Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

A infame e vergonhosa proteção estadunidense a Israel

A terra está a começar a ceder sob os pés da chamada civilização ocidental, e o fim da sua hegemonia está, sem dúvida, próximo.

Finalmente, na manhã da última segunda-feira, 25 de março, o Conselho de Segurança da ONU adotou a breve Resolução 2728 (2024), que incluía as palavras “cessar-fogo imediato”. O adiamento é de mais de cinco meses, devido à posição arrogante dos Estados Unidos, que usaram três vezes o seu veto contra projetos de resolução que apelavam a um cessar-fogo, e duas vezes contra alterações a projetos de resolução para introduzir uma cláusula relacionada ao assunto, incluindo esta resolução.

O embaixador russo apresentou uma alteração ao último projeto antes de votá-lo, acrescentando a palavra “permanente” após a palavra no texto do primeiro parágrafo da resolução: “Exige um cessar-fogo imediato”. A resolução que foi adotada é fraca e têm muitas deficiências, mas o objetivo da Argélia, que representa o grupo árabe e os seis países eleitos que o apoiaram no início, antes da adesão dos três aliados dos EUA: Equador, Japão e Coreia do Sul, é quebrar a barreira da insistência estadunidense em não usar um cessar-fogo imediato e contorná-lo para dar à entidade sionista uma oportunidade mais longa para continuar seus massacres, para alcançar seus objetivos declarados de desenraizar o movimento Hamas e libertar os reféns.

A entidade sonhava que conseguiria isso dentro de duas semanas, à luz da absoluta simpatia ocidental, do fluxo de armas, equipamentos e voluntários, e da chegada de navios de guerra e porta-aviões. Os Estados Unidos continuaram a procrastinar e recusaram-se a introduzir uma cláusula de cessar-fogo, mês após mês. As maiores “tréguas humanitárias” permitidas foram incorporadas em duas Resoluções do Conselho 2.712, de 15 de novembro, e na Resolução 2.720, de 23 de dezembro de 2023. Era necessário pressionar por uma resolução que apelasse explicitamente a um cessar-fogo, e este é o ponto essencial na resolução. A segunda falha fundamental da decisão é a cessação imediata durante o Ramadã, ou seja, nos dias restantes de no máximo duas semanas. Suponhamos que a entidade sionista queira fazer política e anuncie que deixará completamente de disparar qualquer bala a partir do momento a decisão for emitida até o final do Ramadã, e for efetivamente implementada, então virá então a implementação da parte organicamente ligada ao primeiro parágrafo, que afirma: “Também exige a libertação imediata e incondicional de todos os reféns”, ou seja que a bola passará imediatamente para a quadra da resistência e o mundo estará aguardando a libertação de todos os reféns, militares, civis, recrutas e menores, por um lado, e por outro.

Por outro lado, a libertação é imediata. Para acompanhar o cenário, o cessar-fogo realmente ocorre e todos os reféns são libertados imediatamente. O estado de calma continua com a aplicação conjunta das duas disposições, e a chegada da ajuda humanitária relacionada com as duas disposições anteriores é facilitada. A ordem das medidas práticas de acordo com a decisão é a seguinte: um cessar-fogo, a libertação imediata de todos os reféns, o fluxo de ajuda humanitária, mas para o último dia do Ramadã. O que vai acontecer a seguir? Os reféns devolvidos às suas famílias e centenas de palestinos, crianças e mulheres detidas, libertados.

Depois disso, a liderança da guerra de extermínio sentirá que não está de mãos atadas, e os primeiros a exigir o reinício da guerra de extermínio serão as famílias dos presos e os próprios presos. Se não houver garantias e se forem assinados acordos segundo os quais, após o Ramadã, o cessar-fogo continuará a negociar o resto das questões espinhosas, especialmente a questão da retirada e da autoridade para gerir os assuntos em Gaza, e chegar a acordo sobre pontos relacionados com a reconstrução, então o que impede a entidade de multiplicar os seus ataques abrangentes dez vezes ou mais? Depois de garantir que os prisioneiros regressaram às suas casas. Estes são os pontos fracos da decisão, que não diminuem a sua importância, o seu timing e a quase unanimidade que obteve, especialmente o alinhamento completo dos dez países eleitos, que representam todos os grupos geográficos. A adesão da Coreia do Sul, do Japão e do Equador enviou uma mensagem forte aos Estados Unidos, afirmando que existe um consenso internacional sobre a necessidade de exigir um cessar-fogo e que o tempo não pode mais tolerar hesitação, evasão e formulações distorcidas. Na verdade, os Estados Unidos estavam sozinhos, sem ninguém que os apoiasse, e se usassem o veto, seria um tapa na cara de todos os países do mundo, exceto a entidade sionista, mas os Estados Unidos conseguiram, através destes aliados, para diminuir a linguagem e manter as duas lacunas anteriores.

A Terra está a começar a ceder sob os pés da chamada civilização ocidental, e o fim da sua hegemonia está, sem dúvida, próximo.

