Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Julian Assange enfrenta dia decisivo sobre extradição para os Estados Unidos

As autoridades americanas querem julgar Assange, nascido na Austrália, por 18 acusações, quase todas sob a Lei de Espionagem.

Nesta segunda-feira, um tribunal britânico pode tomar uma decisão final sobre a extradição de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, para os Estados Unidos, encerrando 13 anos de batalhas legais e detenções. Dois juízes do Tribunal Superior de Londres decidirão se estão satisfeitos com as garantias dos EUA de que Assange, de 52 anos, não enfrentará a pena de morte e poderá contar com o direito à liberdade de expressão garantido pela Primeira Emenda em um julgamento nos EUA por espionagem.

A equipe jurídica de Assange afirma que ele pode ser extraditado em até 24 horas após a decisão, pode ser libertado da prisão ou o caso pode, novamente, se arrastar por meses de batalhas legais. “Tenho a sensação de que qualquer coisa pode acontecer neste estágio,” disse sua esposa, Stella, na semana passada. “Julian pode ser extraditado, ou pode ser libertado.” Ela disse que seu marido espera estar no tribunal para a audiência crucial.

O WikiLeaks divulgou centenas de milhares de documentos militares secretos dos EUA sobre as guerras de Washington no Afeganistão e no Iraque – as maiores violações de segurança desse tipo na história militar dos EUA – além de numerosos telegramas diplomáticos. Em abril de 2010, publicou um vídeo classificado mostrando um ataque de helicóptero dos EUA em 2007 que matou uma dúzia de pessoas na capital iraquiana, Bagdá, incluindo dois jornalistas da Reuters.

As autoridades americanas querem julgar Assange, nascido na Austrália, por 18 acusações, quase todas sob a Lei de Espionagem, alegando que suas ações com o WikiLeaks foram imprudentes, prejudicaram a segurança nacional e colocaram em risco a vida de agentes. Seus muitos apoiadores ao redor do mundo chamam a acusação de um ultraje, um ataque ao jornalismo e à liberdade de expressão, e uma vingança por causar constrangimento. Pedidos para que o caso seja arquivado vêm de grupos de direitos humanos e alguns órgãos de mídia, além do primeiro-ministro australiano Anthony Albanese e outros líderes políticos.

DETIDO DESDE 2010

Assange foi preso pela primeira vez na Grã-Bretanha em 2010 com base em um mandado sueco por acusações de crimes sexuais que mais tarde foram retiradas. Desde então, esteve sob prisão domiciliar, refugiado na embaixada do Equador em Londres por sete anos e, desde 2019, detido na prisão de segurança máxima de Belmarsh, aguardando a decisão sobre sua extradição. “Todos os dias desde sete de dezembro de 2010 ele esteve em uma forma de detenção ou outra,” disse Stella Assange, que originalmente fazia parte de sua equipe jurídica e se casou com ele em Belmarsh em 2022.

Se o Tribunal Superior decidir que a extradição pode prosseguir, as vias legais de Assange na Grã-Bretanha estarão esgotadas, e seus advogados recorrerão imediatamente ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos para buscar uma liminar de emergência bloqueando a deportação enquanto aguardam uma audiência completa sobre o caso. Por outro lado, se os juízes rejeitarem as submissões dos EUA, ele terá permissão para apelar de sua extradição em três fundamentos, e isso pode não ser ouvido até o próximo ano.

Também é possível que os juízes decidam que a audiência de segunda-feira deve considerar não apenas se ele pode apelar, mas também o mérito dessa apelação. Se decidirem a seu favor nessas circunstâncias, ele poderá ser libertado. Stella Assange disse que, qualquer que seja o resultado, continuará lutando pela liberdade de seu marido. Se ele for libertado, ela planeja segui-lo para a Austrália ou para onde ele estiver seguro. Se ele for extraditado, ela afirmou que todas as evidências psiquiátricas apresentadas no tribunal concluíram que ele corre um risco muito sério de suicídio.

“Vivemos de dia a dia, de semana a semana, de decisão a decisão. Essa é a maneira como temos vivido há anos,” disse ela à Reuters. “Isso simplesmente não é uma maneira de viver – é tão cruel. E eu não posso me preparar para sua extradição – como poderia? Mas se ele for extraditado, farei o que puder, e nossa família lutará por ele até que ele esteja livre.”

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/julian-assange-enfrenta-dia-decisivo-sobre-extradicao-para-os-estados-unidos