Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Guia de sobrevivência digital para jornalistas com dicas práticas

O noticiário antes se limitava ao papel, e depois ao rádio e à TV. Hoje, ele está online, onde jornalistas e redações não só publicam matérias como também fazem apurações e se comunicam.

Com essa mudança, vem uma nova realidade: ataques direcionados, vigilância e ameaças online que se espalham no mundo real. Jornalistas no Sul da Ásia, principalmente aqueles que cobrem os direitos de minorias religiosas e perseguição comunitária ou de castas, estão hoje na linha de frente de um campo de batalha digital.

Este guia não trata somente da proteção dos seus dados, mas sim de como construir uma armadura digital – um escudo para proteger você, suas fontes e seu trabalho. Pense nele como seu guia essencial para lidar com o cenário online em constante mudança.

Para começar, algumas tendências para estar ciente:

  • Ataques direcionados: Atores maliciosos – de governos hostis a grupos criminosos – usam táticas sofisticadas para danificar nossos aparelhos eletrônicos, roubar dados e silenciar nossas vozes. Imagine um email personalizado de phising que explora a sua mais recente investigação ou um malware implantado no seu telefone para rastrear os seus movimentos.
  • Grandes estragos: vazamentos de dados e acessos não autorizados são muito comuns. Veículos e jornalistas são os principais alvos de hackers que estão atrás de informações sensíveis – contatos de fontes confidenciais, trabalhos inéditos ou mensagens internas. Imagine as consequências do vazamento online de todos os detalhes da sua investigação.
  • Vigilância sob o microscópio: nossa atividade online pode ser monitorada, o que nos deixa vulneráveis a todos os tipos de perigo. A ameaça iminente dos nossos dados sensíveis pararem nas mãos erradas pode muitas vezes levar a um efeito inibidor da nossa liberdade de cobrir determinados temas. Regimes autoritários e outros atores maliciosos usam ferramentas sofisticadas de vigilância para rastrear nossa comunicação, nossos movimentos e conexões. Imagine suas ligações com um informante sendo interceptadas ou o seu histórico de pesquisa online usado para identificar e assediar suas fontes.

Mas o problema não é só o roubo de dados:

  • Riscos digitais se transformam em dano físico: ameaças online podem ter consequências no mundo real. O vazamento de informações pessoais, assédio online e até mesmo ataques físicos se tornaram perturbadoramente comuns para jornalistas, principalmente para aqueles que cobrem assuntos sensíveis. Há exemplos demais da divulgação online do endereço residencial de jornalistas ou do envio de mensagens com ameaças que escalam para a violência.

Os riscos são muito altos. Nossa segurança digital não é mais uma preocupação técnica, é fundamental para a nossa proteção e integridade jornalística. Ao entender as mudanças constantes desse campo de batalha online, podemos transitar por ele com cautela e embasamento, protegendo nós mesmos e nosso trabalho vital.

Não se trata somente de medo; é sobre resiliência. Tornando-nos digitalmente protegidos, nós nos empoderamos para continuar investigando, lançando luz e responsabilizando os poderosos, mesmo diante de ameaças crescentes.

Taxonomia da privacidade: o que você precisa saber

  • Privacidade de dados: proteção das suas informações pessoais da coleta, uso ou divulgação sem autorização.
  • Privacidade de comunicação: canais de comunicação seguros para intercâmbios confidenciais com suas fontes e colegas.
  • Segurança de dispositivos: proteção de laptops, telefones e outras ferramentas usadas para pesquisa, comunicação e armazenamento de dados.

Falácias comuns: desmascarando mitos digitais

  • Mito: “Eu não tenho nada a esconder, por que me preocupar?” Realidade: Mesmo informações básicas podem ser usadas para ataques direcionados.
  • Mito: “Um software de segurança é o bastante.” Realidade: A proteção em camadas é fundamental para tratar da vulnerabilidade física, digital e social.
  • Mito: “Ferramentas gratuitas são boas o bastante.” Realidade: Você precisa investir em soluções robustas de segurança com eficácia comprovada.

Ferramentas e técnicas

  • Senhas: use senhas fortes e únicas e autenticação em múltiplos fatores em todos os lugares.
  • Criptografia: faça a criptografia de dados sensíveis em dispositivos, armazenamento em nuvem e canais de comunicação.
  • Comunicação segura: use aplicativos de mensagens com criptografia como Signal ou Wickr Me para conversas sensíveis.
  • Higiene de dispositivos: atualize softwares regularmente, evite links e downloads suspeitos e use uma VPN. Certifique-se de que o protocolo https:// esteja ativado em todos os sites ao usar uma conexão Wi-Fi pública.
  • Segurança física: proteja dispositivos físicos, use senhas fortes no trabalho e tenha atenção ao seu redor.

Medidas práticas: comece hoje!

  • Senhas poderosas: mude todas as senhas para uma combinação forte e única. Ative a autenticação em múltiplos fatores em contas de suma importância.
  • Criptografe tudo: comece fazendo a criptografia de arquivos sensíveis nos seus dispositivos e armazenamento em nuvem.
  • Mensagens seguras: escolha um aplicativo de mensagens com criptografia e ensine suas fontes a usá-los.
  • Softwares gratuitos e de código aberto: eles oferecem mais transparência, controle e liberdade para modificar e distribuir softwares de acordo com suas necessidades, diferentemente de softwares proprietários.
  • Uso inteligente de software: atualize todos os softwares regularmente e evite comportamentos de risco online.
  • Backups regulares: agende backups automáticos de dados essenciais para proteger-se contra perdas ou roubos.

Lembre sempre: a segurança digital é um processo contínuo, não é algo que se resolve de uma vez só. Permaneça informado, adapte suas técnicas e priorize sua segurança digital.

Recursos adicionais:

por GYAN PRAKASH TRIPATHI

FONTE:

https://ijnet.org/pt-br/story/guia-de-sobreviv%C3%AAncia-digital-para-jornalistas-com-dicas-pr%C3%A1ticas