Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Chora, mídia corporativa, Brasil vai refinar mais petróleo, sim!

“RNEST vai gerar 30 mil empregos, faturar US$ 100 bilhões por ano e refinar 260 mil barris de petróleo por dia. Isso é o que importa”, escreve Aquiles Lins.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou nesta quinta-feira (18) a retomada das obras da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Ipojuca. Ao lado do presidente da Petrobrás, Jean Paul Prates, da governadora de Pernambuco, Raquel Lyra (PSDB), e de ministros e políticos aliados, Lula defendeu a importância da obra para a soberania energética do país e criticou a perseguição política executada pela Lava Jato contra ele e os interesses nacionais.

A Refinaria Abreu e Lima será a mais moderna do país. Em pleno funcionamento, terá faturamento de US$ 100 bilhões por ano, segundo o presidente. Além disso, serão criados 30 mil postos de trabalho diretos e indiretos com a ampliação da refinaria. Quando as obras estiverem concluídas, em 2028, a RNEST aumentará sua capacidade para processar 260 mil barris de petróleo por dia.

A obra de ampliação da Refinaria Abreu e Lima é uma pequena revolução na geração de energia do país, depois de seis anos de desmonte, privatizações e esquartejamento da capacidade de produção pela Petrobrás, provocados pelo golpe de 2016. Qualquer ser humano com o mínimo de racionalidade e compreensão da importância da geração própria de energia para um país estaria celebrando a retomada da ampliação da RNEST. Afinal, serão mais de 13 milhões de litros de Diesel S10 adicionados à produção diária nacional, quando estiver com sua capacidade máxima instalada. Significa que o país deixará de importar 13 milhões de litros de diesel por dia, seja dos Estados Unidos, da Rússia ou de quem que seja.

Apesar de todos esses números, o que o leitor brasileiro leu e assistiu nas manchetes da mídia corporativa foi um festival de viralatismo, choradeira, má fé e generosas pitadas de desinformação. O jornal O Estado de S. Paulo (sempre ele) escreveu editorial nesta sexta-feira (19) protestando contra a retomada das obras de ampliação da Refinaria Abreu e Lima. Abertamente em defesa de um Brasil colônia, o jornal conservador afirma que “o Brasil que está de volta é o Brasil que jamais deveria ter voltado”. Vê se pode?! Na CNN, o telespectador assistiu ao jornalista William Waack, que já protagonizou cena racista, dizer que Lula “volta ao lugar símbolo de um crime”. Um outro, da Veja, de nome Ricardo Rangel, teve a desfaçatez de dizer que a ida de Lula a Pernambuco, acima de tudo seu estado natal, era “um erro”. O enredo é o de sempre: restos mortais de narrativas da Lava Jato, massificados pelos mesmos veículos da mídia corporativa. Ninguém destes veículos que ainda formam boa parte da opinião da população se importa com a soberania do país, com a importância da autossuficiência na produção de diesel, que será alcançada com a Refinaria Abreu e Lima. Esta mídia lavajatista nunca escondeu que quer um Brasil eternamente dependente do exterior. Um Brasil que exporta comida e petróleo cru, enquanto compra gasolina e produtos de valor agregado.

Para esta mídia corporativa brasileira, digo o seguinte: chorem! Porque vai ter, sim, Brasil com maior capacidade de refino de petróleo. Vai ter, sim, produção com alto valor agregado em Pernambuco, no Nordeste. Enquanto esses cães midiáticos ladram, a caravana do desenvolvimento está passando. Viva a ampliação da RNEST.

FONTE:

https://www.brasil247.com/blog/chora-midia-corporativa-brasil-vai-refinar-mais-petroleo-sim