Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ.Há 9 anos lutando pelos jornalistasUnidos somos mais fortesÚnica entidade nacional de jornalistas que aceita associados com ou sem diploma.
Jornalistas transferem muito poder para o Twitter?

Jornalistas transferem muito poder para o Twitter?

Tweets são usados como fontes.

Prática prejudica checagem.

Leia artigo do Nieman Lab.

O ano de 2021 trouxe novas dimensões para a discussão atual sobre o poder que as plataformas de mídia têm na receptação e formação da opinião pública. Quando algumas pessoas culparam as empresas de comunicação pela desinformação que se espalhou mais rapidamente até mesmo que a covid-19, outros apontaram os políticos como a fonte das mentiras. Mas quando o Twitter e o Facebook tomaram (tardias, mas bem-vindas) ações para acabar com essas mentiras até mesmo o CEO do Twitter, Jack Dorsey, questionou se as plataformas têm muito poder. Os donos dessas plataformas compareceram ao Congresso norte-americano no fim de março, em parte para responder a essa mesma pergunta.

*Por Logan Molyneux e Shannon McGregor

O Twitter se tornou especialmente central para as notícias. Tem-se falado muito sobre a “plataformização”, as organizações de mídia enfraquecidas e a falta de regulação, e todos esses fatores desempenham um papel de destaque no ecossistema de notícias do Twitter. Mas o nosso último estudo mostra que os próprios jornalistas transferiram parte de sua relevância sobre a apresentação dos acontecimentos atuais para o Twitter, normalizando a forma como os tweets são apresentados nas notícias. Os jornalistas tendem a apresentar tweets como conteúdo –blocos de notícias intercambiáveis– em vez de fontes semelhantes, cujas ideias e mensagens devem ser sujeitas ao escrutínio e à checagem. Isso envia repetidas mensagens ao público de que as informações no Twitter são legítimas e oficiais, concedendo poder ao Twitter.

Para entender como isso acontece, temos que entender de onde vem a autoridade jornalística em 1º lugar.

Não há nenhuma credencial ou certificação exigida para jornalistas, e o público não é obrigado a conceder a eles essa autoridade sobre a cobertura dos acontecimentos atuais. Como resultado, os jornalistas devem reivindicar a própria autoridade sobre os acontecimentos atuais, demonstrando-a consistentemente em suas reportagens. Isso pode ser feito de várias maneiras, mas, em resumo, depende de jornalistas demonstrando evidências de seu processo, particularmente na explicação de onde a informação veio. O público concede aos jornalistas a autoridade sobre as notícias na medida em que eles podem ver os jornalistas examinando as fontes, questionando-as, verificando as informações e, finalmente, comunicando-as. No processo, os jornalistas mostram quem tem o poder para falar e se posicionar perto dessas fontes (tanto retórica quanto literalmente, em muitos casos).

A confiança no Twitter encurtou esse processo. Agora, o que vemos é um loop de feedback: à medida em que o Twitter se insere na rotina jornalística, os jornalistas recorrem a ele durante eventos noticiosos. Isso leva os jornalistas a usarem tweets nas suas reportagens, concedendo aos tweets o poder de serem marcadores de autoridade. Isso aumenta a probabilidade de que as elites usem o Twitter para futuros releases informativos, a probabilidade de que os jornalistas voltem a noticiá-los, e a probabilidade de que o público se acostume a ver os tweets como peças-chave das notícias.

TRATANDO TWEETS COMO CONTEÚDO

Analisamos centenas de notícias contendo tweets publicados durante 2018. Reunimos os textos usando a Media Cloud, na qual procuramos por notícias que continham tweets. Usamos uma série de mecanismos de busca (por exemplo, “tweetei“, “disse em um tweet”) para encontrar histórias que simplesmente parafraseavam tweets, resultando em mais de 23.000 artigos. Selecionamos aleatoriamente 365 deles para ler com atenção.

Em vez de marcar características específicas de cada tweet ou notícia, procuramos cuidadosamente os sinais de autoridade que o texto dá ao público. Por exemplo, nós perguntamos: o tweet é deixado para falar por si mesmo, ou é dado contexto e qualificação? A história se refere ao tweet, ou ao seu autor como fonte? Esse tweet é a única forma de ouvirmos essa pessoa? E, talvez o mais importante: essa história só existe porque alguém tweetou? Esta última pergunta detecta casos em que um tweet é o impulso para uma notícia, e especialmente onde os tweets são a fonte principal da história.

O que descobrimos foi que, na maioria das vezes, os jornalistas deixam os tweets falarem por si mesmos, sob sua própria autoridade. Normalmente, o tweet é a única forma que a pessoa fala na história, e não há nenhuma explicação adicional, qualificação ou contexto dado. O Twitter é frequentemente o centro da história, ou a história é sobre o tweet, especialmente nas reportagens políticas. Pronunciamentos no Twitter são rotineiramente transformados em valor-notícia e reproduzidos em reportagens como representações confiáveis da realidade. O efeito final dessas práticas resulta em posicionar o Twitter mais próximo do poder, sinalizando assim, para o público, que a plataforma tem autoridade sobre as notícias.

