Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 13 anos lutando pelos jornalistas (3)
GUERRA ELÉTRICA Por Pepe Escobar

GUERRA ELÉTRICA Por Pepe Escobar

Passos ecoam na memória
Descendo a passagem que não tomamos
Em direção à porta que nunca abrimos Para
o jardim de rosas. Minhas palavras ecoam
Assim, em sua mente.
Mas com que propósito
Perturbar a poeira em uma tigela de folhas de rosa
eu não sei .
TS Eliot, Burnt Norton
Pense no fazendeiro polonês tirando fotos de destroços de um míssil – mais tarde indicado como pertencente a um S-300 ucraniano.
Assim, um fazendeiro polonês, com seus passos ecoando em nossa memória coletiva, pode ter salvado o mundo da Terceira Guerra Mundial – desencadeado por meio de uma trama espalhafatosa arquitetada pela “inteligência” anglo-americana.
Tal espalhafato foi agravado por um acobertamento ridículo: os ucranianos estavam disparando mísseis russos de uma direção que eles não poderiam estar vindo. Ou seja: a Polônia.
Então o secretário de Defesa dos EUA, o vendedor de armas Lloyd “Raytheon” Austin, sentenciou que a Rússia era a culpada de qualquer maneira, porque seus vassalos de Kiev estavam atirando em mísseis russos que não deveriam estar no ar (e não estavam).
Chame isso de o Pentágono elevando a mentira rasteira a uma arte paupérrima.
O objetivo anglo-americano dessa farsa era gerar uma “crise mundial” contra a Rússia. Foi exposto – desta vez. Isso não significa que os suspeitos de sempre não tentarão novamente. E em breve.
Por Pepe Escobar em 23.11.2022
O principal motivo é o pânico. A inteligência coletiva do Ocidente vê como Moscou está finalmente mobilizando seu exército – pronto para atingir o solo no próximo mês – enquanto derruba a infraestrutura de eletricidade da Ucrânia como uma forma de tortura chinesa.
Aqueles dias de envio de apenas 100.000 soldados em fevereiro – e tendo as milícias DPR e LPR mais os comandos de Wagner e os chechenos de Kadyrov fazendo a maior parte do trabalho pesado – já se foram.
No geral, russos e russófonos enfrentavam hordas de militares ucranianos – talvez até 1 milhão.
O “milagre” de tudo isso é que os russos se saíram muito bem.
Todo analista militar conhece a regra básica: uma força de invasão deve ser três vezes maior que a força de defesa.
O Exército Russo no início do SMO estava em uma pequena fração dessa regra.
As Forças Armadas Russas têm, sem dúvida, um exército permanente de 1,3 milhão de soldados. Certamente eles poderiam ter poupado algumas dezenas de milhares a mais do que os 100.000 iniciais. Mas eles não o fizeram. Foi uma decisão política.
Mas agora o SMO acabou: este é o território da CTO (Counter-Terrorist Operation).
Uma sequência de ataques terroristas – visando o Nord Streams, a Crimea Bridge, a Black Sea Fleet – finalmente demonstrou a inevitabilidade de ir além de uma mera “operação militar”.
Isso nos leva à Guerra Elétrica.
PAVIMENTANDO O CAMINHO PARA UMA DMZ
A Guerra Elétrica está sendo tratada essencialmente como uma tática – levando à eventual imposição dos termos da Rússia em um possível armistício (que nem a inteligência anglo-americana nem os vassalos da OTAN desejam).
Mesmo que houvesse um armistício – amplamente divulgado há algumas semanas – isso não acabaria com a guerra. Porque os termos russos mais profundos e tácitos – fim da expansão da OTAN e “indivisibilidade da segurança” – foram totalmente explicados a Washington e Bruxelas em dezembro passado e posteriormente descartados.
Como nada – conceitualmente – mudou desde então, juntamente com o armamento ocidental da Ucrânia atingindo um frenesi, o Stavka da era Putin não pôde deixar de expandir o mandato inicial do SMO, que continua sendo a desnazificação e a desmilitarização. (http://johnhelmer.org/the-stavka-memorandum-russia…/…)
No entanto, agora o mandato terá de abranger Kiev e Lviv.
Isso começa com a atual campanha de deseletrificação – que vai muito além do leste do Dnieper e ao longo da costa do Mar Negro em direção a Odessa.
Isso nos leva à questão-chave do alcance e profundidade da Guerra Elétrica, em termos de criação do que seria uma DMZ – completa terra de ninguém – a oeste do Dnieper para proteger as áreas russas da artilharia da OTAN, HIMARS e ataques de mísseis.
Quão profundo? 100km? Insuficiente. Em vez de 300 km – como Kiev já solicitou artilharia com esse tipo de alcance.
O que é crucial é que, em julho, isso já estava sendo amplamente discutido em Moscou nos níveis mais altos do Stavka. (https://russische-botschaft.ru/…/foreign-minister…/)
Em uma extensa entrevista em julho, o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, deixou o gato – diplomaticamente – sair do saco:
<<Esse processo continua, de forma consistente e persistente.
Isso continuará enquanto o Ocidente, em sua raiva impotente, desesperado para agravar a situação tanto quanto possível, continue a inundar a Ucrânia com mais e mais armas de longo alcance. Pegue o HIMARS.
O ministro da Defesa, Alexey Reznikov, gaba-se de já ter recebido munição de 300 quilômetros.
Isso significa que nossos objetivos geográficos se afastarão ainda mais da linha atual.
