Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Entenda quem são os houthis, atacados pelos EUA e pelo Reino Unido

Os houthis são um grupo militar iemenita, nomeado em homenagem ao seu fundador, Hussein Badreddin al-Houthi.

Os Estados Unidos e o Reino Unido lançaram ataques aéreos contra mais de uma dúzia de locais usados pelos houthis apoiados pelo Irã no Iêmen, de acordo com autoridades americanas. Os ataques representam a resposta militar mais significativa contra a campanha persistente dos houthis de ataques com drones e mísseis a navios comerciais no Mar Vermelho, iniciada após o conflito em Gaza, envolvendo Israel.

Os houthis são um grupo militar iemenita, nomeado em homenagem ao seu fundador, Hussein Badreddin al-Houthi, e representam o ramo Zaidi do Islã xiita. Surgiram na década de 1990 em oposição à influência religiosa da Arábia Saudita no Iêmen. O grupo, estimado em cerca de 20.000 combatentes, controla a maior parte do oeste do país e é responsável pela costa do Mar Vermelho, segundo reportagem do jornal The Guardian.

Os houthis recebem apoio do Irã como parte de sua hostilidade de longa data com a Arábia Saudita e estão apoiando o Hamas no conflito em Gaza. Logo após o 7 de outubro, o líder houthi, Abdul Malik Al-Houthi, declarou que suas forças estavam “prontas para se movimentar em centenas de milhares para se juntar ao povo palestino e enfrentar o inimigo”.

O Mar Vermelho, um dos canais de navegação mais movimentados do mundo, está ao sul do Canal de Suez, a principal via fluvial que conecta a Europa à Ásia e ao leste da África. Pouco depois do início da guerra em Gaza, os houthis começaram a lançar ataques com mísseis e drones a embarcações no Mar Vermelho, a maioria dos quais foi interceptada por contramedidas dos Estados Unidos e de Israel.

Em 18 de dezembro, os EUA anunciaram a formação da Operação Prosperity Guardian em resposta aos ataques dos houthis. A resposta direta ocorreu em 31 de dezembro, quando helicópteros da Marinha dos EUA dispararam contra um grupo de pequenos barcos que tentavam abordar um navio porta-contêineres que havia solicitado proteção. As mortes de 10 militantes marcaram uma nova fase na crise.

Em 9 de janeiro, navios de guerra dos EUA e do Reino Unido derrubaram 21 drones e mísseis disparados pelos houthis, no que Londres chamou de maior ataque do tipo na região. Em 10 de janeiro, Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, afirmou que novos ataques poderiam desencadear uma resposta militar ocidental.

Antes da guerra em Gaza, os houthis vinham ganhando apoio desde o início do século XXI, de iemenitas xiitas insatisfeitos com a corrupção e crueldade do presidente autoritário de longa data e aliado saudita, Ali Abdullah Saleh. Protestos populares e tentativas de assassinato forçaram Saleh a renunciar em 2012.

Em 2014, os houthis se aliaram a seu ex-inimigo Saleh para tomar a capital, Sana’a, e derrubar o novo presidente, Abd Rabbu Mansour Hadi, um ano depois. Após a fuga de Hadi, o governo iemenita exilado pediu a seus aliados na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes Unidos para lançar uma campanha militar para expulsar os houthis.

Uma guerra civil catastrófica se seguiu, estimada pela ONU em 377.000 mortes e 4 milhões de deslocados até o final de 2021. Os houthis efetivamente venceram a guerra, e um cessar-fogo em abril de 2022 resultou em uma diminuição significativa da violência, apesar do término oficial do acordo em outubro.

Muitos iemenitas veem as operações dos houthis como um meio legítimo de pressionar Israel e seus aliados em defesa dos civis palestinos. Analistas afirmam que a intervenção dos houthis fortaleceu o apoio doméstico, enquanto os militantes acreditam que os ataques no Mar Vermelho podem torná-los atores globais mais significativos, representando o Iêmen como um todo, apesar da presença de um governo internacionalmente reconhecido no sul do país.

Enquanto isso, os sauditas tentam normalizar as relações com o Irã e finalizar um acordo de paz que reconheça o controle houthi do norte do Iêmen. Eles estão preocupados com qualquer resposta dos EUA que possa complicar seus esforços de retirada do país.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/entenda-quem-sao-os-houthis-atacados-pelos-eua-e-pelo-reino-unido