Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

A grande divergência entre potências mundiais nos últimos séculos se deve a industrialização?

Como resultado de trabalhos recentes sobre contas nacionais históricas é possível estabelecer momentos da grande divergência de padrões de vida entre a Europa e a Ásia desde o século XVIII. Houve uma pequena divergência europeia quando a Grã-Bretanha e a Holanda ultrapassaram a Itália e a Espanha no século 17 e uma pequena divergência asiática quando o Japão ultrapassou a China e a Índia no século 19. Antes da Revolução Industrial, a China e a Índia tinham os maiores setores manufatureiros do mundo porque tinham as maiores populações, e as nações eram em sua maioria autossuficientes na era pré-globalização. Com a aceleração da Revolução Industrial, a participação da Grã-Bretanha nos bens manufaturados em todo o mundo aumentou, atingindo um pico de cerca de um quarto no final do século XIX. A participação da Europa Ocidental e da América do Norte também aumentou. No mesmo período, as participações da Índia e da China despencaram. Essa queda representou uma desindustrialização absoluta e não simplesmente uma mudança de porcentagem. A revolução tecnológica que espalhou a prosperidade no Ocidente criou modernos ‘países subdesenvolvidos’ no Oriente (isto é, Ásia, África e América do Sul). Ela os converteu em economias que exportavam apenas produtos primários – trigo, arroz, bauxita, petróleo – em vez de produtos secundários, como tecidos e porcelanas.

Durante grande parte do século 20, os historiadores econômicos trataram a Revolução Industrial como o cume de um processo de melhoria gradual, começando no final da Idade Média e continuando até o início do período moderno (Weber 1930, Landes 1969). À medida que a Europa transformava suas instituições e acumulava capital, a Ásia estagnava e começava a ficar para trás. A Revolução Industrial e o colonialismo do século 19 foram vistos como aceleradores desse processo de divergência, ao invés de suas causas fundamentais. Pomeranz (2000) questionou o que via como o viés eurocêntrico desse relato, afirmando que, no final de 1800, a região do Delta do Yangzi na China era tão desenvolvida quanto a Grã-Bretanha e a Holanda, as partes mais ricas da Europa. Outras partes da Ásia também foram caracterizadas como igualmente desenvolvidas no final do século XVIII. Em um novo artigo (Broadberry, 2021), argumenta que esses autores revisionistas da Escola da Califórnia estavam certos em apontar para a variação regional no desempenho econômico na Europa e na Ásia, mas foram longe demais ao alegar paridade de desempenho econômico entre os dois continentes até o século 19. Novos dados históricos da contas nacionais sugerem que a Grande Divergência data do século 18, e não do século 19, uma visão que foi recentemente endossada por Pomeranz (2011, 2017). Isso é obviamente muito mais tarde do que o sugerido na visão tradicional em que a Europa era vista como avançando desde o período medieval.

Crafts and Venables (2003) mostram como a produção industrial se tornou muito mais concentrada do que a atividade econômica geral nas regiões centrais à medida que os custos de transporte caíram e o mundo se tornou muito mais integrado a partir do século XVIII. No painel superior da Figura 3, sua abordagem foi estendida até 1300, usando os novos dados de contas nacionais históricos para reconstruir as participações no PIB mundial. Isso mostra que, embora tenha havido mudanças perceptíveis nas participações do PIB mundial nos séculos 14 e 17, elas foram pequenas em relação às mudanças do século 18. Os painéis do meio e da parte inferior da Figura 3 enfocam o período desde 1750 e mostram como o PIB e a produção industrial tornaram-se mais concentrados na Grã-Bretanha, Europa e América do Norte e também como o processo de concentração foi muito mais longe na produção industrial. À medida que os custos de transporte caíam e o mundo se tornava mais integrado, tornou-se lucrativo para os industriais concentrar a produção em um pequeno número de regiões, onde os efeitos da aglomeração aumentaram drasticamente a produtividade. À medida que os custos de transporte caíam ainda mais, no entanto, tornou-se possível que a produção se tornasse mais dispersa novamente. Tornou-se possível embarcar bens intermediários, tornando mais lucrativa a localização da manufatura em economias de baixos salários. Isso levou à desindustrialização nas economias ocidentais e, à medida que países como o Japão e os Países Recentemente Industrializados (NICs) tiveram sucesso na industrialização, seus salários aumentaram e eles também ficaram sujeitos a forças de desindustrialização semelhantes. Nas últimas décadas, a China registrou os maiores ganhos nas participações da produção industrial.

FONTE: https://www.paulogala.com.br/a-grande-divergencia-entre-potencias-mundiais-nos-ultimos-seculos-se-deve-a-industrializacao/