Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Guiana e Venezuela concordam em não usar força ou elevar tensões em disputa por Essequibo

Os dois países disseram em uma declaração conjunta que “não ameaçarão ou usarão a força um contra o outro em nenhuma circunstância”.

A Guiana e a Venezuela concordaram na quinta-feira em evitar o uso da força e não aumentar as tensões em sua disputa pela área de Essequibo, rica em petróleo, após uma reunião entre seus chefes de Estado em São Vicente e Granadinas.

A região de 160.000 km² é reconhecida de modo geral como parte da Guiana, mas, nos últimos anos, a Venezuela reativou sua reivindicação ao território e às áreas offshore após grandes descobertas de petróleo e gás.

Os dois países disseram em uma declaração conjunta que “não ameaçarão ou usarão a força um contra o outro em nenhuma circunstância” e “se absterão, seja por palavras ou ações, de escalar qualquer conflito ou discordância”.

As tensões aumentaram muito este mês depois que eleitores, em um plebiscito venezuelano, apoiaram uma iniciativa para tornar a área de Essequibo um novo Estado venezuelano e rejeitaram a jurisdição da Corte Internacional de Justiça (CIJ), que está julgando o caso sobre a disputa de fronteira.

Os ânimos ficaram ainda mais inflamados depois que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse na semana passada que autorizaria a exploração de petróleo na região de Essequibo.

O presidente da Guiana, Irfaan Ali, e Maduro se reuniram no aeroporto de Kingstown na quinta-feira, juntamente com representantes da união política e econômica do Caribe Caricom, Brasil, Colômbia, Nações Unidas e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos.

“Foi um dia frutífero, intenso, em momentos tensos, em que pudemos falar a verdade”, disse Maduro depois de chegar de volta à Venezuela no final da quinta-feira, agradecendo também a Ali por sua “franqueza e disposição para manter um amplo diálogo”.

“Valeu a pena defender a verdade da Venezuela”, acrescentou Maduro, saudando a reunião como um triunfo da diplomacia.

A declaração conjunta informou que as disputas serão resolvidas de acordo com o direito internacional, embora tenha observado que o governo de Maduro não reconhece a CIJ.

Os dois países continuarão seu diálogo no Brasil nos próximos três meses, acrescentou a declaração.

A Guiana afirmou que suas fronteiras não estão em discussão e questionou a participação no plebiscito. Analistas políticos em Caracas disseram que a votação foi uma tentativa de Maduro de medir o apoio ao seu governo antes da eleição presidencial de 2024, e não um prelúdio para invasão.

Após o plano de Maduro de autorizar a exploração de petróleo, Ali procurou tranquilizar os investidores em projetos aprovados pelo governo da Guiana, que incluem a Exxon Mobil e em breve incluirão a Chevron.

A Guiana tem o direito de “aprovar e facilitar qualquer desenvolvimento, qualquer investimento, qualquer parceria, qualquer negociação… emitir qualquer licença e conceder qualquer concessão em nosso espaço territorial e em nosso espaço soberano”, disse Ali aos jornalistas no início do dia.

FONTE:

https://www.brasil247.com/americalatina/guiana-e-venezuela-concordam-em-nao-usar-forca-ou-elevar-tensoes-em-disputa-por-essequibo