Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

A necessidade de um novo vocabulário político

A derrota esmagadora, em 4 de julho, dos conservadores britânicos neoliberais pró-guerra para o Partido Trabalhista neoliberal pró-guerra coloca a questão do que a mídia quer dizer quando descreve as eleições e os alinhamentos políticos em toda a Europa em termos de partidos tradicionais de centro-direita e centro-esquerda desafiados por neofascistas nacionalistas.

As diferenças políticas entre os partidos centristas da Europa são marginais, todos apoiando cortes neoliberais nos gastos sociais em favor do rearmamento, da rigidez fiscal e da desindustrialização que o apoio à política dos EUA e da OTAN acarreta. A palavra “centrista” significa não defender nenhuma mudança no neoliberalismo da economia. Os partidos centristas hifenizados estão comprometidos com a manutenção do status quo pró-EUA pós-2022.

Isso significa permitir que os líderes dos EUA controlem a política europeia por meio da OTAN e da Comissão Europeia, a contraparte europeia do Estado Profundo dos EUA. Essa passividade está colocando suas economias em pé de guerra, com inflação, dependência comercial dos Estados Unidos e déficits europeus resultantes das sanções comerciais e financeiras patrocinadas pelos EUA contra a Rússia e a China. Esse novo status quo mudou o comércio e os investimentos europeus da Eurásia para os Estados Unidos.

Os eleitores da França, Alemanha e Itália estão se afastando desse beco sem saída. Todos os partidos centristas em exercício perderam recentemente – e todos os seus líderes derrotados tinham políticas neoliberais pró-EUA semelhantes. Como Steve Keen descreve o jogo político centrista: “O partido no poder adota políticas neoliberais; ele perde a eleição seguinte para rivais que, quando chegam ao poder, também adotam políticas neoliberais. Eles então perdem, e o ciclo se repete”. As eleições europeias, como as de novembro deste ano nos Estados Unidos, são em grande parte um voto de protesto – com os eleitores não tendo para onde ir, exceto para votar nos partidos nacionalistas populistas que prometem acabar com esse status quo. Essa é a contrapartida da Europa continental para a votação britânica do Brexit.

O AfD na Alemanha, o Rally Nacional de Marine le Pen na França e o Irmãos da Itália de Georgia Meloni são retratados como destruindo e quebrando a economia – por serem nacionalistas em vez de se conformarem com a Comissão da OTAN/UE e, especificamente, por se oporem à guerra na Ucrânia e ao isolamento europeu da Rússia. Essa postura é a razão pela qual os eleitores os estão apoiando. Estamos vendo uma rejeição popular ao status quo. Os partidos centristas chamam toda a oposição nacionalista de neofascista, assim como na Inglaterra a mídia descreve os conservadores e os trabalhistas como centristas, mas Nigel Farage como um populista de extrema direita.

Não há partidos de “esquerda” no sentido tradicional da esquerda política

Os antigos partidos de esquerda se juntaram aos centristas, tornando-se neoliberais pró-EUA. Não há contrapartida na antiga esquerda para os novos partidos nacionalistas, com exceção do partido de Sara Wagenknecht na Alemanha Oriental. A “esquerda” não existe mais da mesma forma que existia quando eu estava crescendo na década de 1950.

Os partidos Social Democrata e Trabalhista de hoje não são socialistas nem pró-trabalho, mas pró-austeridade. O Partido Trabalhista britânico e os social-democratas alemães não são mais nem mesmo antiguerra, mas apoiam as guerras contra a Rússia e os palestinos, e apostam na Reaganomics neoliberal Thatcherita/Blairita e na ruptura econômica com a Rússia e a China.

Os partidos social-democratas que estavam na esquerda há um século estão impondo austeridade e cortes nos gastos sociais. As regras da zona do euro que limitam os déficits orçamentários nacionais a 3% significam, na prática, que o encolhimento do crescimento econômico deve ser gasto em rearmamento militar – 2% ou 3% do PIB, principalmente em armas dos EUA. Isso significa queda nas taxas de câmbio dos países da zona do euro.