Após a irada reação sionista e o cancelamento da visita da delegação militar, que se deslocava a Washington para discutir alternativas militares ao plano de assalto a Rafah, a representante estadunidense, Linda Thomas-Greenfield, anunciou rapidamente com toda a confiança, como se ela tivesse controle sobre os pilares do direito internacional por parte de todas as suas partes, a decisão não seria vinculativa. Isto foi seguido por declarações do porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller, confirmando o mesmo ponto, e depois John Kirby, porta-voz da Casa Branca, na segunda-feira. Esta posição está correta? Em 1993, poucos dias após a chegada do ex-secretário-geral Boutros Boutros-Ghali, foi realizada uma conferência de imprensa na sede do organismo internacional, onde lhe foi questionado sobre a Resolução 242 (1967), que exigia a retirada dos territórios ocupados na Guerra dos Seis Dias. Ele disse que a resolução não era vinculativa. O mundo se levantou contra ele naquele dia, e a imprensa egípcia e árabe o atacaram, e ele foi acusado naquele dia de pagar as contas de sua eleição para os Estados Unidos e para a entidade sionista, porque apoiou a marcha de Sadat e o acompanhou em sua viagem à Jerusalém ocupada em novembro de 1977, mas Boutros-Ghali rapidamente descobriu o seu erro e emitiu uma declaração esclarecendo que não tinha a intenção.

Ele quis dizer que não era executório e que escolheu a palavra errada em inglês, que é (não vinculativo) em vez da palavra (não executório), e a diferença é clara entre os dois termos. Todas as decisões do Conselho de Segurança são vinculativas, sem exceção, de acordo com o Artigo 25 da Carta das Nações Unidas, que afirma: ‘Os membros das Nações Unidas comprometem-se a aceitar as decisões do Conselho de Segurança e a implementá-las de acordo com esta Carta.’ Portanto, o direito internacional é claro nesta questão e não são permitidas interpretações ou disparates, como diz a norma jurídica: ‘Não há fundamentação com o texto’. A entidade sionista anunciou duas vezes que tinha implementado resoluções do Conselho de Segurança, mas com atraso prolongado. Resolução 425 (1978), que exigia a retirada da entidade do sul do Líbano. Quando a entidade foi forçada a retirar-se em 2000, desonrada e rejeitada, alegou que tinha implementado a decisão. Quando o Conselho de Segurança adotou a Resolução 799 (1992) para devolver os deportados a Marj al-Zuhur, no sul do Líbano, aqueles que optaram por regressar foram, na verdade, devolvidos ao país durante o ano que se seguiu à resolução. As resoluções que não são adotadas ao abrigo do Capítulo Sete são implicitamente consideradas como tendo sido adotadas ao abrigo do Capítulo Seis sem declaração disso, e estas decisões constituem a esmagadora maioria das resoluções do Conselho de Segurança. Dado que o Capítulo Seis trata da resolução de litígios através de meios pacíficos, a questão é deixada às partes em conflito para encontrarem as formas mais seguras de implementar a decisão, tais como mediação, negociações, arbitragem, recorrendo ao Gabinete do Secretário-Geral, enviando um enviado especial, ou recorrendo a tribunais internacionais. Quanto às decisões adotadas ao abrigo do Capítulo Sete, não são apenas vinculativas, mas devem ser aplicadas através de uma série de medidas que vão desde advertências ao corte de relações, passando por sanções econômicas parciais, até sanções abrangentes, até ao uso da força. É certo que os Estados Unidos e os seus principais aliados, a Grã-Bretanha e a França, não permitirão que o Conselho de Segurança sequer pense em adotar uma resolução de sanções contra a entidade à luz do Capítulo VII. Além da explicação ilógica e inaceitável fornecida pelos Estados Unidos relativamente à recente resolução e à sua não vinculação, aumentou a sua arrogância e os seus excessos imprudentes quando disse que não acredita que ‘Israel esteja deliberadamente a usar a fome e a reter alimentos’ e que não está convencido de que exista um perigo iminente de fome, refutado pelo relatório da Classificação Integrada de Segurança Alimentar (ICP) emitido em 19 de Março, mostrou que o limiar de insegurança alimentar aguda para a fome tinha sido significativamente atravessada no norte de Gaza, e que a desnutrição aguda entre crianças com menos de cinco anos de idade estava a progredir a um ritmo recorde em direção ao segundo limiar da fome.

Quanto à outra questão de que os Estados Unidos continuam a ser únicos na sua posição, não estão convencidos de que o que está a acontecer em Gaza seja genocídio, e não sabemos se o mundo acredita nas declarações dos Estados Unidos, do Tribunal Internacional de Justiça, ou no relatório da Relatora para os Direitos Humanos no Território Palestino Ocupado, Francesca Albanese, que publicou um relatório de 25 páginas em 25 de março que prova, sem dúvida, que o que está acontecendo em Gaza é uma guerra genocida. É a arrogância do poder, a ideologia do capitalismo selvagem e a doutrina da supremacia branca ocidental, mas o terreno começou a surgir sob os pés da chamada civilização ocidental e o fim do seu domínio está, sem dúvida, próximo.

FONTE: https://www.brasil247.com/blog/a-infame-e-vergonhosa-protecao-estadunidense-a-israel