Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 13 anos lutando pelos jornalistas (3)
Delegados de Polícia publicam manifesto em defesa da democracia e citam Ulysses: “temos ódio e nojo à ditadura”

Delegados de Polícia publicam manifesto em defesa da democracia e citam Ulysses: “temos ódio e nojo à ditadura”

Documento assinado por 113 delegados repudia os ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral e destaca o papel da Polícia Civil de estar ao lado da lei e do povo, e não o contrário

Em meio a um cenário de crescente golpismo por parte de Jair Bolsonaro, que, com respaldo de militares do governo, constantemente ataca o sistema eleitoral brasileiro, um grupo de mais de 110 delegados de polícia publicou um manifesto em defesa do Estado Democrático de Direito, “rechaçando qualquer tentativa de desrespeito à ordem constitucional ou arroubos autoritários”.

O manifesto destaca a vocação da Polícia Civil como a de um órgão que deve estar ao lado da lei e da população, e não o contrário: “A Polícia Civil tem o papel constitucional da preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio e a função de polícia judiciária e apuração das infrações penais, não sendo possível compactuar com qualquer atentado à lei e aos bens que devem ser protegidos constitucionalmente.”

Em referência sutil ao atual chefe do Executivo, os delegados citam a ditadura militar e afirmam que “o ódio à democracia é, na verdade, o ódio ao povo.” Por fim, o documento conclui parafraseando Ulysses Guimarães: “traidor da Constituição é traidor da Pátria. Temos ódio e nojo à ditadura!”

Confira a carta na íntegra:

CARTA ABERTA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA PELA DEMOCRACIA

“Os subscritores da presente Carta, conscientes do papel institucional do delegado de polícia de ser o primeiro garantidor da legalidade e da justiça, manifestam a crença nos valores da democracia e da cidadania, rechaçando qualquer tentativa de desrespeito à ordem constitucional ou arroubos autoritários.

A democracia é um valor constitucional consagrado na Constituição Cidadã, e seu conteúdo deve ser construído dia a dia pelas instituições, em especial pelas agências de controle que integram o sistema de justiça, a exemplo da Polícia Civil. Não por acaso a dignidade humana é um dos fundamentos da República Federativa do Brasil, já que a democracia é o único regime político garantidor do efetivo respeito aos direitos e garantias fundamentais do cidadão.

Durante a ditadura militar (1964-1985) reinaram a censura, prisões arbitrárias, torturas e mortes de opositores políticos, isto é, o mais completo autoritarismo. Após a redemocratização, o ódio à democracia vem monetizando os conflitos e o diversionismo político está impedindo que as discussões sobre os verdadeiros problemas públicos avancem para proporcionar a formulação de políticas públicas, em benefício da sociedade. O ódio à democracia é, na verdade, o ódio ao povo.

Em um Estado Democrático de Direito, a Polícia Civil tem o papel constitucional da preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio e a função de polícia judiciária e apuração das infrações penais, não sendo possível compactuar com qualquer atentado à lei e aos bens que devem ser protegidos constitucionalmente.

A Justiça Eleitoral, desde sua criação, em 1932, vem responsabilizando os autores de abusos e fraudes eleitorais, que macularam a democracia durante a Primeira República (1889-1930). Ela nasceu, portanto, vocacionada a assegurar a soberania popular exercida por meio do sufrágio. A reboque, o papel da polícia judiciária é o de órgão auxiliar da Justiça Eleitoral, inclusive na persecução dos crimes praticados contra a administração da justiça.

Por fim, nós Delegados de Polícia reafirmamos nossa disposição pela luta para garantia e defesa do Estado Democrático de Direito, pelo respeito aos três Poderes, bem como do processo eleitoral, que representa a vontade do povo e assim deve ser acatada. Em suma, parafraseando Ulysses Guimarães: “traidor da Constituição é traidor da Pátria. Temos ódio e nojo à ditadura!”.

LISTA DE SIGNATÁRIOS:

ALAN BAZALHA LOPES

ALESSANDRO AMARO DA MATTA

AMANDA DA SILVA BARBOSA

ANA PAULA ALVES SCOTTI

ANDERSON PIRES GIAMPAOLI

ANDRÉ AYRUTH BALURA

ANDRÉA CRISTIANE FOGAÇA DE SOUZA NOGUEIRA

ANTONIO DE SOUZA

ANTONIO LUIS SAMPAIO DE ALMEIDA PRADO

ARMANDO DE OLIVEIRA COSTA FILHO

ARMANDO NOVAES

ARTUR MANOEL NOGUEIRA FRANCO

AURORA VICENTIM THEMER

AYSLAN CHRISTENNES CARVALHO MARQUES

BÁRBARA LISBOA TRAVASSOS

BRUNO VIEIRA DE FREITAS

CAETANO ALFREDO NICOLAU LOUVISE NETTO

CAMILA DA SILVA MILLER

CARLOS ALBERTO FERRACCIÚ PAGOTTO

CARLOS ROBERTO SOUZA

CLÁUDIO EDUARDO NOGUEIRA NAVARRO

CLÁUDIO JOSÉ OTTOBONI

CLEBER PINHA ALONSO

DANIEL SCHWARZ FURLANI

DANIELA BRANCO

DAVID PIMENTEL BARBOSA DE SIENA

DENIS CASTRO

DJAHY TUCCI JR.

