Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos
China alerta EUA sobre restrição à venda de metais para chips: “é apenas o começo”

China alerta EUA sobre restrição à venda de metais para chips: “é apenas o começo”

Guerra dos semicondutores entre Estados Unidos e China se intensifica.

Um influente conselheiro de política comercial da China disse na quarta-feira que os controles de exportação da China sobre metais usados em semicondutores são “apenas o começo”, enquanto Pequim intensifica a luta tecnológica com Washington dias antes da visita da Secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen.

As ações de algumas empresas chinesas de metais se valorizaram por duas sessões consecutivas, já que os investidores apostam que os preços mais altos do gálio e germânio, que são alvos das restrições de exportação de Pequim, poderiam impulsionar as receitas.

O germânio é usado em chips de computador de alta velocidade, plásticos e aplicações militares, como dispositivos de visão noturna, além de sensores de imagem por satélite. O gálio é utilizado em radares, dispositivos de comunicação por rádio, satélites e LEDs.

O anúncio repentino da China sobre os controles a partir de 1º de agosto sobre as exportações de alguns produtos de gálio e germânio, também usados em veículos elétricos (EVs) e cabos de fibra óptica, fez com que as empresas se apressassem para garantir o fornecimento e elevou os preços.

Na quarta-feira, o ex-vice-ministro do Comércio, Wei Jianguo, disse ao jornal China Daily que os países devem se preparar para mais medidas se continuarem a pressionar a China, descrevendo os controles como um “golpe forte bem planejado” e “apenas o começo”.

“Se as restrições direcionadas ao setor de alta tecnologia da China continuarem, então as contramedidas vão se intensificar”, acrescentou Wei, que foi vice-ministro do Comércio de 2003 a 2008 e atualmente é vice-presidente do Centro Chinês de Intercâmbios Econômicos Internacionais, um think tank estatal.

Anunciados na véspera do Dia da Independência dos EUA e pouco antes da visita de Yellen a Pequim a partir de quinta-feira, analistas disseram que os controles foram claramente programados para enviar uma mensagem à administração Biden, que vem direcionando o setor de chips da China e pressionando aliados como Japão e Países Baixos a fazer o mesmo.

A medida da China também levantou preocupações de que restrições às exportações de terras raras possam seguir, com analistas citando um limite nas remessas imposto há 12 anos em uma disputa com o Japão.

A China é o maior produtor mundial de terras raras, um grupo de metais usados em veículos elétricos e equipamentos militares.

Analistas descreveram a medida de segunda-feira como a segunda – e maior – contramedida da China na longa disputa tecnológica com os EUA, vindo depois de proibir algumas indústrias domésticas-chave de comprar do fabricante de chips de memória Micron dos EUA em maio.

O tabloide estatal Global Times, em um editorial separado publicado na terça-feira, disse que era uma “forma prática” de dizer aos Estados Unidose seus aliados que seus esforços para impedir que a China adquira tecnologia mais avançada foram um “cálculo errado”.

O Ministério do Comércio da China não respondeu a um pedido de comentário adicional.

Questionado sobre as restrições de exportação de metais, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse na quarta-feira que as ações do governo eram razoáveis ​​e legais. Ele afirmou em uma coletiva de imprensa regular que alguns países da União Europeia também restringem as exportações de alguns bens relacionados.

“Nossa ação não tem como alvo nenhum país específico”, disse Wang.

TIRO DE ALERTA – Alguns dos maiores fabricantes de chips veem os controles de exportação de gálio da China como mais um tiro de alerta sobre a dor econômica que o país poderia infligir.

Outros alertaram no passado que se a China realmente quisesse atingir as montadoras globais, ela poderia, por exemplo, controlar as exportações de grafite.

A China produz 61% do grafite natural global e 98% do material processado final para fabricação de ânodos de bateria para veículos elétricos, de acordo com a Benchmark Mineral Intelligence.

Uma fonte em um grande fabricante de chips ocidental, que falou sob condição de anonimato, disse que a medida da China em relação ao gálio parece mais uma “mensagem de que eles podem revidar em vez de um golpe real”.

A fabricante de chips NXP Semiconductors (NXPI.O) disse estar examinando como as medidas afetarão seus negócios.

Preocupações com o aperto no fornecimento prejudicaram as ações de algumas empresas, incluindo a fabricante suíça de sensores AMS Osram (AMS.VI).

As ações da Teck Resources (TECKb.TO), maior produtora de germânio da América do Norte, foram impulsionadas pelas expectativas de maior demanda, enquanto a mineradora de terras raras MP Materials (MP.N) também subiu.

Os produtores já começaram a responder às notícias.

A mineradora estatal da República Democrática do Congo, Gecamines, disse que sua nova planta que será inaugurada em setembro pode ajudar a preencher a lacuna na produção de germânio, enquanto a Rússia disse estar pronta para aumentar a produção para atender à demanda doméstica.

A Umicore da Bélgica disse estar confiante de que pode manter o fornecimento aos clientes.

Washington está considerando novas restrições ao envio de microchips para a China, após uma série de limitações nos últimos anos.

Espera-se também que os Estados Unidos e os Países Baixos restrinjam ainda mais as vendas de equipamentos de fabricação de chips para a China, como parte dos esforços para evitar que sua tecnologia seja usada pelo Exército chinês.

Um dia após a China anunciar as restrições, o presidente Xi Jinping pediu às nações que rejeitem o desacoplamento e evitem a ruptura das cadeias de suprimentos em um discurso virtual para líderes que participavam da cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, segundo relatou a mídia estatal.

FONTE:

https://www.brasil247.com/economia/china-alerta-eua-sobre-restricao-a-venda-de-metais-para-chips-e-apenas-o-comeco