Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

A Era da Guerra de Drones está Mudando o Paradigma da Indústria de Defesa

Nos últimos anos, a guerra de drones tem revolucionado a indústria de defesa, forçando uma reavaliação completa das estratégias militares e das tecnologias empregadas no campo de batalha. O conflito na Ucrânia é um exemplo marcante de como essa transformação está ocorrendo e o impacto profundo que tem nas operações militares.

 Drones Comerciais no Campo de Batalha

Uma das principais mudanças trazidas pela guerra de drones é a utilização de drones comerciais, adaptados para fins militares. Na Ucrânia, drones de visão em primeira pessoa (FPV) e drones equipados para lançar munições têm se mostrado extremamente eficazes. Esses drones são frequentemente adquiridos através de campanhas de crowdfunding, tornando-os acessíveis e abundantes no campo de batalha.

Esses drones não apenas aumentam a consciência situacional das tropas ucranianas, mas também permitem ataques precisos a alvos inimigos com um custo muito menor em comparação a outras armas tradicionais. A capacidade de utilizar drones comerciais “off-the-shelf” para operações militares tem pressionado as forças armadas a se adaptarem rapidamente a essa nova realidade tecnológica.

Guerra Eletrônica e Contramedidas

A proliferação de drones no campo de batalha também levou ao desenvolvimento de sofisticadas medidas de guerra eletrônica. Ambos os lados do conflito na Ucrânia têm utilizado sistemas de guerra eletrônica (EW) para bloquear os sinais de controle dos drones, criando uma dinâmica de “gato e rato” onde os operadores de drones constantemente ajustam suas frequências para evitar interferências.

Essa batalha tecnológica contínua está levando à inovação em dispositivos portáteis de EW e outras contramedidas, como “armas de drone”, que são utilizadas para proteger posições defensivas contra ataques aéreos de drones. A eficácia dessas tecnologias de guerra eletrônica tem se mostrado crucial para manter a vantagem no campo de batalha.

Evolução dos Drones de Longo Alcance

Outro aspecto importante da guerra de drones é o uso de veículos aéreos não tripulados (UAVs) de longo alcance. Tanto a Rússia quanto a Ucrânia têm utilizado drones para realizar ataques a centenas de quilômetros das linhas de frente, atingindo alvos estratégicos como infraestruturas de energia e fábricas de armamentos.

Os drones de longo alcance, como o Shahed-136 de fabricação iraniana utilizado pela Rússia, demonstraram ser altamente eficazes e econômicos. Em resposta, a Ucrânia tem desenvolvido suas próprias capacidades de drones de longo alcance, buscando equilibrar o campo de jogo e alcançar alvos estratégicos dentro do território russo.

Impacto na Indústria de Defesa

A ascensão dos drones está forçando a indústria de defesa a repensar suas prioridades e investimentos. A demanda por sistemas de contra-UAS e outras tecnologias defensivas está em alta, com empresas de defesa desenvolvendo soluções inovadoras para enfrentar a ameaça crescente dos drones. Esse novo foco inclui a proteção contra veículos não tripulados em múltiplos domínios, como aéreos, terrestres e marítimos.

Além disso, a capacidade de drones de realizar operações autônomas e em enxame está redefinindo as táticas militares tradicionais, exigindo uma integração mais sofisticada de sistemas de inteligência artificial e automação no planejamento estratégico das forças armadas.

Conclusão

A era da guerra de drones representa uma mudança de paradigma significativa na indústria de defesa. A capacidade de adaptar rapidamente tecnologias comerciais para uso militar, combinada com avanços em guerra eletrônica e drones de longo alcance, está transformando o campo de batalha moderno. À medida que essa tecnologia continua a evoluir, a indústria de defesa precisará inovar continuamente para acompanhar as novas ameaças e oportunidades apresentadas pela guerra de drones.

Drones são insubstituíveis na guerra moderna.                                                                FOTO: Crédito:  Yuri Smityuk/TASS

 

FONTE: Agência de Notícias ABJ – Associação Brasileira dos Jornalistas

( Reprodução autorizada mediante citação da fonte: Agência de Notícias ABJ – Associação Brasileira dos Jornalistas )