Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

FINAL DO CONFLITO RUSSO-UCRANIANO: MOMENTOS DRAMÁTICOS E ANGUSTIANTES

Estamos assistindo ao fim do conflito russo-ucraniano da maneira mais dramática possível.
Depois de mais de dois anos de batalhas, ficou relativamente claro que todo o arsenal da OTAN emprestado para a Ucrânia não é suficiente para mudar o rumo da guerra a esta altura do campeonato.
Não significa que as tropas russas sejam invencíveis ou sobrenaturais. Apenas atesta o fato de que os russos estão muito mais preparados, equipados e com uma enorme experiência de combate, combate este tanto tradicional quanto cibernético e econômico.
As regiões ucranianas anexadas por Moscou não podem mais ser retomadas e quem disser o contrário, estará fugindo da realidade. Para além, as Forças Armadas da Federação Russa estão neste momento avançando sobre a segunda maior cidade da Ucrânia, o que gera um grande impacto psicológico nos apoiadores e patrocinadores da carnificina. São os corpos de homens ucranianos de meia idade e idosos que estão sendo moídos.
Isto nos leva a um ponto perigoso, cuja vez de jogar cabe agora aos países ocidentais. Modular um discurso inventado de vitória – ou empate – diante de um cenário onde o adversário não permite qualquer manobra narrativa está praticamente descartado. Dobrar a aposta com o envio de tropas da Aliança do Atlântico Norte carrega o risco de multiplicar por dez a humilhação, bem como fortalecer os conservadores às vésperas de importantes eleições nos EUA. Declarar uma guerra contra a Rússia pode desencadear aquilo que 90% da Humanidade menos quer: uma guerra nuclear sem vencedores, só contaminação, ondas de saques e crimes generalizados e desespero. Caos de pôr medo no mais empedernido anarquista.
Fosse em outros tempos, talvez em meados dos anos 1960/70, os líderes daqueles dias ponderassem a razão e o equilíbrio. Dizer que não é o momento mais adequado para enfrentar a Rússia não tem nada de vergonhoso, pelo contrário, mostraria que ainda existem homens e mulheres preocupados com o futuro das pessoas.
Infelizmente, as pessoas desta geração se esqueceram do passado, adulteraram este passado e vivem uma cultura onde as lições que foram aprendidas se perderam nos velhos livros de História. Já se transcorreram 85 anos desde a maior tragédia entre países jamais vista até hoje. Infelizmente também, a maioria dos jovens de hoje pouco sabem sobre a Segunda Guerra Mundial. Há quem diga que este é o período de tempo necessário para ficarmos burros de novo.
Há um fato aqui que todos os socialistas, conservadores e apolíticos devem ter em mente: o novo sempre vem. Se ele virá pacificamente ou da pior maneira, isto o tempo dirá. Vale a pena disputá-lo.
Mas o tempo está acabando.

Por Daniel Spirin Reynaldo no seu Facebook

FONTE: https://www.facebook.com/daniel.omettalspirin