Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Lula convoca reunião de emergência com Mauro Vieira e Celso Amorim para discutir tensão entre Venezuela e Guiana

Presidente Lula discutirá com o chanceler e seu assessor especial a posição do governo brasileiro diante da disputa entre os dois países pela região de Essequibo.

O Palácio do Planalto avalia que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, está disposto a ir além da retórica na disputa pela região de Essequibo, na Guiana, o que levou o presidente Lula (PT) a convocar uma reunião de emergência com o chanceler Mauro Vieira e o embaixador Celso Amorim, assessor especial do presidente, informa Julia Duailibi, no g1.

A avaliação é de que embora o governo brasileiro mantenha a perspectiva de que um conflito iminente seja improvável, a postura do presidente venezuelano demanda ação por parte do Planalto.

A reunião com Vieira e Amorim ocorrerá na noite desta quarta-feira (6), no Rio de Janeiro. O presidente quer definir qual será a posição de seu governo diante da escalada da crise.

Na terça-feira (5), Maduro divulgou um novo mapa da Venezuela, incorporando a região de Essequibo, atualmente localizada na Guiana. Além disso, por meio das redes sociais, anunciou um decreto criando a “zona de defesa integral Guayana Essequiba” e apresentou um projeto de lei para a criação da província à assembleia de deputados. Embora a possibilidade de um conflito não pareça iminente, a simples intensificação da tensão preocupa o governo brasileiro, pois aumenta a chance de os Estados Unidos instalarem uma base militar na Guiana. Para o Brasil, isso representaria um fator de desestabilização na região, podendo minar sua liderança na América do Sul.

Auxiliares do Planalto afirmam que Lula tomará todas as medidas possíveis para evitar um conflito e planeja realizar chamadas telefônicas nos próximos dias para Maduro e o presidente da Guiana, Irfaan Ali.

FONTE:

https://www.brasil247.com/americalatina/lula-convoca-reuniao-de-emergencia-com-mauro-vieira-e-celso-amorim-para-discutir-tensao-entre-venezuela-e-guiana