Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Comércio China-Brasil tira espaço do agronegócio dos EUA

Parte do que motiva a mudança de eixo nas exportações é a ampliação acelerada do consumo na Ásia, fato que favoreceu o Brasil nessa nova ordem econômica mundial.

Décadas atrás, os EUA eram líderes na produção de cereais e grãos, no entanto, em movimento progressivo, o país vem perdendo esse posto. Por exemplo, na década de 1970, os norte-americanos detinham 90% do mercado mundial de soja, hoje, está porcentagem está em 28%.

O Brasil tem grande “responsabilidade” sobre a perda de mercado estadunidense em relação à oleaginosa. O Brasil começou os anos 2000 com exportações de 27 milhões, em 2023, atingiu 102 milhões. Com isso, os brasileiros participam atualmente com 58% do mercado externo de soja, índice bem maior que o atual dos EUA.

Parte do que motivou e motiva a mudança de eixo nas exportações é a ampliação acelerada do consumo na Ásia, principalmente com a evolução da classe média da China, fato que favoreceu o Brasil nessa nova ordem econômica mundial, segundo o jornal Folha de S. Paulo.

Os chineses passaram a disputar, em grande escala, a compra de praticamente todos os alimentos no comércio mundial, de proteínas a grãos, e sempre que o agronegócio brasileiro teve produto à disposição, a preferência foi pelo mercado nacional.

Ainda sobre a soja, há duas décadas Pequim importava 21 milhões de toneladas do grão, no ano passado, comprou 100 milhões. Desse volume, 75 milhões saíram do Brasil, relata a mídia.

Outro destaque é o milho. Na década de 1980, os norte-americanos eram responsáveis por 84% do cereal transacionado no mercado externo, hoje caíram para 24%. Neste ano, o Brasil passou os EUA na safra 2023/2024 com uma porcentagem entre 29% e 32% de presença no mercado mundial, conforme noticiado.

A mídia aponta que uma mudança importante para esse resultado foi a aprovação do milho brasileiro pelos chineses, há dois anos.

Após essa decisão, os chineses, que eram abastecidos em boa parte pelos estadunidenses, entraram firmes no mercado brasileiro. Do volume total exportado pelo Brasil em 2023, 29% foram destinados aos chineses, que, em 2021, estavam ausentes do mercado nacional.

O setor do trigo também teve impacto grande nos EUA devido à redução de sua comercialização. Na década de 1970, os estadunidenses detinham 40% do mercado mundial. Nesta safra, deverão ficar com apenas 9%, segundo o jornal.

Sobre esse cereal, a produção brasileira é tímida, mas os EUA vêm perdendo participação no mercado de trigo com o avanço dos europeus, australianos, russos, ucranianos e dos argentinos.

Nesta safra 2023/24, a Rússia terá 51 milhões de toneladas de cereal disponível para exportação; a União Europeia, 36 milhões.

Com demanda maior por trigo, mais uma vez os chineses assumiram a liderança mundial em importações no ano passado, com a compra de 13,3 milhões de toneladas de trigo, e voltam a liderar neste ano com a aquisição prevista de 12,5 milhões, relata a mídia.

No setor de proteínas, a progressiva parceria China-Brasil e redução da participação norte-americana no mercado mundial também é sentida.

Nos anos 2000, os EUA estavam entre os principais competidores do mercado internacional de carne bovina, com participação de 19%. Neste ano, deverão ficar com 10%. O Brasil, que só começou a ter maior presença a partir de 2005, ficará com um quarto do mercado mundial neste ano.

No setor de frango a mesma evidência. Os Estados Unidos, que em 2000 detinham 44% desse mercado, estão com 24% agora. O Brasil saltou de 17% para 36% no mesmo período.

Os chineses, até 2012 fora da lista dos principais compradores mundiais, assumiram a ponta nos anos recentes e, em 2024, vão comprar 3,55 milhões de toneladas de carne bovina. Dados apontam, portanto, que a participação dos chineses no mercado brasileiro foi decisiva para o Brasil aumentar sua presença mundial, destaca a mídia.

FONTE:

https://www.brasil247.com/economia/comercio-china-brasil-tira-espaco-do-agronegocio-dos-eua?tbref=hp