Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Assange e a honra do jornalismo: à espera do próximo WikiLeaks

“A base da solidariedade com Assange continua a ser que, afinal, ele foi um denunciante corajoso”.

Se as redes de conspiração contra Julian Assange, o fundador do famoso site WikiLeaks, tiverem sucesso, nas quais os esforços dos governos dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Suécia, Equador e Austrália se combinaram entre uma administração e outra, e ele realmente for deportado para um tribunal em solo estadunidense; o homem teria de estar sujeito a 17 condenações criminais sob a Lei de Espionagem dos EUA de 2017, além de um crime adicional por ajudar o denunciante da Agência de Segurança Nacional, Edward Snowden, a fugir para a Rússia, com Assange recebendo uma pena de prisão de 175 anos.

As pressões internacionais transformaram Assange num símbolo humano de carne e osso, incorporando a honra do jornalismo como uma profissão obrigada a fornecer informação e exibi-la publicamente, e o direito do jornalista de cumprir este dever de forma plena e abrangente, independentemente da extensão da exposição. Estas são as linhas que tenho manifestado em solidariedade com Assange, nestas colunas em particular, ao longo de várias ocasiões. Os arquivos do homem testemunharam várias flutuações entre governos ferozes e campanhas de segurança, num sistema judicial onde acusações forjadas foram apresentadas contra ele, não pelo governo, e menos ainda o peso do que a Suécia provocou no estupro de dois menores, e foi sequestrado da embaixada do Equador em Londres para a prisão de Belmarsh, que tem uma reputação odiosa.

A administração do Presidente dos EUA, Joe Biden, acabou por sucumbir a uma série complexa de pressões e tentações internas e internacionais para embelezar a imagem num ano eleitoral crucial que testemunhou e está testemunhando um declínio nos índices de aprovação de Biden. O acordo celebrado pelo Departamento de Justiça dos EUA com o advogado de Assange incluía, como se tornou conhecido, sua confissão de culpa por um crime que interessava a todas as administrações dos EUA, nomeadamente a exposição de crimes de guerra. Mas também incluiu uma primeira concessão do Departamento de Justiça dos EUA, nomeadamente a realização do julgamento na ilha de Saipan, afiliada aos Estados Unidos e próxima à Austrália, e depois considerar os cinco anos que passou na prisão britânica como implementação do número de anos durante os quais ele foi governado pelo acordo acordado.

No entanto, o ódio estadunidense contra Assange não teria sido completo sem obrigá-lo a pagar quase meio milhão de dólares pelas despesas do avião privado que o levou da Grã-Bretanha através da ilha até sua terra natal, a Austrália. A maioria dos meios de comunicação australianos, que estão ligados de uma forma ou de outra aos bilionários e às gigantescas redes de capitais transcontinentais, também teve de recebê-lo com ceticismo, abusos e alguns insultos repugnantes, por considerações que não estão ocultas de uma imprensa subserviente que ficou chateada quando os padrões de seu conluio com as autoridades foram expostos. Seja na própria Austrália, ou aqui e ali em todo o grupo Commonwealth, bem como nos Estados Unidos, com exceção de um número limitado de plataformas progressistas.

Nos dias da atual guerra israelita de genocídio contra civis palestinos, incluindo crianças, mulheres e idosos da Faixa de Gaza, e do conluio estadunidense com o Estado ocupante em vários níveis que não se limitam à Casa Branca e ao Congresso, mas também à mídia e às administrações das grandes universidades; vale a pena recordar um conjunto de fatos a este respeito, especialmente o envolvimento estadunidense nos crimes de guerra da ocupação, expostos por Assange e pelo site WikiLeaks. Isso permitiu que milhões de pessoas em todo o mundo tivessem acesso a uma massa de documentos diplomáticos estadunidenses, aproximadamente 1,7 milhões de documentos, incluindo telegramas, memorandos e relatórios. Embora as autoridades estadunidenses tenham levantado o status de confidencialidade de alguns desses documentos, devido à sua obsolescência segundo as leis aplicáveis, o acesso permaneceu restrito pelas condições de entrada nos Arquivos Nacionais estadunidenses. Daí o privilégio de publicá-los e abri-los ao público.

