Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Gaza sofre escassez em nível de fome e morte em massa é iminente, diz sistema apoiado pela ONU

“Isso é inaceitável. A fome é usada como uma arma de guerra. Israel está provocando a fome”, disse o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell.

A escassez de alimentos em partes da Faixa de Gaza já ultrapassou em muito os níveis de fome, e a morte em massa é agora iminente se não houver um cessar-fogo imediato e um aumento de alimentos nas áreas isoladas pelos combates, informou o sistema de monitoramento global da fome na segunda-feira.

A Classificação Integrada da Fase de Segurança Alimentar, ou IPC, apoiada pela ONU, que declara formalmente a fome, disse que dois dos seus três critérios – a escassez geral de alimentos e a prevalência da desnutrição – provavelmente já foram cumpridos.

IPC não dispunha de dados completos suficientes sobre as taxas de mortalidade, seu terceiro critério, mas acredita que os moradores das áreas afetadas morreriam de fome e desnutrição em escala de fome iminentemente, e crianças com menos de quatro anos talvez já estejam morrendo.

“As ações necessárias para evitar a fome requerem uma decisão política imediata para um cessar-fogo, juntamente com um aumento significativo e imediato do acesso humanitário e comercial a toda a população de Gaza”, disse a IPC.

“Todos os esforços precisam ser feitos para garantir o fornecimento de alimentos, água, medicamentos e a proteção dos civis, bem como para restaurar e fornecer serviços de saúde, água, saneamento e energia.”

Ao todo, 1,1 milhão de habitantes de Gaza, cerca de metade da população, estavam passando por uma escassez “catastrófica” de alimentos, a pior categoria, com cerca de 300.000 nas áreas que agora enfrentam a perspectiva de taxas de mortalidade em escala de fome.

A perspectiva de fome provocada pelo homem em Gaza trouxe as mais fortes críticas a Israel por parte dos aliados ocidentais desde que o país lançou sua guerra contra os militantes do Hamas após o ataque ao território israelense em 7 de outubro.

“Em Gaza, não estamos mais à beira da fome, estamos em um estado de fome que afeta milhares de pessoas”, disse o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, na abertura de uma conferência sobre ajuda humanitária para Gaza em Bruxelas.

“Isso é inaceitável. A fome é usada como uma arma de guerra. Israel está provocando a fome.”

O ministro israelense das Relações Exteriores, Israel Katz, respondeu que Borrell deveria “parar de atacar Israel e reconhecer nosso direito de autodefesa contra os crimes do Hamas”.

Katz, em um post no X, disse que Israel permitiu “ampla ajuda humanitária em Gaza por terra, ar e mar para qualquer um disposto a ajudar”, mas que a ajuda foi “violentamente afetada” por militantes do Hamas com a “colaboração” da agência de ajuda da ONU, UNRWA.

Israel, que inicialmente permitia a entrada de ajuda em Gaza por meio de apenas dois pontos de controle no extremo sul do enclave, diz que está abrindo mais rotas por terra, mar e ar.

As agências de ajuda humanitária afirmam que ainda não conseguem obter suprimentos suficientes ou distribuí-los com segurança, especialmente no norte, sem melhor acesso e segurança, responsabilidade de Israel desde que invadiu as cidades de Gaza.

Nas ruínas da Cidade de Gaza, o principal assentamento no norte da Faixa de Gaza, as forças israelenses lançaram uma grande invasão ao hospital Al Shifa durante a noite. O hospital, que já foi o maior da Faixa de Gaza, é agora uma das únicas instalações médicas que ainda funcionam parcialmente no norte do território.

As negociações para um cessar-fogo na guerra, agora em seu sexto mês, seriam retomadas na segunda-feira, com uma delegação israelense liderada pelo chefe de espionagem do país indo para o Catar. No entanto, uma autoridade israelense disse que a conclusão de qualquer acordo provavelmente levará pelo menos mais duas semanas, o que representa uma clara decepção para Washington, que buscava um acordo até o início do mês sagrado do Ramadã, na semana passada.

A guerra começou quando os combatentes do Hamas invadiram Israel, matando 1.200 pessoas e capturando 253 reféns, de acordo com os registros israelenses. Desde então, o ataque de Israel matou mais de 31.000 habitantes de Gaza, segundo as autoridades de saúde palestinas.

Os dois lados estão discutindo uma trégua de cerca de seis semanas, durante a qual cerca de 40 reféns seriam libertados em troca de centenas de prisioneiros palestinos e a ajuda seria enviada às pressas para a Faixa de Gaza. Israel diz que discutirá apenas uma pausa temporária nos combates; o Hamas afirma que não libertará os reféns sem um acordo que ponha fim à guerra.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/gaza-sofre-escassez-em-nivel-de-fome-e-morte-em-massa-e-iminente-diz-sistema-apoiado-pela-onu