Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ.Há 9 anos lutando pelos jornalistasUnidos somos mais fortesÚnica entidade nacional de jornalistas que aceita associados com ou sem diploma.
Google ameaça Austrália se o país não mudar código que o obriga a pagar por notícias

Google ameaça Austrália se o país não mudar código que o obriga a pagar por notícias

País diz sofrer ameaça.

Norma regula algoritmo.

Trump apoiou big techs.

Imagina fazer uma busca no Google e não encontrar nenhuma notícia daquele site de notícias que você lê todo dia. Todas as notícias locais sumiram. Parece coisa do “Stranger Things”, ou qualquer outra série distópica, mas aconteceu na Austrália na última semana. O Google bloqueou no seu mecanismo de busca notícias dos sites e jornais da Austrália. Foi um “experimento”, de acordo com nota do Google, feito com 1% dos 19 milhões de australianos que usam a ferramenta da companhia norte-americana. Deve durar até o começo de fevereiro. O objetivo, segundo a nota cínica da empresa, era testar o impacto que o sumiço teria tanto para os sites quanto para o Google. O governo australiano não achou graça nenhuma no “experimento”. Classificou a medida de “ameaça”, feita depois que aquele país instituiu um código que prevê que o Google deve pagar por notícias dos sites jornalísticos.

Se você se interessa por tecnologia, imprensa e democracia, a batalha da Austrália para regular o Google e o Facebook é a mais importante em curso no mundo. De lá pode sair um novo modelo de financiamento de sites jornalísticos ou a derrocada dos negócios locais na internet. O caso australiano já virou um incidente diplomático, após o governo local acusar o Google de violar a soberania do país ao cortar a ferramenta de busca para certos usuários. A pergunta que os australianos fazem também parece saída de uma série futurista: e se o Google fizesse a Austrália desaparecer da sua ferramenta de busca?

A Austrália implantou no final do ano passado um código de conduta voluntário para as big techs, depois de um estudo que levou quase três anos para ser concluído. As pesquisas foram conduzidas pelo Departamento do Tesouro, um órgão que combina funções do Banco Central e do Ministério da Economia no Brasil, e o Ministério das Comunicações. A ideia é evitar violação da privacidade dos usuários de internet e preservar a saúde financeira dos sites de notícias. Até aí nada de novo. As próprias big techs aceitam pagar por notícias que elas não produzem, desde que seja nos termos que elas impõem, como mostra o embate na Austrália.

A novidade, para as big techs, foi o modo como o governo australiano trata os algoritmos e como vai determinar os valores a serem pagos aos sites jornalísticos do país. Segundo o novo código de conduta, as mudanças nos algoritmos precisam ser comunicadas com 14 dias de antecedência porque essa alteração tem impacto nos negócios das empresas de mídia.

Outra inovação era a maneira como seria arbitrado o valor pago a cada site ou empresa jornalística. Primeiro, eles seriam incentivados a chegar a um acordo sobre os valores. Caso o acordo não fosse adiante, o preço seria arbitrado por uma comissão independente. Os serviços públicos de comunicação, similares à BBC britânica, ou seja, de alto nível, também receberiam recursos das big techs na medida em que essas companhias utilizam as notícias publicadas pelos sites, rádios e TVs.

Até o ex-presidente americano Donald Trump tentou meter a colher na discussão: disse que o governo da Austrália deveria deixar as empresas se auto-regularem. Trump vive uma situação tão claudicante que ninguém deu bola ao seu lobby contra a regulamentação.

Tanto o Google quanto o Facebook dizem que o sistema é injusto e impossível de ser colocado em prática. As big techs reclamam de toda e qualquer tentativa de regulamentação, por menor que seja. Foi assim com fake news e com a falta de proteção a dados dos usuários do Facebbok nas eleições americanas de 2016. Depois de reclamarem que o controle de notícias fraudulentas violaria a liberdade de expressão, as empresas foram pressionadas pelos consumidores e anunciantes a fazer esse controle. Desta vez, porém, a questão é mais complexa. E envolve um princípio essencial da filosofia da internet: a de que todo link tem de ser gratuito.

Quem defende esse princípio _e critica o código australiano_ é o criador da web, o físico e cientista da computação britânico Tim Berners-Lee. Foi ele quem criou a World Wide Web, em 1989, baseada na relação de um cliente com um servidor. Foi ele que lançou a ideia de navegador e as árvores de navegação. Enfim, Berners-Lee inventou a internet que existe até hoje. É um defensor ferrenho da neutralidade da rede, o princípio segundo o qual todas as informações que trafegam na rede devem ter o mesmo tratamento, em suma, a mesma velocidade. Segundo Berners-Lee, o código australiano pode levar alguém a criar links que teriam o único interesse de receber recursos das big techs, o que já acontece com as notícias que buscam caçadores de cliques. É uma preocupação filosófica séria, mas tem algo do romantismo da internet dos anos 1990. O cientista parece que não assimilou a ideia de que o mundo do dinheiro tomou conta da internet.

A questão mais importante do caso australiano nem é o modelo de negócio proposto, na minha opinião. É o fato de o governo não ter aceitado em nenhum momento os habituais palpites das big techs, de que o melhor modelo é a auto-regulamentação, o mesmo blablablá de Trump. O mais importante, acho eu, foi o recado do Google a um governo eleito democraticamente que gastou quase três anos para criar um código de conduta para as empresas de tecnologia digital. O “experimento” de suprimir os sites locais é uma ameaça de guerra, no melhor estilo gângster: ou vocês fazem do nosso modo ou cortamos vocês do mapa. A prova de que as big techs só aceitam negociar nos termos delas é que o Google fechou na mesma semana um acordo com jornais franceses para pagar por notícias, em valores que foram mantidos em sigilo. O recado parece claríssimo: só vai receber dindim quem se comportar.

FONTE:

Google ameaça Austrália se o país não mudar código que o obriga a pagar por notícias