Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Escola Base, menina Eloá, Andreas Richthofen: Imprensa sensacionalista segue com seu velho modo abutre de sobrevivência

Como foi na Escola Base, ou no caso Eloá, ou até mesmo com achincalhamento com Lula, a imprensa abutre segue causando o verdadeiro inferno na vida de inocentes.

Andreas Richthofen era apenas um adolescente de 15 anos quando viu a sua vida desmoronar. Sua irmã, Suzanne, com o seu namorado Daniel Cravinhos (na época eram melhores amigos do guri), em conjunto com um outro irmão de Daniel, o Cristian, assassinaram brutalmente seus pais para poder curtir, com liberdade, a herança dos ricos membros da high society paulistana.

Andreas Richthofen virou uma das figuras mais famosas do Brasil há 22 anos e ainda teve que descobrir no meio deste turbilhão de flashes e Datenas que seus melhores amigos eram monstros.

Pois bem. Os anos se passaram e ficou visível o desespero do agora homem de 37 anos em permanecer longe, a mil léguas da imprensa abutre. Inclusive, há relatos que abandonou a fortuna da família e a capital paulista para poder correr das hienas com suas câmeras. Fugiu para um sítio em São Paulo.

Os abutres (desta vez não foi a queridona Sonia Abrão a sua imensa contribuição para o assassinato da menina Eloá), mas foi um outro que poussi a mesma “sintonia espiritual”. Geraldo Luís.

O homem queria entregar algo bombástico em sua estreia na folclórica Rede TV e conseguiu encontrar o endereço do jovem, com o pretexto de “ajuda” (aham,sei).

Conseguiu encontrar Andreas, captou imagens dele, expôs mais uma vez o homem ao ridículo e fez algo que eu considero mais grave: divulgou a região em que o herdeiro mora.

Sabem o que aconteceu na sequência? Daniel Cravinhos descobriu que mora perto de Andreas e já tentou até aproximação com ele, escreveu carta pública, insistindo num reencontro.

Estranho a razão de Daniel colocar tal carta disponível à imprensa. Se moram perto, não bastava apenas deixar a carta debaixo da porta? sem holofotes?

A questão aqui é que Andreas, de acordo com o jornalista Ulisses Campbell, passou mal ao apenas ouvir o nome de Cravinhos.

Hoje, Andreas é o mais atingido nessa história. Os Cravinhos seguiram com suas vidas, Suzanne, idem. Andreas não consegue. Não encontra paz e privacidade para tal.

Como foi na Escola Basem (que todo jornalista – ou não jornalista- deveria conhecer) , ou no assassinato da menina Eloa, ou até mesmo com achincalhamento com Lula, a imprensa abutre segue assassinando reputações, perseguindo e causando o verdadeiro inferno na vida de inocentes.

FONTE:

https://www.brasil247.com/blog/escola-base-menina-eloa-andreas-richthofen-imprensa-sensacionalista-segue-com-seu-velho-modo-abutre-de-sobrevivencia