Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos
BC corta juros para 13,25% em primeira queda após 3 anos

BC corta juros para 13,25% em primeira queda após 3 anos

Após três anos, o Copom (Comitê de Política Monetária), do BC (Banco Central), decidiu hoje descer a taxa básica de juros da economia (Selic) em 0,50 ponto percentual. O índice estava a 13,75% há praticamente um ano e, agora, foi a 13,25% ao ano. O que aconteceu: Esse é o primeiro corte em três anos, desde agosto de 2020.

O Copom justificou a queda de 0,5 ponto percentual ao cenário doméstico com conjunto “consistente com um cenário de desaceleração da economia nos próximos trimestres”. O ambiente externo, no entanto, “mostra-se incerto, com alguma desinflação sendo observada na margem, mas em um ambiente marcado por núcleos de inflação ainda elevados e resiliência nos mercados de trabalho de diversos países”, segundo a nota. A redução era esperada por economistas, que divergiam apenas em quanto a taxa seria diminuída —alguns acreditavam em 0,25, enquanto outros apostaram em 0,5. Na última reunião, o Copom indicou que não havia data para a baixa da Selic. Pressão do governo O presidente Lula (PT) e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, pressionavam pela redução do índice desde o começo do governo. Hoje, eles reforçaram a pressão, com Lula afirmando que Campos Neto, presidente do BC, “não entende de Brasil” e “de povo”. Haddad, por sua vez, disse que a queda “certamente” ocorreria hoje. Após falar que há “espaço para um corte razoável”, o ministro afirmou que esperava um corte de 0,75 ponto percentual.

Por Isabella Cavalcante do UOL, em São Paulo

Antes da reunião de junho, entidades do setor produtivo e financeiro se juntaram à pressão feita pelo governo para apoiar a redução urgentemente. Hoje, Campos Neto discursou em sessão solene na Câmara e citou a importância da lei de autonomia do BC, que impede o órgão de ter que ceder a demandas do governo. Mudança no ambiente econômico Após um semestre de pressões, a gestão de Lula apostava que a aprovação de Gabriel Galípolo, ex-número 2 de Haddad na Fazenda, e Ailton Aquino na diretoria do BC finalmente viraria a pauta a favor do corte da Selic.

FONTE

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2023/08/02/copom-juros-selic-banco-central-agosto.htm