Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

A GUERRA DOS BANQUEIROS CONTRA A CHINA

Conforme se aprofundam as tensões mundiais, a casta bancária internacional prepara as suas armadilhas para enredar a China e desviá-la do seu caminho soberanista.

Com o início do Ano do Dragão, “o império anglo-sionista está lançando sua guerra contra a China”, diz Richard H. Solomon. Até o momento, a China tem demonstrado “incrível humildade e moderação, reagindo muito pouco aos insultos e provocações ultrajantes da administração neoconservadora dos EUA”.

Por Markku Siira

Os cidadãos europeus não devem tomar partido por reflexo nessa batalha de titãs, mas também não devem defender os interesses da política externa dos Estados Unidos e seu rebanho de vassalos. A China é uma superpotência governada pelo Partido Comunista, e daí? Devemos olhar além dos ismos e das palavras e avaliar as ações.

Não existe mais uma “América” livre ou Estados nacionais europeus independentes. O chamado “Ocidente” nada mais é do que uma “coalizão de cartéis financeiros, multinacionais, oligarcas, o complexo militar-industrial, o estado profundo e o lobby sionista”, cujos dias de glória (felizmente) acabaram.

“Como todos os impérios que são patologicamente corruptos em seus estágios finais, o Ocidente demente sonha com a renovação”, observa Solomon. Seus súditos só podem “tentar evitar ser submergidos pelas ondas gigantescas de um gigante que está afundando”.

Os sobreviventes da destruição do Ocidente podem se unir e “adotar o princípio da co-prosperidade, com a China como o principal ator global, iluminando o caminho da humanidade em direção a uma civilização do tipo Jornada nas Estrelas na escala Kardashian”.

A China tentou ficar fora do conflito, mas em algum momento Pequim pode ter que retaliar quando as provocações “biológicas, econômicas e militares” de Washington e Londres forem longe demais e excederem até mesmo a tolerância confucionista. Com base nas ações americanas, a agressão só se intensificará.

De acordo com Solomon, o impedimento correto para a China seria colocar sua “própria pele no jogo”. Os cosmopolitas sem raízes do poder monetário ocidental não são apenas parasitas da sociedade e aproveitadores às custas dos outros, mas também covardes materialistas que não querem morrer.

Embora possam condenar milhões ou bilhões de pessoas à morte simplesmente por seus próprios interesses egoístas, a superclasse dominante fará qualquer coisa para manter sua própria existência. “Os serviços de inteligência da China deveriam localizar todos os seus bunkers e cidades subterrâneas e deixar claro que, se uma grande guerra estourar, a China os atingirá”, conclui Solomon.

Os círculos financeiros de Wall Street já transferiram a manufatura americana para a China, a fim de transformar os Estados Unidos em uma economia baseada na usura, vendendo dívidas na esperança de que a China comprasse essas dívidas e permitisse que os membros de Wall Street também controlassem a economia chinesa.

Esse modelo econômico ficou conhecido como “Chimerica”. Embora a China tenha se beneficiado inicialmente desse acordo, Solomon argumenta que Pequim rejeitou uma relação simbiótica na qual “a classe sem raízes de Wall Street assumiria o controle da civilização chinesa de cinco mil anos depois de destruir os Estados Unidos”.

No entanto, alguns argumentam que todo o confronto Leste-Oeste é um teatro Kabuki e que a China já está sob o controle do cartel bancário Rothschild e Rockefeller (ou seja, os donos do planeta). Solomon discorda.

O “tecnofeudalismo” idealizado pelos escravagistas ocidentais exige não apenas a destruição de culturas diferentes, mas também a transformação genética da classe dominante. De acordo com o protocolo transhumanista da camarilha de Davos, os governantes da China deveriam estar preparados para destruir a cultura e o DNA de cinco mil anos de seu povo.

Solomon não acredita que os líderes chineses estejam prontos para tal coisa. Embora algumas das inovações tecnológicas da China estejam relacionadas à segurança nacional, a tecnologia é usada principalmente para melhorar a vida dos cidadãos chineses, o que é totalmente contrário à política dos EUA.

Um “futuro chinês” após a hegemonia americana seria mais promissor do que o antigo regime, diz Solomon, apenas porque a China “nunca em sua história adotou uma política de agressão militar ou conquista fora de seu próprio território”. A China “até construiu um muro para manter os bárbaros afastados”.

Solomon enfatiza que a cooperação da China com potências estrangeiras é baseada em uma transação, uma interação mutuamente benéfica na qual serviços ou mercadorias são trocados. Ao contrário do Ocidente e de seu liberalismo, a China não busca criar o mundo inteiro à sua imagem.

E quanto à pandemia, que se diz ter começado na China? A China não seguiu a tecnologia de mRNA do Ocidente, mas ofereceu aos seus cidadãos as vacinas tradicionais. “Embora algumas autoridades chinesas pró-ocidentais insistissem em remessas de mRNA da Pfizer e na produção doméstica de mRNA, o Partido Comunista resistiu à pressão da classe política dos EUA”, explica Solomon.

O Partido Comunista pode ter reagido de forma exagerada ao adotar uma estratégia extremamente rigorosa, mas, segundo Solomon, isso ocorreu porque a China estava enfrentando um ataque biológico. Para “eventos futuros” semelhantes, ele também aconselha os ocidentais a confiar no “zinco, nas vitaminas C e D e na medicina tradicional chinesa”.

Na avaliação de Solomon, a China continua sendo “o principal baluarte contra os invasores do império anglo-sionista americano e os asseclas de sua máfia financeira global”.

Dado “o poder monstruoso dos banqueiros internacionais, o Imperador Presidente Xi deve fazer malabarismos com um complexo emaranhado de neutros, aliados e adversários para levar a China à vitória, o que, em um sentido mais amplo, significa a sobrevivência da espécie humana”. Solomon vê Xi defendendo “os princípios fundamentais do Tao”.

Espero que Solomon esteja certo, mesmo que muitas vezes eu me sinta frustrado com as ações (ou inações) das grandes potências e com as maquinações dos círculos financeiros por trás da governança global. Seja qual for a verdade final, vivemos em tempos perigosos, mas interessantes, em um limbo precário entre a nova e a velha ordem mundial.

De acordo com o filósofo Oswald Spengler, o Ocidente já está condenado. “O gênio ocidental levou o mundo dos cavalos e carruagens à sociedade industrial moderna. O resultado foram muitas criações incríveis, mas também muito sofrimento e morte”, resume Solomon. É por isso que ele quer acompanhar “a evolução da China em direção à autorrealização nacional”.

Mas Solomon é (muito?) otimista e não pode deixar de ter uma ideia para o Ocidente. “Se a filosofia ocidental integrar os princípios da lei do carma para estabelecer um equilíbrio yin-yang e se a Europa se unir à China e à Rússia em uma aliança eurasiática, acredito que a recuperação e a reintegração positiva do Ocidente na família global ainda são possíveis”.

FONTE

https://www.geopolitika.ru/pt-br/article/guerra-dos-banqueiros-contra-china