Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Cerca de 300 mil palestinos deixaram Rafah após ofensiva israelense

O êxodo forçado de palestinos é mais um crime do genocídio praticado por Israel.

Cerca de 300 mil palestinos fugiram na última semana da cidade de Rafah, localizada no sul da Faixa de Gaza, após o início da invasão terrestre do Exército israelense, denunciou a ONU neste domingo (12).

A Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina no Médio Oriente (UNRWA) criticou em nota publicada na rede social X “o deslocamento forçado e desumano dos palestinos”.

Não há lugar seguro para ir, repetiu três vezes a instituição naquela rede social, para sublinhar a ausência de uma área segura na Faixa de Gaza, sob fogo israelense desde o passado dia 7 de outubro.

O comissário geral da UNRWA, Philippe Lazzarini, também questionou os ataques militares e o êxodo da população civil.

“As autoridades israelitas continuam a emitir ordens de deslocação forçada (…) o que está a forçar as pessoas em Rafah a fugir para qualquer lugar e para todo o lado”, lamentou.

Ele lembrou que desde o início da guerra, a maioria das pessoas que vivem em Gaza foram forçadas a mudar-se várias vezes devido aos ataques.

Procuraram desesperadamente uma segurança que nunca encontraram, alguns não têm outra escolha senão ficar em abrigos bombardeados, sublinhou.

A alegação de “zonas seguras” é falsa e enganosa, não há lugar seguro em Gaza, disse ele.

Louise Wateridge, porta-voz da UNRWA em Gaza, também condenou o deslocamento forçado da população.

Há apenas alguns dias, toda esta zona oeste de Rafah estava cheia de abrigos improvisados ​​lado a lado, mas esta manhã é possível ver a areia, enquanto, uma a uma, as famílias fazem as malas, deixando as suas coisas ao lado de a estrada e eles fogem, escreveu o funcionário, que está na cidade, em X. Ontem o porta-voz árabe das Forças Armadas israelitas, Avihai Adrei, ordenou a evacuação de vários bairros de Rafah, incluindo Al-Adari, Al-Janaina, Khirbat Al-Adas e os blocos 6 a 9, 17, 25 a 27 e 31.

O responsável confirmou também a expulsão dos palestinos de grandes áreas do campo de refugiados do norte de Jabalia, onde estão abrigados entre 100 mil e 150 mil cidadãos.

Nos últimos dias, a tensão aumentou em torno de Rafah, uma cidade com mais de um milhão de habitantes.

As tropas israelitas já ocuparam na segunda-feira a passagem fronteiriça com o mesmo nome, que durante os últimos sete meses representou a única porta de entrada para Gaza para alimentos, medicamentos e combustível.

O Exército cortou então a cidade em duas como parte da sua ofensiva contra o Hamas, no meio de duras críticas internacionais sobre os receios de um massacre em grande escala entre a população civil.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/cerca-de-300-mil-palestinos-deixaram-rafah-apos-ofensiva-israelense