Isso não é realmente conservador ou centrista. Trata-se de austeridade de extrema-direita, de redução dos gastos trabalhistas e governamentais que os partidos de esquerda apoiaram há muito tempo. A ideia de que o centrismo significa estabilidade e preserva o status quo acaba sendo autocontraditória. O status quo político de hoje está reduzindo os salários e os padrões de vida e polarizando as economias. Ele está transformando a OTAN em uma aliança agressiva contra a Rússia e a China, que está forçando os orçamentos nacionais a entrarem em déficit, fazendo com que os programas de bem-estar social sejam reduzidos ainda mais.

Os chamados partidos de extrema direita são agora os partidos populistas contra a guerra

O que é chamado de “extrema direita” está apoiando (pelo menos na retórica da campanha) políticas que costumavam ser chamadas de “esquerda”, opondo-se à guerra e melhorando as condições econômicas dos trabalhadores domésticos e dos agricultores – mas não as dos imigrantes. E, como no caso da antiga esquerda, os principais apoiadores da direita são os eleitores mais jovens. Afinal, eles estão sofrendo o impacto da queda dos salários reais em toda a Europa. Eles percebem que seu caminho para a mobilidade ascendente não é mais o mesmo que o de seus pais (ou avós) na década de 1950, após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando havia muito menos dívidas imobiliárias do setor privado, dívidas de cartão de crédito ou outras dívidas – especialmente dívidas estudantis.

Naquela época, todos podiam comprar uma casa fazendo uma hipoteca que absorvia apenas 25% da renda salarial e era amortizada em 30 anos. Mas as famílias, as empresas e os governos de hoje são obrigados a tomar emprestado quantias cada vez maiores apenas para manter seu status quo.

A antiga divisão entre partidos de direita e de esquerda perdeu o sentido. O recente aumento dos partidos descritos como de “extrema direita” reflete a ampla oposição popular ao apoio dos EUA/OTAN à Ucrânia contra a Rússia e, principalmente, às consequências desse apoio para as economias europeias. Tradicionalmente, as políticas contra a guerra têm sido de esquerda, mas os partidos de “centro-esquerda” da Europa estão seguindo a “liderança por trás” (e muitas vezes por baixo da mesa) pró-guerra dos Estados Unidos. Isso é apresentado como uma postura internacionalista, mas se tornou unipolar e centrada nos EUA. Os países europeus não têm voz independente.

O que acaba sendo uma ruptura radical com as normas do passado é a Europa seguindo a transformação da OTAN de uma aliança defensiva para uma aliança ofensiva, de acordo com as tentativas dos EUA de manter seu domínio unipolar dos assuntos mundiais. A adesão às sanções dos Estados Unidos contra a Rússia e a China e o esvaziamento de seus próprios arsenais para enviar armas à Ucrânia e tentar sangrar a economia russa não prejudicou a Rússia, mas a fortaleceu. As sanções agiram como um muro de proteção para sua própria agricultura e indústria, levando a um investimento que substitui as importações. Mas as sanções prejudicaram a Europa, especialmente a Alemanha.

O fracasso global da versão ocidental atual do internacionalismo

Os países do BRICS+ estão expressando as mesmas demandas políticas por uma ruptura do status quo que as populações nacionais do Ocidente estão buscando. A Rússia, a China e outros países líderes do BRICS estão trabalhando para desfazer o legado da polarização econômica, repleta de dívidas, que se espalhou pelo Ocidente, pelo Sul Global e pela Eurásia como resultado da diplomacia dos EUA/OTAN e do FMI.

Após a Segunda Guerra Mundial, o internacionalismo prometeu um mundo pacífico. As duas guerras mundiais foram atribuídas a rivalidades nacionalistas. Elas deveriam acabar, mas em vez de o internacionalismo acabar com as rivalidades nacionais, a versão ocidental que prevaleceu com o fim da Guerra Fria viu os Estados Unidos, cada vez mais nacionalistas, se fecharem na Europa e em outros países satélites contra a Rússia e o restante da Ásia. O que se apresenta como uma “ordem baseada em regras” internacional é uma ordem em que os diplomatas dos EUA estabelecem e mudam as regras para refletir os interesses dos EUA, ignorando a lei internacional e exigindo que os aliados americanos sigam a liderança dos EUA na Guerra Fria.

