Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 13 anos lutando pelos jornalistas (3)
LULA ACABA DE SE TORNAR O 1° LIDER DO BRICS A CONDENAR DE PÚBLICO A OPERAÇÃO ESPECIAL DA RÚSSIA

LULA ACABA DE SE TORNAR O 1° LIDER DO BRICS A CONDENAR DE PÚBLICO A OPERAÇÃO ESPECIAL DA RÚSSIA

Em declarações que fez em Buenos Aires na segunda-feira (23.1.2023), um dos fundadores literais do BRICS declarou de forma chocante que:
<<(…) da mesma forma que sou contra a ocupação territorial, como a Rússia fez com a Ucrânia, sou contra a interferência excessiva no processo venezuelano>>.
Muito claramente, Lula sugeriu que os esforços militares da Rússia para restaurar a integridade de suas linhas vermelhas de segurança nacional na Ucrânia, depois que a OTAN as cruzou, são moralmente equivalentes à agressão não provocada da Guerra Híbrida dos EUA contra a Venezuela.
Por André Korybko em 24.1.2023
O recém-reeleito 3 vezes líder brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, popularmente conhecido como Lula, acabou de abalar as expectativas de política externa de sua base multipolar ao se tornar o primeiro líder do BRICS a condenar publicamente a operação especial da Rússia.
Ao contrário de seu antecessor Jair Bolsonaro, que se recusou a fazê-lo e, portanto, recebeu muitas críticas da Western Mainstream Media (MSM) liderada pelos EUA por seu pragmatismo, Lula passou dos limites e até comparou o envolvimento da Rússia na Ucrânia ao dos EUA na Venezuela.
É claro que Lula tem direito à sua opinião e tem o direito legal como chefe do estado brasileiro de expressar publicamente suas opiniões sobre o que é, indiscutivelmente neste momento, uma guerra por procuração entre o Golden Billion do Ocidente liderado pelos EUA contra os BRICS e SCO em conjunto liderado pelo Sul Global, do qual a Rússia faz parte.
Dito isso, os observadores também têm o direito de criticar seu ataque inesperadamente contundente contra a Operação Especial de Moscou, especialmente porque trai as expectativas de sua base multipolar em casa e no exterior.
O Brasil deveria buscar um equilíbrio pragmático entre os dois blocos de fato da Nova Guerra Fria, seguindo o caminho trilhado pela Índia, também membro do BRICS, no ano passado, em vez de seu líder se inserir no debate como Lula acabou de fazer para fazer uma declaração hiperpartidária que vai obviamente ofender seu homólogo russo.
Há poucas dúvidas de que Lula está internamente alinhado com a ideologia liberal-globalista dos democratas que governam os EUA, mas ele ainda afirma, pelo menos publicamente, compartilhar a ideologia internacional multipolar da Rússia também.
Ele poderia ter expressado uma abordagem muito mais equilibrada em relação a esse conflito se fizesse exatamente como seus colegas dos BRICS, China, Índia e África do Sul, fizeram no ano passado.
Ao invés, o mesmo homem que é famoso por seu uso magistral das palavras escolheu comparar a operação especial da Rússia na Ucrânia com a Guerra Híbrida dos EUA na Venezuela, o que nos faz pensar se isso foi um raro passo em falso daquele famoso orador público ou uma deliberadamente hostil declaração.
Quaisquer que tenham sido suas verdadeiras intenções, não há como negar que seu comentário envia sinais confusos, especialmente porque veio no mesmo dia em que ele declarou o interesse do Brasil em criar uma moeda comum para os BRICS.
Ele logo estará indo para os EUA no início do próximo mês, embora para esfregar os ombros com o “inimigo” de seu país, com quem mantém uma relação de complexa interdependência econômica e militar e que foi responsável por sua prisão alguns anos atrás.
É realmente possível que o Brasil possa se equilibrar pragmaticamente entre o Bilhão de Ouro do Ocidente liderado pelos EUA e o Sul Global liderado conjuntamente pelos BRICS e SCO, do qual faz parte, assim como a Índia o fez com sucesso, mas para que isso aconteça, a retórica de Lula deve replicar o primeiro-ministro Narendra Modi, onde ele se recusa a condenar publicamente a operação especial da Rússia, muito menos compará-la ao imperialismo nu dos EUA.
Esperançosamente, acredito que essa foi apenas uma gafe rara de Lula e não um sinal do que está por vir com sua política externa.
FONTE
https://korybko.substack.com/p/lula-just-became-the-first-brics