Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Fomos “enganados e manipulados por anos”, tudo em nome da “democracia”; então “puf”, tudo colapsou da noite para o dia

“Paradoxos não resolvidos tornaram-se os agentes do declínio ocidental”, diz Alastair Crooke.

Vemos claramente o colapso da manipulação que confinou o discurso dentro das várias vilas de Washington.

O Editor-at-Large do Wall Street Journal (WSJ), Gerry Baker, diz: ‘Fomos “enganados e manipulados” – por anos – “tudo em nome da ‘democracia’”. Esse engano “colapsou” com o debate presidencial, na quinta-feira’.

Por Alastair Crooke

“Até o mundo ver a verdade … [contra] a ‘desinformação’ … a ficção da competência do Sr. Biden … sugere que eles [os Democratas] evidentemente achavam que poderiam se safar promovendo isso. [Ainda assim] ao perpetuar essa ficção, eles também estavam revelando seu desprezo pelos eleitores e pela própria democracia”.

Baker continua:

“Biden teve sucesso porque seguir a linha do partido foi a sua missão de vida. Como todos os políticos cujos egos superam seus talentos, ele ascendeu ao poder seguindo servilmente o seu partido para onde quer que ele o levasse … Finalmente — no ato final de servilidade partidária, ele se tornou vice-presidente de Barack Obama, o ápice da realização para aqueles incapazes, mas leais: a posição de ápice para o consumado ‘homem-sim’”.“Mas então, quando estava pronto para se retirar para uma obscuridade confortável e merecida, seu partido precisava de um homem de frente … Eles procuraram uma figura leal e confiável, uma bandeira de conveniência, sob a qual poderiam navegar o navio progressista para os recantos mais profundos da vida estadunidense — em uma missão para avançar o estatismo, o extremismo climático e o wokery auto-lacerante. Não havia veículo mais leal e conveniente do que Joe”.

Se assim for, então quem realmente tem estado ‘puxando as cordas dos EUA’ nesses últimos anos?

“Vocês [a máquina Democrata] não podem nos enganar, dissimular e nos manipular por anos sobre como esse homem era brilhantemente competente no trabalho e uma força curativa para a unidade nacional – e agora vêm nos dizer, quando seu engano é descoberto, que é ‘hora de dormir para Bonzo’ – obrigado pelo seu serviço, e vamos seguir em frente”, adverte Baker.“[Agora] está indo tudo horrivelmente errado. Grande parte do seu partido não tem mais uso para ele … em um ato notavelmente cínico de isca e troca, [eles estão tentando] trocá-lo por alguém mais útil para a sua causa. Parte de mim acha que não deveriam ter permissão para se safar disso. Eu me encontro na posição estranha de querer torcer pelo pobre Joe balbuciante … É tentador dizer à máquina Democrata que está se mobilizando freneticamente contra ele: Vocês não podem fazer isso. Vocês não podem nos enganar, dissimular e manipular por anos”.

Algo significativo se quebrou dentro do ‘sistema’. Sempre é tentador situar tais eventos em ‘tempo imediato’, mas até Baker parece aludir a um ciclo mais longo de manipulação e engano – um que só agora de repente estourou à vista.

Tais eventos – embora aparentemente efêmeros e momentâneos – podem ser presságios de contradições estruturais mais profundas em movimento.

Quando Baker escreve sobre Biden sendo a mais recente ‘bandeira de conveniência’ sob a qual as camadas dominantes poderiam navegar o navio progressista para os recantos mais profundos da vida estadunidense – “em uma missão para avançar o estatismo, o extremismo climático e o wokery auto-lacerante” – parece provável que ele esteja se referindo à era da Comissão Trilateral e do Clube de Roma na década de 1970.

As décadas de 1970 e 1980 foram o ponto em que o longo arco do liberalismo tradicional deu lugar a um ‘sistema de controle’ mecânico e declaradamente iliberal (tecnocracia gerencial) que hoje fraudulentamente se apresenta como democracia liberal.

