Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Após os EUA, protestos estudantis pró-Palestina proliferam no Canadá, França, México e Austrália

Polícia dos EUA prendeu cerca de 2.200 pessoas durante protestos pró-Palestina em campi universitários em todo o país nas últimas semanas.

Protestos estudantis pró-Palestina intensificaram-se em vários países ao redor do mundo, incluindo Canadá, França, México e Austrália, em meio a uma repressão a estudantes nos Estados Unidos e um número crescente de mortes devido à guerra de Israel em Gaza.

Nesta sexta-feira (3), dezenas de estudantes continuaram uma ocupação nos principais prédios da universidade Sciences Po na capital francesa, Paris, após terem passado a noite lá.

“A propósito, as negociações com a liderança não estão progredindo,” disse Jack, um dos manifestantes, à Reuters por mensagem de texto, referindo-se a um debate entre a liderança do instituto e os estudantes sobre a guerra e os laços acadêmicos com Israel.

O diretor da Sciences Po na quinta-feira rejeitou as demandas dos manifestantes para revisar os laços da escola com universidades israelenses.

Segundo um estudante falando em nome dos manifestantes, pelo menos uma pessoa entrou em greve de fome.

Após o debate não aliviar as tensões, a universidade Sciences Po foi fechada pelo dia na sexta-feira e seu pessoal foi solicitado a trabalhar de casa, de acordo com um memorando interno citado pelo jornal local Le Parisien e pela rádio France Inter.

A universidade de ciências políticas de elite tornou-se nesta semana o centro de uma onda de protestos pró-Palestina em várias escolas francesas.

No Canadá, mais estudantes ergueram acampamentos pró-palestinos em algumas das maiores universidades do país, incluindo a Universidade de Toronto, a Universidade da Colúmbia Britânica, a Universidade de Ottawa e a Universidade McGill.

Eles exigem que as universidades desinvistam de grupos com laços com Israel.

O primeiro-ministro de Quebec, François Legault, disse na quinta-feira que o acampamento em Montreal, na McGill, deveria ser desmantelado.

“Queremos que o acampamento seja desmontado. Confiamos na polícia, deixem-nos fazer seu trabalho”, disse um porta-voz de Legault. A polícia declarou em um comunicado na quinta-feira à noite que estava monitorando a situação.

Na manhã de quinta-feira, estudantes na Universidade de Toronto montaram um acampamento no campus do centro da cidade, onde quase 100 manifestantes se reuniram com dezenas de barracas.

Os organizadores dizem que o acampamento permanecerá até que a universidade divulgue seus investimentos, desinvista de qualquer um que “sustente o apartheid israelense, a ocupação e o assentamento ilegal da Palestina” e corte laços com algumas instituições acadêmicas israelenses.

Também na quinta-feira, dezenas de estudantes pró-palestinos acamparam em frente à sede da Universidade Nacional Autônoma do México, a maior do país, entoando “Viva a Palestina livre”.

Eles instaram seu governo a romper laços diplomáticos e comerciais com Israel e expressaram apoio aos seus colegas nos Estados Unidos.

“Estamos aqui para apoiar a Palestina, o povo que está na Palestina e os acampamentos estudantis nos Estados Unidos”, disse Valentino Pino, um estudante de filosofia de 19 anos.

Na Austrália, também houve protestos em apoio à Palestina na sexta-feira. Na Universidade de Sydney, centenas de manifestantes pró-Palestina encontraram dezenas de apoiadores de Israel que pediam o desmantelamento forçado do acampamento pró-Palestina.

Os manifestantes pró-Palestina estão acampados há 10 dias em frente ao imponente edifício de arenito gótico da Universidade de Sydney, um bastião da academia australiana. Eles também exigem que a Universidade de Sydney corte laços com instituições israelenses e rejeite financiamentos de empresas de armamentos.

Os organizadores do acampamento disseram que foram inspirados pelos protestos nos EUA.

Deaglan Godwin, um estudante de artes e ciências de 24 anos e um dos organizadores, disse que a Universidade de Columbia em Nova York “nos inspirou a montar nosso próprio acampamento”.

Ele também observou que os protestos na Universidade de Columbia, cenário de repressão policial e prisões em massa, serviram também como um alerta.

Columbia é “também agora um aviso, um aviso de que o governo está disposto a usar forças bastante letais e brutais para reprimir manifestantes palestinos.”

As manifestações pró-Palestina começaram na Universidade de Columbia em Nova York em 17 de abril e se espalharam por outros campi nos EUA em um movimento estudantil diferente de qualquer outro deste século.

A polícia dos EUA prendeu cerca de 2.200 pessoas durante protestos pró-Palestina em campi universitários em todo o país nas últimas semanas, conforme relatado pela Associated Press.

Os estudantes estão pedindo o fim da guerra genocida de Israel em Gaza e exigindo que as escolas desinvistam de empresas que apoiam o regime israelense.

Israel lançou a guerra em Gaza em 7 de outubro, após o movimento de resistência palestino Hamas ter realizado a surpreendente Operação Tempestade Al-Aqsa contra a entidade ocupante em resposta à campanha de derramamento de sangue e devastação de décadas do regime israelense contra os palestinos.

Tel Aviv também bloqueou água, comida e eletricidade para Gaza, mergulhando a faixa costeira em uma crise humanitária. Desde o início da ofensiva, o regime de Tel Aviv matou pelo menos 34.596 palestinos e feriu outros 77.816.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/apos-os-eua-protestos-estudantis-pro-palestina-proliferam-no-canada-franca-mexico-e-australia