A primeira rodada de publicação de documentos estadunidenses revelou um conjunto de segredos que continuam entre os mais dramáticos em termos de maravilhas e curiosidades. Entre eles, em uma mistura de tragédia e farsa, está o fato de que o coronel Muammar Gaddafi pensava em apoiar os islamitas que se opunham ao regime de Hafez al-Assad, e enviou seu assistente Abdel Salam Jalloud a Damasco para tranquilizar Assad! As revelações do WikiLeaks também nos informaram que a administração do ex-presidente Barack Obama, representada por Hillary Clinton e pelo então secretário de Estado Dennis Ross, um assessor crônico, continuou procrastinando e evitando os melhores meios para lidar com o Irã, ao mesmo tempo que lidava com outros arquivos geopolíticos sensíveis.

O povo do Oriente Médio também descobriu como os Estados Unidos negocia com regimes tirânicos e corruptos, promovendo o mito de um ‘novo Oriente Médio’ surgido das cinzas do antigo, servindo principalmente aos interesses nacionais estadunidenses e à segurança do Estado de ocupação israelense. Graças ao WikiLeaks, os povos da região tiveram certeza da dualidade de posições da frente de ‘moderação’, representada pelo rei saudita Abdullah bin Abdulaziz, versus a frente de ‘resistência’, liderada por Bashar al-Assad, em relação a questões como Irã e a agitação do Hezbollah.

Os documentos do WikiLeaks deveriam ter esclarecido um fato muito diferente: o Irã não é uma organização de caridade para o alívio dos oprimidos em seu país, e seu armamento de alta qualidade para o Hezbollah é semelhante ao de seus exércitos nacionais, sem uma diminuição significativa. Os Aiatolás procuraram transformar a batalha do Hezbollah contra a ocupação israelense em uma extensão de suas lutas contra Washington.

As revelações do WikiLeaks também eliminaram qualquer dúvida sobre as políticas tortuosas adotadas pela administração do ex-Presidente dos EUA, Obama, que oscilava entre a bajulação dos muçulmanos em seus discursos perante o Parlamento turco e na Universidade do Cairo, e sabotava cada vez mais as relações com o mundo muçulmano, transformando o Irã em uma obsessão diária. Recebendo, fabricando ou sugerindo incitações contra o Irã na região, a Casa Branca permaneceu quase constante em sua abordagem política, cortejando países ou subornando-os para apoiar projetos de sanções econômicas cada vez mais severas contra o Irã no Conselho de Segurança da ONU.

A base da solidariedade com Assange continua a ser que, afinal, ele foi um denunciante corajoso, do tipo que o jargão estadunidense classifica como ‘whistleblower’. Embora sua reputação neste aspecto seja prejudicada por uma tendência à exposição seletiva e por uma menor disposição para revelar segredos de maneira igualitária e justa (como ao poupar essas considerações, entre muitas outras, não diminuem o serviço importante, precioso, raro e inédito que ele prestou ao mundo inteiro ao expor informações sobre os serviços de inteligência, defesa e diplomacia estadunidenses.

Não foi surpreendente a ferocidade com que essas agências buscaram deportá-lo e submetê-lo ao judiciário estadunidense, começando pela história da ‘Lei Patriota’, adotada pelo Congresso como uma imunização legal para atos de espionagem cometidos pelos próprios cidadãos estadunidenses, restringindo suas liberdades pessoais e direitos civis. Isso se deve ao fato de que os documentos do WikiLeaks representaram uma revelação profunda para aqueles que acreditavam que as principais políticas estadunidenses, especialmente em relação ao Oriente Médio, poderiam sofrer mudanças fundamentais ou transformadoras que levariam a revoluções positivas.

Esses foram os primeiros a ficar desiludidos com o clamor estadunidense que precedeu a invasão do Afeganistão e os preparativos para a invasão do Iraque, que promoveram uma mudança na Casa Branca de uma política de concluir acordos com regimes tirânicos sob o pretexto de priorizar o princípio da estabilidade, mesmo à custa dos povos, para uma política de engajamento direto com os próprios povos oprimidos, buscando promover exportações democráticas diversas. Isso reforça a necessidade de um próximo WikiLeaks, que exponha a feiura das políticas ocultas e honre mais a integridade da imprensa e dos jornalistas.

Imagem: Reprodução/WikiLeak

FONTE: https://www.brasil247.com/blog/assange-e-a-honra-do-jornalismo-a-espera-do-proximo-wikileaks