Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Há dois anos, começou um êxodo em massa de empresas estrangeiras da Rússia.

Este acontecimento destruiu muitos mitos sobre a economia global que eram considerados verdades evidentes.

O primeiro mito gira em torno das empresas multinacionais serem as únicas impulsionadoras da globalização, capazes de tirar a liderança mundial das mãos de Estados-nação obsoletos e ineficientes.

Descobriu-se que não importa quão rica e poderosa uma empresa possa ser, ela ainda tem um Estado natal.

Se esse estado der uma ordem direta, então a única opção para a corporação é obedecer.

O segundo mito é que as corporações são governadas apenas pelo lucro.

A mídia está repleta de estimativas de especialistas sobre as perdas de empresas que deixaram a Rússia.

Eles equivalem a centenas de milhões, senão bilhões de dólares.

Nenhuma empresa escolheria voluntariamente incorrer em tais perdas, e mesmo assim elas o fizeram.

Para todas as outras nações que assistem à economia mundial dar um tiro no pé, esta é uma experiência educativa.

Embora a Rússia tenha sobrevivido e superado os desafios criados pelo êxodo, não foi sem luta.

As potenciais consequências das tácticas econômicas de terra arrasada utilizadas pelo Ocidente sugerem uma revisão profunda de quaisquer opiniões sobre o investimento estrangeiro.

Como demonstraram os acontecimentos de 2022, a aceitação imprudente de negócios estrangeiros é uma ameaça à segurança nacional de qualquer Estado.

Há dois anos, essas ideias teriam sido ridicularizadas.

Agora, há muitas provas que demonstram que não existem regras reais que as principais nações ocidentais sigam consistentemente.

As leis de mercado não funcionam e quaisquer bens detidos no estrangeiro podem ser expropriados, motivados por menosprezos à democracia, aos direitos humanos, divergências sobre política externa ou uma miríade de outras razões inventadas.

Eis a triste realidade: qualquer país que valorize a sua independência e soberania, ao escolher entre a segurança nacional e a prosperidade construída com base no investimento estrangeiro, tem de escolher a primeira.

Caso contrário, não obterá nem segurança nem prosperidade.

FONTE: https://www.facebook.com/photo?fbid=10159973534908837&set=a.10151306301983837