Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

EUA são pressionados a honrar compromissos após Blinken concluir reuniões ‘francas, substantivas e construtivas’ na China

A visita de três dias do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, à China, durante a qual manteve extensos intercâmbios com autoridades chinesas, foi considerada pelos especialistas chineses como “geralmente positiva e desempenhando um papel na estabilização das relações entre a China e os EUA”, mas os observadores também acreditaram tal visita por si […]

A visita de três dias do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, à China, durante a qual manteve extensos intercâmbios com autoridades chinesas, foi considerada pelos especialistas chineses como “geralmente positiva e desempenhando um papel na estabilização das relações entre a China e os EUA”, mas os observadores também acreditaram tal visita por si só não pode mudar fundamentalmente a tendência actual dos laços China-EUA.

Os especialistas observaram que o consenso de cinco pontos alcançado pelos dois países durante a visita de Blinken sugeriu que a China resistiu à pressão dos EUA e ajudou a pressionar ambos os países a trabalharem para melhorar as relações em linha com o consenso alcançado pelos principais líderes dos dois países. países em São Francisco.

O principal desafio nos laços China-EUA reside no facto de os EUA ainda terem a percepção errada de ver a China como um rival ou inimigo, em vez de um parceiro. Os EUA estão atualmente a lutar para se libertarem das suas noções preconcebidas sobre a China, o que leva a dificuldades em definir o tom certo para as políticas de Washington em relação a Pequim e em gerir eficazmente a relação EUA-China. Como resultado, os especialistas chineses instaram os EUA a mostrar coragem para identificar e corrigir com precisão os seus equívocos sobre a China.

Conversações ‘francas’

O Ministério das Relações Exteriores da China disse na noite de sexta-feira que as negociações com Blinken durante sua visita à China foram “francas, substantivas e construtivas”.

Durante uma reunião de cortesia com Blinken na tarde de sexta-feira, o presidente chinês Xi Jinping elaborou a posição de autoridade da China nas relações China-EUA e propôs orientações, disse Yang Tao, diretor-geral do Departamento de Assuntos Norte-Americanos e Oceanianos do Ministério das Relações Exteriores da China. enquanto informava a mídia sobre a visita de Blinken na noite de sexta-feira.

Xi reuniu-se com Blinken na sexta-feira e sublinhou que a China está disposta a cooperar com os EUA, mas a cooperação deve ser uma via de mão dupla. “A China não tem medo da concorrência, mas a competição deve ser uma questão de progresso comum, e não um jogo de soma zero”, disse Xi.

A China e os EUA deveriam ser parceiros e não rivais; ajudar uns aos outros a ter sucesso em vez de machucar uns aos outros; procurem um terreno comum e reservem as diferenças em vez de se envolverem numa concorrência feroz; e honrar as palavras com ações, em vez de dizer uma coisa, mas fazer outra, disse Xi.

Xi disse que a China está comprometida com a não-aliança e que os EUA não devem criar pequenos blocos, acrescentando que cada lado pode ter os seus amigos e parceiros, não deve visar, opor-se ou prejudicar o outro.

Wang Yi, membro do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China e ministro das Relações Exteriores da China, manteve conversações com Blinken na sexta-feira em Pequim, com os dois lados alcançando um consenso de cinco pontos com base em uma troca abrangente de pontos de vista.

Em primeiro lugar, ambos os lados concordaram em continuar a trabalhar arduamente para estabilizar e desenvolver as relações China-EUA, de acordo com a orientação dos dois chefes de Estado. Em segundo lugar, ambas as partes concordaram em manter intercâmbios e contactos de alto nível a todos os níveis.

Em terceiro lugar, as duas partes anunciaram que realizariam a primeira reunião do diálogo intergovernamental China-EUA sobre inteligência artificial, continuariam a avançar nas consultas sobre os princípios que orientam as relações China-EUA, realizariam uma nova ronda de consultas China-EUA sobre a Ásia-Pacífico assuntos e assuntos marítimos China-EUA, e continuar as consultas consulares. O grupo de trabalho antidrogas dos dois países realizará uma reunião de altos funcionários.

Em quarto lugar, os dois lados tomarão medidas para expandir os intercâmbios culturais e interpessoais entre os dois países, acolher estudantes dos países um do outro e trabalhar juntos para o sucesso da 14ª Cimeira de Liderança do Turismo China-EUA, a ser realizada em Xi’ e em maio. Em quinto lugar, as duas partes manterão consultas sobre questões críticas internacionais e regionais e reforçarão a comunicação entre os enviados especiais das duas partes.

