Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Brasil vai liderar campanha para admissão da Palestina como membro da ONU

governo Lula será um dos líderes na campanha para conseguir que a Palestina seja admitida como membro pleno das Nações Unidas. O entendimento foi fechado numa reunião neste domingo entre os chanceleres Mauro Vieira, do Brasil, e o palestino Riyad Al Maliki.

Neste fim de semana, o chanceler Mauro Vieira está na Cisjordânia para conversas, para defender a necessidade de um cessar-fogo e a criação e reconhecimento de um Estado palestino.

Em 2012, a Assembleia Geral da ONU votou para dar aos palestinos o status de membro observador na organização, o que permite que seus diplomatas participem dos debates, mas sem direito a voto. Naquele momento, apenas nove países votaram contra, entre eles EUA e Israel.

As autoridades palestinas querem lançar um pedido formal para a adesão completa às Nações Unidas ainda em 2024, principalmente diante do risco de que a guerra em Gaza abra caminho para novas invasões de terras por parte de israelenses. Só na Cisjordânia, mais de 700 checkpoints existem hoje, ampliando a tensão e o controle sobre as cidades palestinas.

Os palestinos admitem que o veto americano no Conselho de Segurança pode ser o maior obstáculo. Para fazer parte da campanha, agora contam com a adesão do Brasil.

Para o Itamaraty, a adesão como membro pleno é um passo importante para a garantia de que um acordo de paz estabeleça de forma explícita a criação de dois estados – palestino e israelense -, com suas fronteiras reconhecidas internacionalmente.

Al Maliki deve ir em breve ao Brasil para detalhar a forma pela qual a campanha na ONU pode ocorrer.

No encontro neste domingo, segundo o Itamaraty, “ele descreveu a extrema gravidade da situação humanitária em Gaza e destacou o papel corajoso do presidente Lula em defesa da Palestina e dos palestinos”. Segundo Maliki, Lula “mostrou liderança, coragem, compromisso e humanismo ao longo da atual crise em Gaza e falou de forma “forte e clara”, ao descrever “a situação como ela é”.

As declarações do presidente brasileiro causaram indignação por parte de Israel e foram criticadas também por uma ala das forças políticas no Brasil.

“Para o chanceler palestino, que manifestou grave preocupação com os riscos de uma iminente ação militar em Rafah, o presidente brasileiro tem sido um dos poucos líderes mundiais a agir em defesa dos civis desde a primeira hora e a ter a coragem de ‘dizer as palavras certas na hora certa'”, diz.

Maliki relatou também um crescente aumento da violência de colonos israelenses contra palestinos na Cisjordânia. “Durante a reunião, Mauro Vieira reiterou a plena disposição brasileira em liderar esforço pela admissão da Palestina como membro pleno da ONU”, completou o Itamaraty.

Brasil vai dar dinheiro para agência da ONU em Gaza

O governo brasileiro indicou que vai continuar financiando a Agência da ONU para Refugiados Palestinos (UNRWA), depois da polêmica aberta pelas acusações de Israel que visava fechar a entidade.

Israel acusou doze funcionários dos mais de 10 mil membros da agência de terem participado dos ataques do Hamas de 7 de outubro de 2023. Como resultado, 16 dos maiores financiadores retiraram ou congelaram os repasses para a UNRWA, deixando a operação humanitária numa situação crítica.

A ONU demitiu os funcionários e abriu um inquérito, o que levou os governos europeus e o Canadá a voltar a fazer os repasses. Os EUA, maior doadores da agência, continuam bloqueando o financiamento.

A contribuição brasileira é modesta, de apenas US$ 75 mil (R$ 375 mil) por ano. Mas a manutenção do envio do dinheiro é considerado como um gesto político. De acordo com fontes diplomáticas, o valor deve ser repetido em 2024.

O Brasil é o único país latino-americano no conselho da agência da ONU e sua contribuição foi muito maior no passado. Em 2023, o embaixador Celso Amorim indicou que o país faria uma contribuição, mas não havia indicado o valor.

Lula é nomeado membro honorário de Fundação Yasser Arafat

A sinalização do governo brasileiro ocorre no momento em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva é escolhido como membro honorário do conselho de Curadores da Fundação Yasser Arafat, entidade que tem como objetivo preservar o legado do líder palestino e contribuir para a “unidade” entre os palestinos.

Num evento na manhã deste domingo, em Ramallah, o chanceler Mauro Vieira representou Lula, numa cerimônia na qual toda a cúpula política palestina esteve presente. Uma vez mais, o brasileiro foi chamado de “corajoso”.

A entidade é hoje liderada por Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina. O gesto dos palestinos é um reconhecimento ao brasileiro pela defesa da causa palestina.

Chanceler pede cessar-fogo em roteiro que não inclui Israel

A viagem de Mauro Vieira pelo Oriente Médio marca seu primeiro périplo pela região. O chanceler esteve na Jordânia e ainda visitará o Líbano e Arábia Saudita.

No centro da pauta está a tradicional defesa por parte do Brasil da criação de dois Estados como solução para a crise entre palestinos e israelenses. Mas a viagem não incluirá Israel no roteiro.

Diplomatas explicaram que o chanceler cumpre uma viagem com base em convites que tinham sido feitos a ele por esses governos, antes mesmo da eclosão da crise entre Israel e Brasil. Não havia um convite do governo de Benjamin Netanyahu para uma visita do chanceler brasileiro.

Os dois países vivem um momento de distanciamento, desde que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva citou a Alemanha nazista em uma fala sobre a situação de Gaza. Como resposta, o governo de Israel declarou o brasileiro como “persona non grata” e o Brasil retirou seu embaixador de Tel Aviv.

FONTE:

https://noticias.uol.com.br/colunas/jamil-chade/2024/03/17/brasil-governo-lula-palestina-onu.htm