Esse não é um internacionalismo pacífico. Ele vê uma aliança militar unipolar dos EUA levando a uma agressão militar e a sanções econômicas para isolar a Rússia e a China. Ou, mais precisamente, para isolar os aliados europeus e outros de seu antigo comércio e investimento com a Rússia e a China, tornando esses aliados mais dependentes dos Estados Unidos.

O que pode ter parecido aos europeus ocidentais uma ordem internacional pacífica e até mesmo próspera na década de 1950, sob a liderança dos EUA, transformou-se em uma ordem americana cada vez mais autopromovida que está empobrecendo a Europa. Donald Trump anunciou que apoiará uma política tarifária protecionista não apenas contra a Rússia e a China, mas também contra a Europa. Ele prometeu que retirará o financiamento da OTAN e obrigará os membros europeus a arcarem com os custos totais da restauração de seus suprimentos de armamentos esgotados, principalmente por meio da compra de armas dos EUA, embora elas não tenham funcionado muito bem na Ucrânia.

A Europa está sendo deixada isolada por si mesma. Se os partidos políticos não centristas não intervierem para reverter essa tendência, as economias da Europa (e também as dos Estados Unidos) serão arrastadas pela polarização econômica e militar nacional e internacional atual. Portanto, o que acaba sendo radicalmente perturbador é a direção que o status quo atual está tomando sob os partidos centristas.

Apoiar a iniciativa dos EUA de desmembrar a Rússia e, em seguida, fazer o mesmo com a China, envolve aderir à iniciativa neocon americana de tratá-los como inimigos. Isso significa impor sanções comerciais e de investimento que estão empobrecendo a Alemanha e outros países europeus ao destruir seus vínculos econômicos com a Rússia, a China e outros rivais designados (e, portanto, inimigos) dos Estados Unidos.

Desde 2022, o apoio da Europa à luta dos Estados Unidos contra a Rússia (e agora também contra a China) acabou com o que era a base da prosperidade europeia. A antiga liderança industrial da Alemanha na Europa – e seu apoio à taxa de câmbio do euro – está sendo encerrada. Isso é realmente “centrista”? Trata-se de uma política de esquerda ou de direita? Seja qual for o nome que lhe dermos, essa fratura global radical é responsável pela desindustrialização da Alemanha, isolando-a do comércio e dos investimentos na Rússia.

Uma pressão semelhante está sendo feita para separar o comércio europeu da China. O resultado é o aumento do déficit comercial e de pagamentos da Europa com a China. Juntamente com a crescente dependência das importações da Europa em relação aos Estados Unidos para o que costumava comprar a um custo menor do Oriente, o enfraquecimento da posição do euro (e a apreensão das reservas estrangeiras russas pela Europa) levou outros países e investidores estrangeiros a se desfazerem de suas reservas em euros e libras esterlinas, enfraquecendo ainda mais as moedas. Isso ameaça aumentar o custo de vida e os negócios na Europa. Os partidos “centristas” não estão produzindo estabilidade, mas sim retração econômica à medida que a Europa se torna um satélite da política dos EUA e de seu antagonismo com as economias do BRICS.

O presidente russo Putin disse recentemente que o rompimento das relações normais com a Europa parece irreversível nos próximos trinta anos, aproximadamente. Será que uma geração inteira de europeus permanecerá isolada das economias de crescimento mais rápido do mundo, as da Eurásia? Essa fratura global da ordem mundial unipolar dos Estados Unidos está permitindo que os partidos antieuropeus se apresentem não como extremistas radicais, mas como uma tentativa de restaurar a prosperidade perdida e a autossuficiência diplomática da Europa – de uma forma anti-imigrante de direita, com certeza. Essa se tornou a única alternativa para os partidos pró-EUA, agora que não há mais esquerda de verdade.

FOTO: Reprodução do X

FONTE: https://sakerlatam.blog/a-necessidade-de-um-novo-vocabulario-politico/