Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Como Israel usa a água como arma

Autoridades israelitas indicaram que iriam usar o seu controle sobre os sistemas de água de Gaza como um meio para perpetrar um genocídio.

Em Novembro de 2023, já era claro que o governo israelita tinha começado a negar aos palestinianos em Gaza o acesso à água.

“Cada hora que passa com Israel a impedir o fornecimento de água potável na Faixa de Gaza, numa violação descarada do direito internacional, coloca os habitantes de Gaza em risco de morrer de sede e de doenças relacionadas com a falta de água potável”, dito Pedro Arrojo-Agudo, relator especial da ONU sobre os direitos humanos à água potável e ao saneamento.

“Israel”, observou ele, “deve parar de usar a água como arma de guerra”.

Antes do mais recente ataque de Israel a Gaza, 97% da água do único aquífero costeiro de Gaza já não era segura para consumo humano, com base nos padrões da Organização Mundial de Saúde. Ao longo dos seus muitos ataques, Israel praticamente destruído sistema de purificação de água de Gaza e impediu a entrada de materiais e produtos químicos necessários para reparos.

No início de Outubro de 2023, as autoridades israelitas indicaram que iriam usar o seu controle sobre os sistemas de água de Gaza como um meio para perpetrar um genocídio. Como disse o major-general israelense Ghassan Alian, chefe da Coordenação de Atividades Governamentais nos Territórios (COGAT), dito em 10 de outubro, “Os animais humanos são tratados de acordo. Israel impôs um bloqueio total a Gaza. Sem eletricidade, sem água, apenas danos. Você queria o inferno, você vai conseguir o inferno.

Em 19 de março, o Coordenador Humanitário da ONU para a Palestina, Jamie McGoldrick notado que Gaza precisava de “peças sobressalentes para sistemas de água e saneamento”, bem como de “produtos químicos para tratar a água”, uma vez que a “falta destes itens críticos é um dos principais impulsionadores da crise de desnutrição”.

O ataque a Gaza – cuja população inteira “atualmente enfrenta altos níveis de insegurança alimentar aguda”, segundo Oxfam e os votos de Classificação Integrada da Fase de Segurança Alimentar – aguçou as contradições que atingem com força os povos do mundo.

Uma ONU Denunciar divulgado no Dia Mundial da Água (22 de março) mostra que, em 2022, 2.2 mil milhões de pessoas não tinham acesso a água potável gerida de forma segura, que 4 em cada 5 pessoas nas zonas rurais não tinham água potável básica e que 3.5 mil milhões de pessoas não têm saneamento sistemas.

Como consequência, todos os dias, mais de mil crianças com menos de 5 anos morrer de doenças ligadas à água, saneamento e higiene inadequados. Estas crianças estão entre os 1.4 milhões de pessoas que morrem todos os anos devido a estas deficiências.

O relatório da ONU observa que, uma vez que as mulheres e as raparigas são as principais coletoras de água, passam mais tempo a procurar água quando os sistemas de água se deterioram devido a infraestruturas inadequadas ou inexistentes ou a secas exacerbadas pelas alterações climáticas. Isto resultou em taxas de abandono escolar mais elevadas para as raparigas.

A 2023 estudo da ONU Mulheres descreve os perigos da crise hídrica para mulheres e meninas:

“As desigualdades no acesso à água potável e ao saneamento não afectam todos de forma igual. A maior necessidade de privacidade durante a menstruação, por exemplo, significa que as mulheres, as raparigas e outras pessoas que menstruam podem ter acesso a instalações sanitárias partilhadas com menos frequência do que as pessoas que não o fazem, o que aumenta a probabilidade de infecções do tracto urinário e reprodutivo. Onde instalações seguras e protegidas não estão disponíveis, as opções de utilização das instalações são muitas vezes limitadas ao amanhecer e ao anoitecer, o que expõe os grupos em risco à violência.”

A falta de acesso a sanitários públicos é por si só um grave perigo para as mulheres em cidades de todo o mundo, como Dhaka, Bangladesh, onde existe uma casa de banho pública para cada 200,000 pessoas.

O acesso à água potável está a ser ainda mais restringido pela catástrofe climática. Por exemplo, o aquecimento dos oceanos significa o derretimento dos glaciares, o que eleva o nível do mar e permite que a água salgada contamine os aquíferos subterrâneos com mais facilidade. Entretanto, com menos neve, há menos água nos reservatórios, o que significa menos água para beber e para utilizar na agricultura.

Como mostra o relatório da ONU sobre a Água, já estamos a assistir a um aumento das secas que afectam agora pelo menos 1.4 mil milhões de pessoas directamente.

De acordo com Nações Unidas, metade da população mundial enfrenta grave escassez de água durante pelo menos parte do ano, enquanto um quarto enfrenta níveis “extremamente elevados” de stress hídrico. “Prevê-se que as alterações climáticas aumentem a frequência e a gravidade destes fenómenos, com riscos agudos para a estabilidade social”, afirmou a ONU. notas. A questão da estabilidade social é fundamental, uma vez que as secas têm sido forçando dezenas de milhões de pessoas em fuga e fome.

As alterações climáticas são certamente um dos principais impulsionadores da crise hídrica, mas também o é o ordem internacional baseada em regras.

