUA não pagam as suas contribuições à ONU, por exemplo, todo o sistema da ONU é enfraquecido. Precisamos fortalecer o sistema da ONU, garantindo que ele seja adequadamente e confiavelmente financiado por meio de um novo sistema de impostos internacionais – por exemplo, sobre emissões de CO2, transporte marítimo, aviação e transações financeiras – em vez das contribuições de governos individuais.

Também devemos tornar as instituições da ONU mais representativas do mundo de 2024, em vez do mundo de 1945, quando a ONU foi estabelecida. A Índia, por exemplo, deve se tornar um membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. A Índia é o país mais populoso do mundo, a terceira maior economia e também uma potência nuclear. Em 1945, a Índia ainda era uma colônia britânica e, portanto, não recebeu seu devido lugar no sistema da ONU naquela época.

Outra recomendação central da SDSN é introduzir uma Assembleia Parlamentar da ONU como uma nova câmara ao lado da Assembleia Geral da ONU (AGNU). A AGNU dá a cada Estado-membro um voto, com o poder desse voto nas mãos do ramo executivo de cada governo. Um Parlamento da ONU representaria os povos do mundo em vez dos governos.

Mais importante ainda, a Cúpula do Futuro é um convite para um brainstorming global intensivo sobre como tornar adequado o nosso mundo profundamente interconectado para o desenvolvimento sustentável no século XXI. É um grande desafio que deve ser bem-vindo e apoiado por pessoas de todo o mundo. Um grande debate será aberto em setembro e continuará por anos a fio.

FONTE: https://www.brasil247.com/blog/a-cupula-do-futuro