DOMINGOS PAULO NETO

EDUARDO SIMÕES MIRALDI

EMERSON GHIRARDELLI COELHO

EMILSON LINS

ENRIQUE ROCHA SOLLA

ERIVAN VERA CRUZ

FÁBIO ALMEIDA PEDROTO

FÁBIO LORDELLO

FERNANDA DOS SANTOS UEDA

FERNÃO DIAS DA SILVA LEME

FRANCISCO ANTONIO WENCESLAU PINAS WENCESLAU

FRANCISCO PEREIRA LIMA

FRANCISCO ENALDO SALES CAMPELLO

GABRIEL MORAIS LANNA

GEORGE MELÃO

GIOVANI FERNANDES BERTINATTI

GISELE BARBOSA CASTELLO

GLEYDSON DE ALMEIDA MARQUES

GUSTAVO ADELIO LARA FERREIRA

HELIO FERNANDES DOS REIS

IRANI SMAGASZ BARROS

ISMAEL CAVALLIERI

IVAN MOYSES ELIAN

JOÃO BATISTA FRATTINI

JOÃO OTACÍLIO SILVA NETO

JOÃO OCTÁVIO DE ALMEIDA RIBEIRO DE MELLO

JOÃO VALLE DA SILVA LEME

JOÃO VICTOR TAYAH LIMA

JULIANA RIBEIRO

JOSÉ CLÁUDIO DA SILVA

JOSÉ DORNELES COSTA

JOSÉ LUÍS DE MEIRELLES JUNIOR

JOSÉ RUBENS NOGUEIRA NETO

JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO PIRES BARRETO FONSECA

LAURO MARIO MELO DE ALMEIDA

LEONARDO MARCONDES MACHADO

LUCIANA DE A CARMO MANCINI

LUCIANA RENESTO RUIVO

LUCIMARA TAVEIRA BITENCOURT

LUÍS HENRIQUE APOCALYPSE JOIA

LUÍS HENRIQUE MARTIN

LUIZ ANTONIO CUNHA DOS SANTOS

LUIZ FERNANDO PESSOA DA COSTA MARTINS

LUIZ BENEDITO ROBERTO TORICELLI

LUIZ RICARDO DE LARA DIAS JÚNIOR

LUIZ ROBERTO SAÚD BERTOZZO

MAGALI CELEGHIN VAZ

MARCELO ALMAGRO DOS SANTOS

MARCELO FABIO VITA

MARCELO JACOBUCCI

MARCELO LUIS ALVES DE FREITAS

MARCO ANTÔNIO GONÇALVES EVANGELISTA

MARCO ANTONIO PEREIRA NOVAES DE PAULA SANTOS

MARIA NYSA MOREIRA NANNI

MARIA VALÉRIA PEREIRA NOVAES DE PAULA SANTOS

MARILDA APARECIDA PANSONATO PINHEIRO

MARCOS APARECIDO FERREIRA DO CARMO

MAURÍCIO JOSÉ MENDES RESENDE

MAURO MARCELO DE LIMA E SILVA

PAULO CEZAR JUNQUEIRA HADICH

PAULO JOSÉ ESTEIA PIÇARRO

PAULO MIGUEL GRECCO

PEDRO FILIPE CRUZ CARDOSO DE ANDRADE

PLAUCIO ROBERTO ROCHA FERNANDES

RAFAEL FRANCISCO MARCONDES DE MORAES

RENATO GONÇALVES COLETES

RICARDO TRAVASSOS NUNES DA SILVA

ROBERTA SILVA AIDAR FRANCO

ROBERTA TORRES ALDIGUERI GOULART

ROBERTO JOSÉ DAHER

ROBERTO SANTOS DA SILVA

RODRIGO BORGES PETRILLI

RODRIGO CÉSAR DE OLIVEIRA

RODRIGO PEÇANHA DA CRUZ

RONALDO DIVINO FERREIRA

SANDRO MONTANARI RAMOS DE VASCONCELLOS

SÉRGIO LUIS LAMAS MOREIRA

SIDNEY CARDASSI

SIDNEY JUAREZ ALONSO

SIDNEY DE OLIVEIRA POLONI

SYDNEY SULLY URBACH

TRISTÃO ANTÔNIO BORBOREMA DE CARVALHO

VICTOR DAROS FALCÃO

YARA ELY MARQUES DA SILVA

WELLINGTON FRANCISCO

FONTE

https://www.brasil247.com/brasil/delegados-de-policia-publicam-manifesto-em-defesa-da-democracia-e-citam-ulysses-temos-odio-e-nojo-a-ditadura