Não podemos permitir que a parte da Ucrânia que Vladimir Zelensky, ou quem quer que o substitua, controle e tenha armas que representem uma ameaça direta ao nosso território ou às repúblicas que declararam sua independência e querem determinar seu próprio futuro.>>
As implicações são claras.
Por mais que Washington e a OTAN estejam ainda mais “desesperados para agravar ao máximo a situação” (e isso é o Plano A; não há Plano B), geoeconomicamente os americanos estão intensificando o Novo Grande Jogo (New Great Game): o desespero aqui se aplica ao tentar controlar os corredores de energia e definir o seu preço.
A Rússia permanece imperturbável – enquanto continua a investir no Pipelinistão (em direção à Ásia); solidificar o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul multimodal (INTSC), com os principais parceiros Índia e Irã; e está definindo o preço da energia via OPEP+.
UM PARAÍSO PARA A OLIGARQUIA SAQUEADORA
Os straussianos/neo-cons e neoliberais-cons que permeiam o aparato de inteligência/segurança anglo-americano – vírus armados de fato – não cederão.
Eles simplesmente não podem se dar ao luxo de perder mais uma guerra da OTAN – e ainda por cima contra a “ameaça existencial” da Rússia.
Como as notícias dos campos de batalha da Ucrânia prometem ser ainda mais sombrias sob o general Winter (Inverno), pelo menos uom consolo pode ser encontrado na esfera cultural.
A farsa da transição verde, temperada em uma salada mista tóxica com o ethos eugenista do Vale do Silício, continua sendo acompanhamento oferecido com o prato principal: a “Grande Narrativa” de Davos, antigo Grande Reset, que mostrou sua cara feia, mais uma vez, no G20 em Bali.
Isso se traduz como “estar tudo indo bem no que diz respeito ao projeto Destruição da Europa”.
Desindustrialize-se e seja feliz; dança do arco-íris para cada música acordada pelo mercado; congele e queime madeira enquanto abençoa as energias “renováveis” no altar dos valores europeus.
Um rápido “flashback” para contextualizar onde estamos é sempre útil.
A Ucrânia fez parte da Rússia por quase quatro séculos.
A própria ideia de sua independência foi inventada na Áustria durante a Primeira Guerra Mundial com o propósito de minar o exército russo – e isso certamente aconteceu.
A atual “independência” foi estabelecida para que os oligarcas trotskistas locais pudessem saquear a nação enquanto um governo alinhado com a Rússia estava prestes a se mover contra esses oligarcas.
O golpe de Kiev de 2014 foi essencialmente armado por Zbig “Grand Chessboard” Brzezinski para atrair a Rússia para uma nova guerra partidária – como no Afeganistão – e foi seguido por ordens às fazendas de petróleo do Golfo para derrubar o preço do petróleo.
Moscou teve que proteger os russófonos na Crimeia e no Donbass – e isso levou a mais sanções ocidentais. Tudo foi uma armação.
Por 8 anos, Moscou se recusou a enviar seus exércitos nem mesmo para o Donbass, a leste do Dnieper (historicamente parte da Mãe Rússia).
O motivo: não ficar atolado em outra guerra partidária. O resto da Ucrânia, enquanto isso, estava sendo saqueado por oligarcas apoiados pelo Ocidente e mergulhado em um buraco negro financeiro.
O Ocidente coletivo escolheu deliberadamente não financiar o buraco negro.
A maioria das injeções do FMI foi simplesmente roubada pelos oligarcas e o saque foi transferido para fora do país.
Esses saqueadores oligárquicos eram obviamente “protegidos” pelos suspeitos de sempre.
É sempre crucial lembrar que, entre 1991 e 1999, o equivalente a toda a atual riqueza familiar da Rússia foi roubado e transferido para o exterior, principalmente para Londres.
Agora, os mesmos suspeitos de sempre estão tentando arruinar a Rússia com sanções, já que o “novo Hitler” Putin interrompeu os saques.
A diferença é que o plano de usar a Ucrânia apenas como um peão em seu jogo não está funcionando.
No terreno, o que tem acontecido até agora são principalmente escaramuças e algumas batalhas reais. Mas com Moscou reunindo novas tropas para uma ofensiva de inverno, o exército ucraniano pode acabar completamente derrotado.
A Rússia não parecia tão ruim – considerando a eficácia de seus ataques de artilharia contra posições fortificadas ucranianas e recentes retiradas planejadas ou guerra posicional, mantendo poucas baixas enquanto esmagava o poder de fogo ucraniano.
O Ocidente coletivo aacredita que detém o cartão de guerra por procuração da Ucrânia.
A Rússia aposta na realidade, onde os cartões econômicos são alimentos, energia, recursos, segurança de recursos e uma economia estável.
Enquanto isso, como se a UE do suicídio energético não tivesse que enfrentar uma pirâmide de provações, eles certamente podem esperar que batam à sua porta pelo menos 15 milhões de ucranianos desesperados fugindo de aldeias e cidades sem energia elétrica.
A estação ferroviária em – temporariamente ocupada – Kherson é um exemplo gráfico: as pessoas aparecem constantemente para se aquecer e carregar seus “smartphones”.
A cidade de Kherson não tem energia eletrica, nem calor e nem água.
As atuais táticas russas são o oposto absoluto da teoria militar da força concentrada desenvolvida por Napoleão.
É por isso que a Rússia está acumulando sérias vantagens ao “perturbar a poeira em uma tigela de folhas de rosa”.
E, claro, “ainda nem começamos”.
FONTE
https://strategic–culture-org.translate.goog/news/2022/11/23/electric-war/?_x_tr_sl=en&_x_tr_tl=pt&_x_tr_hl=pt-BR&_x_tr_pto=sc