Na perspectiva de avançar na implementação do acordo feito pelos dois líderes em São Francisco, a visita de Blinken alcançou alguns resultados positivos, com o consenso de cinco pontos alcançado por ambos os lados essencialmente dando continuidade ao consenso alcançado pelos dois líderes em São Francisco, Wu Xinbo, diretor do Centro de Estudos Americanos da Universidade Fudan, ao Global Times.

Wu observou que, a julgar pela agenda anterior da visita divulgada pelos EUA, Blinken não atingiu os objetivos esperados. Isto reflectiu as diferentes abordagens da China e dos EUA na gestão das relações bilaterais.

Os sinais enviados pelos EUA antes da partida de Blinken indicavam que Washington queria redefinir a agenda das relações China-EUA. No entanto, o consenso de cinco pontos alcançado por ambos os lados mostrou que a tentativa dos EUA não teve sucesso e os esforços da China ajudaram a empurrar os dois países para voltarem a implementar o consenso feito pelos dois líderes em São Francisco, disse Wu.

Blinken também teria pedido a Pequim que evitasse tomar medidas “provocativas” durante a posse, no próximo mês, de Lai Ching-te, que foi eleito líder regional de Taiwan em janeiro, disse a AFP citando uma autoridade dos EUA na semana passada. O diplomata dos EUA também planeou manifestar as suas “profundas preocupações relativamente ao apoio da RPC à base industrial de defesa da Rússia, bem como aos seus abusos dos direitos humanos e às práticas económicas e comerciais injustas”, de acordo com relatos anteriores dos meios de comunicação social.

Embora o consenso entre as duas partes sobre a gestão eficaz das suas relações pareça ter sido em grande parte alcançado ao longo das últimas interacções de alto nível entre a China e os EUA, alguns especialistas estão preocupados se os EUA podem garantir que irão gerir eficazmente as diferenças e expandir a cooperação. através da acção, especialmente quando os EUA estão em ano eleitoral.

“Se os EUA não conseguirem seguir o consenso e cumprir as suas promessas, e procurarem ainda mais conter a China devido à política eleitoral, cercar a China, manchar a imagem da China e interferir nos assuntos internos da China, é muito provável que tenha um impacto negativo sobre a trajetória futura das relações China-EUA”, disse Diao Daming, professor da Universidade Renmin da China, em Pequim, ao Global Times.

Desafios futuros

No final da sua visita de três dias à China, Blinken disse aos jornalistas, numa conferência de imprensa na sexta-feira, que alertou a China para “parar de exportar materiais que permitam à Rússia reconstruir a sua base industrial”, e também disse à CNN que Washington viu evidências de tentativas chinesas de “influenciar e possivelmente interferir” nas próximas eleições nos EUA.

Estas observações destinam-se todas ao público interno dos EUA, uma vez que ambas as questões são frequentemente utilizadas pela administração Biden como alimento político para exaltar as relações China-EUA na política interna, a fim de evitar parecer fraco perante a China, disse Li Haidong, professor da a Universidade de Relações Exteriores da China, disse ao Global Times, observando que à medida que as eleições se aproximam, a relação bilateral se tornará mais frágil.

Esta visão foi compartilhada por Wu. “Penso que o desenvolvimento das relações China-EUA no futuro continuará a ser cheio de altos e baixos e é pouco provável que se estabilize verdadeiramente ou melhore significativamente. Especialmente no ano das eleições de 2024, a administração Biden terá de mostrar dureza em relação à China e exercer pressão sobre a China para atender aos seus próprios interesses”, disse Wu.

Na semana passada, Biden apelou ao Representante Comercial dos EUA para considerar triplicar a taxa tarifária existente da Secção 301 sobre o aço e o alumínio chineses. No início deste mês, ele também pediu a proibição das importações de carros elétricos fabricados na China para os EUA.

As medidas de Biden visam apelar a certos grupos de eleitores nos EUA, disse Wu, que previu que haverá mais ações destinadas a mostrar dureza e pressionar a China. “Se Biden sentir que as suas perspectivas eleitorais não são boas, ele poderá intensificar os seus esforços para jogar a ‘carta da China’”, observou Wu.

No primeiro semestre deste ano, as relações China-EUA poderão manter uma estabilidade frágil e pouco confiável, e haverá maiores flutuações no segundo semestre do ano, disse Wu.

FONTE:

EUA são pressionados a honrar compromissos após Blinken concluir reuniões ‘francas, substantivas e construtivas’ na China