Não se deve permitir que os governos capitalistas apontem para uma noção a-histórica das alterações climáticas como desculpa para fugirem à sua responsabilidade na criação da crise hídrica.

Por exemplo, ao longo das últimas décadas, os governos de todo o mundo negligenciaram a modernização das instalações de tratamento de águas residuais. Consequentemente, 42 por cento das águas residuais domésticas não são tratado adequadamente, que danifica ecossistemas e aquíferos. Ainda mais contundente é o facto de apenas 11% das águas residuais domésticas e industriais serem reutilizados.

O aumento do investimento no tratamento de águas residuais reduziria a quantidade de poluição que entra nas fontes de água e permitiria um melhor aproveitamento da água doce que temos disponível no planeta.

Existem várias políticas sensatas que poderiam ser adoptadas para resolver imediatamente a crise hídrica, tais como aquelas proposto pela ONU Water para proteger mangais costeiros e zonas húmidas; captar água da chuva; reutilizar águas residuais; e proteger as águas subterrâneas. Mas estes são precisamente os tipos de políticas que são contrário por empresas capitalistas, cuja linha de lucro é melhorada pela destruição da natureza.

Em março de 2018, lançamos nosso segundo dossiê, “Cidades sem Água”. Vale a pena refletir sobre o que mostramos então, há seis anos:

“Documento Técnico VI do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, junho de 2008) é sobre as alterações climáticas e a água. O consenso científico neste documento é que as mudanças nos padrões climáticos — induzidas pelo capitalismo intensivo em carbono — têm um efeito negativo no ciclo da água.As áreas onde haverá maior precipitação poderão não ver mais água subterrânea devido à velocidade da chuva, o que criará um movimento rápido da água para os oceanos. Essa precipitação de alta velocidade não reabastece os aquíferos (fontes naturais de água), nem permite que a água seja armazenada pelos seres humanos.Os cientistas também prevêem taxas mais elevadas de seca em regiões como o Mediterrâneo e a África Austral. É este relatório técnico que apresenta o número de que mais de um bilhão de pessoas sofrerão com a escassez de água.Na última década, o Programa Ambiental das Nações Unidas tem advertido sobre o crescimento de estilos de vida com uso intensivo de água e da poluição da água. Ambos – estilos de vida e poluição – são consequências da disseminação das relações sociais capitalistas e dos mecanismos produtivos capitalistas em todo o planeta. Em termos de estilo de vida, o residente médio nos Estados Unidos consome entre 300 e 600 litros de água por dia. Esta é uma figura enganosa. Isso não significa que os indivíduos consumam quantidades tão elevadas de água. Grande parte desta água é utilizada pela agricultura com utilização intensiva de água e pela produção industrial com utilização intensiva de água, incluindo a produção de energia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda por pessoa utilização de 20 litros de água por dia para higiene básica e preparo de alimentos.A diferença entre os dois não é acidental. Trata-se de um estilo de vida que faz uso intensivo de água – uso de máquinas de lavar e de lavar louça, lavagem de carros e irrigação de jardins, bem como o uso de água por fábricas e fazendas industriais.A poluição da água é um problema sério. Em Esquel, na Argentina, as pessoas viram que os contaminantes da mineração corporativa de ouro estavam a arruinar a sua água potável. ‘Água vale mais que ouro’ (A água vale mais que o ouro), eles disseram. Técnicas implacáveis de extracção por empresas mineiras (através do uso de cianeto) e de cultivo pelo agronegócio (através do uso de fertilizantes e pesticidas) arruinaram os reservatórios de água limpa.O seu ouro azul, dizem os habitantes de Esquel, é mais importante que o ouro verdadeiro. Eles realizaram uma assembleia pública em 2003 que afirmou o seu direito à água contra os interesses das empresas privadas.Vale a pena salientar que a quantidade de água necessária para sustentar 4.7 mil milhões de pessoas, segundo o mínimo diário da OMS, seria de 9.5 mil milhões de litros – a quantidade exacta utilizada todos os dias para regar os campos de golfe do mundo. A água utilizada por 60,000 mil aldeias na Tailândia, por exemplo, é usada para regar um campo de golfe na Tailândia. Estas são as prioridades do nosso sistema atual.”

Por outras palavras, regar os campos de golfe é mais importante do que fornecer água canalizada aos milhares de crianças com menos de cinco anos que morrem todos os dias devido à privação de água. Esses são os valores do sistema capitalista.

Vijay Prashad é um historiador, editor e jornalista indiano. Ele é redator e correspondente-chefe da Globetrotter. Ele é editor de Livros LeftWord e o diretor de Tricontinental: Instituto de Pesquisa Social. Ele é um bolsista sênior não residente em Instituto Chongyang de Estudos Financeiros, Universidade Renmin da China. Ele escreveu mais de 20 livros, incluindo As nações mais escuras e As nações mais pobres. Seus últimos livros são A luta nos torna humanos: aprendendo com os movimentos pelo socialismo e, com Noam Chomsky,  A Retirada: Iraque, Líbia, Afeganistão e a Fragilidade do Poder dos EUA.

Este artigo é de Tricontinental: Instituto de Pesquisa Social.

FONTE: https://www.brasil247.com/blog/como-israel-usa-a-agua-como-arma