Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ.Há 9 anos lutando pelos jornalistasUnidos somos mais fortesÚnica entidade nacional de jornalistas que aceita associados com ou sem diploma.
A tecnopolítica como dimensão do capitalismo de plataformas assassina a democracia liberal

A tecnopolítica como dimensão do capitalismo de plataformas assassina a democracia liberal

“A tecnopolítica vetou a política agora chamada de tradicional para substituí-la pelos algoritmos que disputam a maioria, alimentam os guetos (zumbificação) e definem os rumos pelas novas maiorias obtidas pelo poder econômico da técnica dos robôs”, diz o colunista Roberto Moraes. “Fenômeno que pode ser percebido com a formação da rede digital bolsomilitar”, afirma.

As Plataformas Digitais (PDs) nascidas com o discurso do compartilhamento, da solidariedade e da democratização de acessos e como espaço de um debate ainda mais amplo que reviveria a ágora grega, numa espécie de “ágora digital”, paulatinamente, passam a ser vistas como ferramentas de destruição da democracia liberal ocidental e de maior empoderamento de quem já tem muito poder e dinheiro.

Na quarta-feira (29/07), tratei do tema do capitalismo de plataformas em entrevista na TV 247 sob o título dado pelo entrevistador como a “economia dos apps” (Acesso aqui). Na ocasião comentei que o assunto que envolve “as veias digitais”, deve ser abordado em pelo menos seis dimensões, para a além da precarização e exploração repugnante sobre do trabalhador de entregas a domicílio que o esquema “delivery” escancarou com a chegada da pandemia. No Brasil, hoje, cerca de 5 milhões de trabalhadores trabalham sob o controle das plataformas digitais, entre eles os entregadores.

Além da dimensão do trabalho, da individualização, da falsa suposição do sujeito-empresário (Dardot & Laval, 2016), a do trabalhador por demanda da “GIG Economy” ou “Economia sob Demanda”, devemos observar a dimensão econômica da hiperconcentração (e centralização espacial das plataformas-raiz); dimensão da financeirização, das startups e da appfifcação; dimensão cultural das redes (societal e comunitário); dimensão espacial, geoeconômica dos lugares escolhidos e dos lugares abandonados e a dimensão da política e da tecnopolítica que avança assassinando a democracia liberal ocidental.

Mais que uma plataforma de intermediação entre demandas, produção e circulação (material, imaterial e financeira), o processo de plataformização transforma a política e nos trouxe à realidade da tecnopolítica.

Entre extasiados e espantados diante da explosão de dados e informações a que somos expostas o tempo todo, essa arquitetura tecnológica das chamadas Plataformas Digitais, agora descortinam também a enorme concentração do poder político.

Com essa “hiperconcentraçaõ” se tem a formação e a oferta de mais poder político para minorias endinheiradas, contra maiorias expressivas, que são sufocadas e sofrem com o sequestro do esquema eleitoral fakenizado das democracias liberais ocidentais.

Brexit, Salvini, Orban e Bolsonaro são exemplos desta estratégia planejada pelo americano Steve Bannon. Bolsonaro chegou ao poder com os conhecidos esquemas de pirâmide de robôs nas eleições de 2018. No cargo, a família Bolsonaro transformou essa pirâmide de robôos eleitorais no “Gabinete do Ódio”, com ligação direta com a Secom, no próprio Palácio do Planalto.

Assim, através das plataformas digitais das redes sociais, o “Gabinete do Ódio” comandada por youtubers e blogueiros bolsonaristas têm acesso às gordas verbas publicitárias, oriundas de fundos públicos, que constituem a máquina de propaganda do BolsoMilitarismo.

Esse é um exemplo de como a tecnopolítica foi criando as condições para para instituir uma democracia – que tenta se consolidar em que minorias controlam a maioria que se volta, quase exclusivamente, para uma vaga de ideia de liberdade individual como se vivêssemos sozinhos no mundo.