O ex-presidente dos EUA Donald Trump exerceu uma enorme influência nesse cenário, obviamente, com cerca de metade das reportagens que analisamos referenciando pelo menos um de seus tweets. Mas mesmo que seu comportamento no Twitter fosse uma exceção, os jornalistas seguiram apenas um conjunto de regras, dando a todos os tweets –de Trump ou não– efetivamente o mesmo tratamento. Como é evidente em outras áreas da vida pública, as ações de uma figura poderosa deram, em parte, o tom para o que passou a ser considerado uma prática aceitável.

Observamos também como a informação dos tweets era exibida, observando que os jornalistas citavam, parafraseavam e incorporavam tweets –e às vezes faziam tudo isso dentro de uma mesma história. Vale registrar que os tweets incorporados não estarão disponíveis permanentemente se forem excluídos ou se o Twitter mudar seu código no futuro.

GARANTINDO A AUTORIDADE DO TWITTER

As normas jornalísticas recomendam que as fontes sejam questionadas. Esse tratamento das fontes é ditado pelos valores jornalísticos de checagem e independência, que são essenciais para a missão democrática da imprensa. O conteúdo, por outro lado, é simplesmente reproduzido, o que permite aos jornalistas passarem a responsabilidade pela checagem do conteúdo para a publicadora original. O tratamento do conteúdo reproduz informações em tweets sem questionar sua procedência ou fornecer qualquer outra evidência de sua legitimidade. Os jornalistas tratam os tweets como conteúdo.

Neste ponto, ecoa uma crítica de longa data ao jornalismo, mas especialmente ao jornalismo político. Ao citar uma fonte original, os jornalistas podem manter sua reivindicação de objetividade, citando com precisão essa fonte, com ou sem verificação do conteúdo da mensagem. A socióloga Gaye Tuchman chamou isso de um ritual estratégico de objetividade; outros o chamaram de jornalismo “ele disse, ela disse”; e essa crítica tem novamente sido posta em 1º plano ultimamente, enquanto observadores do jornalismo questionam se tudo o que sai da boca de um político deve ser considerado notícia.

Enquanto nosso trabalho atualiza essa questão, a principal descoberta aqui é que o Twitter tem um papel central na intermediação da troca de informações sobre notícias. Com base em nosso entendimento da autoridade jornalística, quanto mais o público vê o Twitter nesse papel, mais o associa à autoridade informativa.

Essa mudança de autoridade dos jornalistas para o Twitter tem profundas implicações para o jornalismo e seu papel na sociedade. As plataformas já acumularam o controle da distribuição, monetização e medição de audiência de tal forma que a independência e precisão jornalística são comprometidas em virtude da confiança do jornalismo nessa estrutura. Se, além disso, o Twitter manifestar uma tendência jornalística de transmitir declarações não checadas, há claros inconvenientes para o sistema da informação.

Além disso, o Twitter exercer uma influência exagerada sobre as decisões de fontes e de conteúdo. Isso agrava outra crítica de longa data ao jornalismo: que ele se concentra muito em certas vozes. Tradicionalmente, o jornalismo tem se baseado em fontes oficiais, levando à super-representação de homens brancos poderosos, produzindo assim uma visão distorcida do mundo. Apesar de seu potencial para fazer isso, o uso do Twitter não melhora essas práticas tradicionais de buscar fontes (e, de certa forma, piora as coisas).

Existem agora mais oportunidades de usar as mídias sociais para encontrar e ampliar vozes marginalizadas, o que levou a várias histórias de sucesso, incluindo chamar a atenção da sociedade para o movimento “Black Lives Matter“. Mas mesmo assim, essas vozes são escolhidas em um seleto elenco de personagens no Twitter: aqueles que estão presentes na plataforma e que sabem como alavancar seus recursos para atrair atenção. Este grupo é comprovadamente diferente da sociedade como um todo. Ao influenciar quem pode falar e se seu discurso é questionado antes da repercussão, essa mudança na prática jornalística altera dramaticamente o discurso público de uma forma que beneficia o Twitter, não o jornalismo, não o público –e não a democracia.

*Logan Molyneux é professor assistente de jornalismo no Klein College of Media and Communication da Temple University. Shannon McGregor é professora assistente na Hussman School of Journalism and Media e pesquisadora sênior do Centro de Informação, Tecnologia e Vida Pública da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill.

__

O texto foi traduzido por Luiz Monteiro. Leia o texto original em inglês.

__

FONTE:

Jornalistas transferem muito poder para o Twitter?