Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Em 2019, Bolsonaro concedeu passaporte diplomático a parentes de Brazão, delatado como mandante do assassinato de Marielle

Na época, Domingos Brazão já era investigado pela suspeita de tentar obstruir as investigações do caso Marielle Franco.

Em 2019, Jair Bolsonaro (PL) concedeu passaportes diplomáticos para parentes do conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro Domingos Brazão, que de acordo com a delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, obtida pelo The Intercept, seria um dos mandantes da morte da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes, em 2018.

Na época, uma reportagem do Brasil de Fato apontava que Brazão era investigado pela suspeita de tentar obstruir as investigações do caso Marielle. No dia 17 de setembro daquele mesmo ano, dia em que deixou o comando da Procuradoria-Gera da Repúplica (PGR), Raquel Dodge apresentou uma denúncia contra Domingos Brazão nesse sentido e também solicitou a abertura de um inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para apurar se o conselheiro era  o mandante do assassinato.

João Vitor Moraes Brazão e Dalila Maria de Moraes Brazão, filho e esposa do deputado federal Chiquinho Brazão (Avante-RJ), receberam do Itamaraty o passaporte diplomático em 9 de julho  de 2019. Chiquinho Brazão, que é sócio do irmão Domingos Brazão em uma rede de postos de gasolina, fez toda sua trajetória política em Rio das Pedras, zona oeste do Rio de Janeiro, região controlada pelas milícias.

Ainda segundo o Brasil de Fato, “em 2012 e 2016, Chiquinho Brazão foi o vereador mais votado na região de Rio das Pedras. Em 2018, foi eleito deputado federal, usando o bairro como base para sua campanha. Entre 2016 e 2018, seu patrimônio subiu de R$ 2,3 milhões para R$ 3,4 milhões, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”.

O conteúdo da delação premiada de Ronnie Lessa veio a público nesta terça-feira (23). Segundo o Intercept, o ex-policial, que está preso desde 2019, teria delatado a investigadores da Polícia Federal que um dos mandantes do assassinato de Marielle e de Anderson Gomes seria Domingos Brazão. A delação, contudo, ainda precisa ser homologada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma vez que Brazão possui foro privilegiado.

O advogado Márcio Palma, representante de Domingos Brazão, disse não ter conhecimento da informação e ressaltou que seu cliente sempre negou qualquer envolvimento no crime. A principal motivação apontada para seu suposto envolvimento no assassinato seria vingança contra Marcelo Freixo, ex-deputado estadual pelo Psol e atual presidente da Embratur.

FONTE:

https://www.brasil247.com/brasil/em-2019-bolsonaro-concedeu-passaporte-diplomatico-a-parentes-de-brazao-delatado-como-mandante-do-assassinato-de-marielle