As democracias não morrem, elas são assassinadas pelo poder econômico cada vez mais empoderada

Ao contrário do que levantava Steven Levitsky em seu livro ao afirmar “que as democracias morrem, a partir da leitura da tecnopolítica, já é possível afirmar que as democracias liberais ocidentais, estão sim, sendo assassinadas. Na verdade trucidadas pelas milícias digitais sustentadas pelo mesmo poder econômico que organizou o capitalismo de plataformas que trouxe à essa enorme concentração econômica.

Uma oligopolização do uso das veias digitais controladas pelas plataformas-raiz (5 Big Techs: Apple, Google, Facebook, Amazon e Microsoft) com vínculos com o “Deep State” (estado-profundo) estadudinense, que vão bem além dos trustes e dumpings econômicos.

Sugiro que leiam o livro “Engenheiros do caos” editado em 2019 no Brasil, do francês Giuliano Da Empoli que atua num grupo de pesquisa “Volta” em Milão sobre o qual fiz brevíssima resenha no blog (acesso aqui), já estimulando a leitura sobre o que vem a ser a tecnopolítica com descrição detalhada de seu avanço sobre até então algumas democracias liberais no Ocidente.

A política e suas instituições eram espaços (de certa forma também plataformas) nas democracias liberais, onde os conflitos e interesses de classes eram confrontados e, a partir de maioria direta (eleições) ou indireta (por representações nos três poderes organizados sob a forma de Estado) definiam rumos de partes (estados-nacionais) dos cidadãos.

Só que entre a dimensão digital e a dimensão física da política real, a plataformização dos negócios transforma a política num problema e não numa forma de intermediação de diferentes interesses na sociedade.

A tecnopolítica nos jogou nos guetos dos grupos isolados em bolhas que não dialogam entre si e que repulsam o contrário que era, exatamente, o espaço da mediação, da busca de acordos ou da disputa pela maioria, através da ideia dos “campos” na concepção do sociólogo francês Pierre Bourdieu.

Nesse vácuo que reduz e aniquila as instituições democráticas se cria o caldo onde a tecnopolítica produz a figura do antistableshiment. Com ela se controla o poder político e assim amplia os tentáculos da plutocracia, com governo dos ricos e para os ricos.

A tecnopolítica vetou a política agora chamada de tradicional para substituí-la pelos algoritmos que disputam a maioria, alimentam os guetos (zumbificação) e definem os rumos pelas novas maiorias obtidas diretamente pelo poder econômico da técnica dos robôs, na superficialidade da “memificação da política”. Fenômeno que pode ser facilmente percebido com a formação e atuação da rede digital bolsomilitar no Brasil.

A ilusão da “ágora digital” que nos reaproximaria de uma democracia direta, mediada pela internet e pelas plataformas, está sendo exposta como inviável. Os controles exercidos pelos oligopólios gigantes da tecnologia do ocidente (Big Techs), dominam as veias digitais, hoje de forma escancarada (e não mais escamoteada), exercendo o poder político por cima de partidos e instituições, que no mundo real se fragmenta cada vez mais entre guetos e bolhas, onde as massas ampliam sua raiva, seu ódio e sua revolta.

A dimensão da política não cabe nessa “arquitetura modular de negócios” entre demanda e produção do capitalismo de plataformas. A política é o coração da vida civilizada em sociedade. Fora daí continuaremos a caminhar a passos largos, para uma nova rodada de fascismo (já em curso), em direção à barbárie, em que pese os bárbaros terem sido menos bárbaros, do que aquilo que hoje já nos ameaça, sem que a maioria se aperceba.

Compreender essa realidade pode nos ajudar a transformar o caminho que a tecnopolítica está induzindo a civilização ocidental central no norte e também a do capitalismo periférico tardio, em sua maioria localizada no sul global.

FONTE:

https://www.brasil247.com/blog/a-tecnopolitica-como-dimensao-do-capitalismo-de-plataformas-assassina-a-democracia-liberal