Emmanuel Todd, o historiador antropológico francês, examina as dinâmicas mais longas para os eventos que se desenrolam no presente: O principal agente de mudança que levou ao Declínio do Ocidente (La Défaite de l’Occident), ele argumenta, foi a implosão do protestantismo ‘anglo’ nos EUA (e na Inglaterra), com seus hábitos de trabalho, individualismo e indústria – um credo cujas qualidades eram então consideradas reflexo da graça de Deus através do sucesso material e, acima de tudo, confirmavam o pertencimento ao ‘Eleito’ divino.

Enquanto o liberalismo tradicional tinha as suas morais, o declínio dos valores tradicionais desencadeou a queda para a tecnocracia gerencial e o niilismo. A religião persiste no Ocidente, embora em um estado ‘zumbi’, afirma Todd. Tais sociedades, ele argumenta, cambaleiam – ausentes de alguma esfera metafísica orientadora que forneça às pessoas algum sustento não-material.

No entanto, a doutrina entrante de que apenas uma elite financeira rica, especialistas em tecnologia, líderes de corporações multinacionais e bancos possuem a previsão e o entendimento tecnológico necessários para manipular um sistema complexo e cada vez mais controlado mudou a política completamente.

Os valores foram embora – e também a empatia. Muitos experimentaram a desconexão e o desprezo da fria tecnocracia.

Portanto, quando um editor sênior do WSJ nos diz que o ‘engano e a manipulação’ colapsaram com o debate Biden-Trump da CNN, certamente devemos prestar atenção; ele está dizendo que as escamas finalmente caíram dos olhos das pessoas.

O que estava sendo manipulado era a ficção da democracia e também o dos EUA declarando-se – em sua própria escritura – como pioneiros e guias da humanidade: os EUA como a nação excepcional: a singular, a pura de coração, a batizadora e redentora de todos os povos desprezados e oprimidos; a “última e melhor esperança da terra”.

A realidade era muito diferente. Claro, os estados podem ‘viver uma mentira’ por um longo período. O problema subjacente – o ponto que Todd faz de maneira tão convincente – é que você pode ser bem-sucedido em enganar e manipular as percepções públicas, mas apenas até certo ponto.

A realidade era que simplesmente não estava funcionando.

O mesmo é verdade para a ‘Europa’. A aspiração da UE de se tornar um ator geopolítico global também era contingente em enganar o público de que França, Itália e Alemanha etc. poderiam continuar a ser entidades nacionais reais – mesmo enquanto a UE arrebatava todas as prerrogativas de decisão nacional, por engano. A mutinaria nas recentes eleições europeias refletiu esse descontentamento.

Claro, a condição de Biden já era conhecida há muito tempo. Então, quem estava administrando os assuntos; tomando decisões diárias críticas sobre guerra, paz, a composição do judiciário e os limites da autoridade estatal? O artigo do WSJ dá uma resposta: “Assessores não eleitos, bajuladores do partido, familiares maquiavélicos e agregados aleatórios tomam as decisões diárias críticas” sobre essas questões.

Talvez tenhamos que nos reconciliar com o fato de que Biden é um homem zangado e senil que grita com a sua equipe: “Durante reuniões com assessores que estão preparando briefings formais, alguns altos funcionários às vezes fazem grandes esforços para curar a informação em um esforço para evitar provocar uma reação negativa”.

“É como, ‘Você não pode incluir isso, isso vai irritá-lo’ ou ‘Coloque isso, ele gosta disso’”, disse um alto funcionário da administração. “É muito difícil e as pessoas estão morrendo de medo dele.” O funcionário acrescentou: “Ele não aceita conselhos de ninguém além daqueles poucos assessores principais, e isso se torna uma tempestade perfeita porque ele fica cada vez mais isolado dos esforços deles para controlá-lo”.

Seymour Hersh, o conhecido jornalista investigativo, relata:

“O desvio de Biden para a vacuidade tem ocorrido há meses, enquanto ele e seus assessores de política externa têm instado por um cessar-fogo que não acontecerá em Gaza, enquanto continuam a fornecer as armas que tornam um cessar-fogo menos provável. Há um paradoxo semelhante na Ucrânia, onde Biden tem financiado uma guerra que não pode ser vencida – mas se recusa a participar de negociações que poderiam acabar com o massacre”.“A realidade por trás de tudo isso, como me disseram há meses, é que Biden simplesmente ‘não está mais lá’ – em termos de compreender as contradições das políticas que ele e seus assessores de política externa têm implementado”.

