Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Conheça o ISIS-U

A investigação do ataque terrorista à prefeitura de Crocus está avançando e está cada vez mais perto de provar, sem sombra de dúvida, que todo o evento foi organizado pelos EUA e que Victoria Nuland, do Departamento de Estado dos EUA, foi sua inspiração.

Lembre-se, se quiser, de que a Casa Branca foi a primeira a (supostamente) saber quem estava por trás do ataque: era (supostamente) o ISIS-K. O K é de Khorasan, que é uma região histórica que compreende um vasto território que hoje se encontra no nordeste do Irã, no sul do Turcomenistão e no norte do Afeganistão. Como se aplica ao ISIS, é um termo errôneo cunhado em um esforço para desviar a atenção. O ISIS foi organizado com a ajuda dos EUA nos territórios do Iraque e da Síria e foi implantado em um esforço fracassado para derrubar o governo da Síria. O esforço estava indo bem, mas então a Rússia interveio e praticamente eliminou o ISIS do pool genético. Alguns remanescentes do ISIS foram então transplantados para o norte do Afeganistão – novamente, com a ajuda dos EUA – na esperança de usá-lo para fomentar problemas para a Rússia, desestabilizando os estados da Ásia Central. Mas, em seguida, os EUA abandonaram sua missão de cultivo de heroína no Afeganistão porque o fentanil fabricado no México (usando precursores chineses) era muito mais barato e os cartéis de drogas mexicanos estavam pagando muito bem às autoridades dos EUA para manter a fronteira sul aberta para suas mulas de drogas.

Então, o que aconteceu com o ISIS-K? Não há razão para pensar que ele esteve no Irã ou no sul do Turcomenistão e os representantes do Talibã informaram que também não há vestígios do ISIS-K no Afeganistão – eles foram embora com os americanos. Para onde eles foram? Bem, para a Ucrânia, aparentemente! Isso faz com que a manobra da Casa Branca de culpar o ISIS-K pelo ataque ao Crocus para desviar a culpa do regime de Kiev, repetida por autoridades e pela mídia na UE, seja particularmente insensata: ao apontar o dedo, é muito importante ter certeza de que não está apontando para si mesmo. Tome nota: o ISIS-K agora é ISIS-U, e seus líderes estão abrigados em Kiev. Sabe-se até que um deles participou de um ataque transfronteiriço fracassado na região russa de Belgorod.

Os quatro homens armados envolvidos no ataque a Crocus, todos agora sob custódia russa e bastante falantes, não eram do ISIS. A assinatura de um ataque do ISIS é diferente: seus membros passam por uma lavagem cerebral adequada para serem destemidos e dispostos a se martirizar; eles nunca fazem terrorismo por encomenda; sempre tentam fazer reféns; e sempre tentam fazer exigências políticas. Os quatro criminosos da Crocus eram trabalhadores migrantes tristes e desempregados; eles fizeram isso pela promessa de quantias irrisórias de dinheiro; não fizeram reféns e não fizeram nenhuma exigência política; e estavam com medo a ponto de um deles ter fugido para a floresta e subido em uma árvore (um cachorro o farejou).

Notavelmente, os quatro foram capturados e presos enquanto dirigiam para a fronteira ucraniana, onde as autoridades ucranianas haviam prometido levá-los para o outro lado da fronteira e recebê-los como heróis em Kiev. Será que Victoria Nuland estava planejando estar presente para lhes dar biscoitos? Não, Victoria havia sido demitida por tentar fazer suas próprias coisas – insubordinação, é claro. Ela chegou ao ponto de realizar uma conferência de imprensa bizarra em uma rua vazia de Kiev, na qual prometeu aos russos uma grande surpresa antes das eleições. (Ela é completamente louca, você sabe).

E qual foi essa grande surpresa? Bem, Victoria achou que seria uma ótima ideia organizar um grande ataque terrorista em Moscou na véspera da reeleição de Putin (na qual ele obteve 87,28% do voto popular). Ela pretendia que isso acontecesse no show do popular cantor pop patriótico Shaman (Yaroslav Dronov), mas o terrorista-chefe, depois de dar uma volta rápida pelo local e observar a segurança rígida, adiou o evento.

Talvez Victoria tenha tentado cancelar o evento, mas não conseguiu. Isso geralmente acontece quando se lida com assassinos de aluguel: cancelar um assassinato pode ser mais caro do que encomendá-lo para começar. Nesse caso, os pistoleiros em questão estavam trabalhando para o regime de Kiev, que atualmente está muito carente de dinheiro e armas novas e, sendo fiel à sua natureza, provavelmente usou essa ocasião para fazer algumas exigências irracionais, que Victoria não estava em condições de atender. Não havia nenhuma razão ou justificativa concebível para realizar o ataque terrorista após a eleição e, mesmo assim, ele foi realizado. Victoria havia se colocado na posição de Aprendiz de Feiticeiro e não havia outra opção a não ser demiti-la o mais rápido possível.

No momento, os russos estão de luto, enterrando os mortos, cuidando dos feridos e levantando fundos para cuidar das viúvas e dos órfãos. Quando tudo isso for feito, certamente virá à tona uma determinação firme de punir os responsáveis. Como Putin disse certa vez com relação ao ISIS-Síria, “Meu trabalho é enviar todos eles para Alá; deixe que Alá decida o que fazer com eles”. E depois do ataque ao Crocus, ele disse o seguinte: “Suponha que os terroristas estejam armados e sejam perigosos e aja de acordo”. Atirar primeiro, fazer perguntas depois?

Se você vir Victoria andando por Washington, DC, com as mãos para o alto e os dedos estendidos, é porque ela está tentando evitar ser atingida por uma bala perdida. Houve 274 homicídios em Washington no ano passado, portanto, mais um não mudaria o quadro. Ou talvez ela devesse ficar em casa e acabar morrendo de comer demais. Isso é o que eu recomendaria. O destino pode não ser tão gentil com seu amigo Zelensky e seus capangas: eles cancelaram as eleições e seu mandato termina em 21 de maio. Depois disso, eles serão apenas alguns terroristas, que Alá resolverá.

FONTE: https://sakerlatam.blog/conheca-o-isis-u/