Por um lado, a agência Politico nos diz: “A equipe sênior insular de Biden está bem familiarizada com os antigos assessores que continuam a ter o ouvido do presidente: Mike Donilon, Steve Ricchetti e Bruce Reed, bem como Ted Kaufman e Klain do lado de fora”.

“São as mesmas pessoas — ele não mudou essas pessoas há 40 anos … O número de pessoas que têm acesso ao presidente tem diminuído cada vez mais. Eles têm se aprofundado no bunker há meses agora.” E, o estrategista disse: “quanto mais você entra no bunker, menos você ouve alguém”.

Nas palavras de Todd, então, as decisões são tomadas por uma pequena ‘vila de Washington’.

Claro, Jake Sullivan e Blinken estão no centro do que é chamado de visão ‘interagências’. É aqui que a política é principalmente discutida. Não é coerente – com seu foco no Comitê de Segurança Nacional – mas está espalhada por uma matriz de ‘clusters’ interligados que inclui o Complexo Industrial-Militar, líderes do Congresso, Grandes Doadores, Wall Street, o Tesouro, a CIA, o FBI, alguns oligarcas cosmopolitas e os príncipes do mundo da segurança e inteligência.

Todos esses ‘príncipes’ fingem ter uma visão de política externa e lutam como gatos para proteger a autonomia de seus feudos. Às vezes canalizam a sua ‘visão’ via o NSC, mas se puderem, vão ‘canalizá-la’ diretamente para um ou outro ‘ator-chave’ com o ouvido de um ou outro ‘vilarejo’ de Washington.

No entanto, no fundo, a doutrina Wolfowitz de 1992, que enfatizava a supremacia dos EUA a todo custo, em um mundo pós-soviético – junto com “eliminar rivais, onde quer que surjam” – ainda hoje permanece como a ‘doutrina atual’ que enquadra a base das ‘interagências’.

A disfunção no coração de uma organização aparentemente funcional pode persistir por anos sem qualquer consciência ou apreciação pública real da descida à disfuncionalidade. Mas então, de repente – quando uma crise a atinge, ou o debate presidencial falha – ‘poof’ e vemos claramente o colapso da manipulação que confinou o discurso dentro das várias vilas de Washington.

À luz disso, algumas das contradições estruturais que Todd observou como fatores contributivos para o declínio ocidental tornam-se inesperadamente ‘iluminadas’ por eventos: Baker destacou uma: O principal pacto faustiano: a pretensão de uma democracia liberal operando em paralelo com uma economia liberal ‘clássica’ versus a realidade de uma liderança oligárquica iliberal sentada no topo de uma economia corporativa hiper-financeirizada que sugou a vida da economia orgânica clássica e criou desigualdades tóxicas também.

O segundo agente do declínio ocidental é a observação de Todd de que a implosão da União Soviética deixou os EUA tão eufóricos que desencadeou paradoxalmente uma expansão do império da ‘Ordem Global Baseada em Regras’ versus a realidade de que o Ocidente já estava sendo consumido de suas raízes para cima.

O terceiro agente para o declínio, Todd argumenta, foi os EUA declarando-se a maior nação militar da terra – versus a realidade de um país que há muito se livrou de grande parte de sua capacidade de manufatura (particularmente a capacidade militar), mas opta por se chocar com uma Rússia estabilizada, uma grande potência retornada, e com a China, que se instituiu como o Behemoth manufatureiro do mundo (incluindo militarmente).

Esses paradoxos não resolvidos tornaram-se os agentes do declínio ocidental, sustentou Todd. Ele tem um ponto.

Alastair CROOKE

Ex-diplomata britânico, fundador e diretor do Conflicts Forum, com sede em Beirute.

Foto oficial da Casa Branca por Joyce N. Boghosian

FONTE: https://www.brasil247.com/mundo/fomos-enganados-e-manipulados-por-anos-tudo-em-nome-da-democracia-entao-puf-tudo-colapsou-da-noite-para-o-dia#google_vignette