Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 13 anos lutando pelos jornalistas (3)
Lula promove triagem para tirar bolsonaristas do governo

Lula promove triagem para tirar bolsonaristas do governo

Com foco especial em militares, o governo Lula (PT) tem usado de várias estratégias para mapear os funcionários comissionados por Jair Bolsonaro (PL) e dispensar os que são os “bolsonaristas raiz”. Segundo pessoas ligadas ao governo, não há um modus operandi específico para a “desbolsonarização”, mas dois pontos são levados em conta.

Declarações feitas publicamente; Posicionamentos em relação aos atos golpistas de 8 de janeiro. Oficialmente, porém, os petistas negam que haja perseguição e justificam ser natural a mudança de comissionados entre um governo e outro. A necessidade de uma “triagem” tem sido tratada abertamente por Lula. O presidente tem dito que não quer criar “um palácio de petistas”, mas já deixou claro a ministros e secretários que “não pode ficar ninguém [comissionado] que seja suspeito de ser bolsonarista” no Planalto ou na Esplanada. Nós estamos no momento de fazer uma triagem profunda. Porque a verdade é que o Palácio estava repleto de bolsonaristas, de militares e estamos vendo se a gente consegue corrigir para colocar funcionários de carreira –de preferência funcionários civis que estavam aqui e foram afastados, transferidos de departamento — para que isso se transforme num gabinete civil”Lula, em café com jornalistas, na semana passada A estratégia fica clara a cada nova publicação do DOU (Diário Oficial da União). Na terça (17), o governo dispensou 40 militares que cuidavam do Palácio da Alvorada. Na quarta (18), mais 13 militares do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) que compunham a guarda do Planalto. De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, as trocas deverão ser ainda mais intensificadas a partir desta segunda (23), quando os novos ministérios criados e desmembrados entram no sistema online da Presidência. “Ainda tem muita gente para sair e muita gente para entrar”, afirmou. O governo que saiu tem pouca ou nenhuma sintonia com o governo que entrou. É um pensamento em todas as áreas muito diferente, portanto nós não poderíamos conviver com os mesmosassessores. Não tem nenhuma novidade com isso. Ou alguém achava que íamos entrar no governo e manter os assessores?”Rui Costa, ministro-chefe da Casa Civil Este movimento também influenciou diretamente na demissão do general Júlio César de Arruda do comando do Exército ontem (21). Segundo o UOL apurou, o principal motivo da destituição seria falta de confiança por parte de Lula com o comandante, mas a gota d’água teria sido a designação do tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, um dos braços direitos do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), para o 1º Batalhão de Ações de Comandos, em Goiânia. Arruda teria recebido —e recusado— pedido de Lula para que a nomeação fosse retirada. Lula não tem escondido o descontentamento com o GSI, responsável pelo CMP (Comando Militar do Planalto), e com seu comandante, o general Gonçalves Dias. Os dois são próximos desde 2003, quando o general assumiu o posto na primeira gestão petista. Segundo a imprensa revelou, ao menos 36 homens do Batalhão da Guarda Presidencial foram dispensados, por escrito, 20 horas antes de bolsonaristas invadirem e depredarem o Palácio do Planalto. G. Dias, como é conhecido, não foi nem chamado para a última reunião de Lula com os comandantes das Forças Armadas, na sexta. O GSI não comenta o assunto. O UOL procurou a assessoria do Planalto, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. O texto será atualizado, caso haja retorno. O governo não deixa claro de que forma essa triagem é feita. Pessoas próximas relatam que formas mais explícitas de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) são levadas em consideração. Para isso, são consideradas declarações públicas —seja nos gabinetes ou em redes sociais— de apoio à tentativa de golpe, de questionamento de segurança das urnas eletrônicas ou de pedido de fechamento do STF (Supremo Tribunal Federal), por exemplo. Independente se a pessoa é civil ou militar, está se fazendo troca de pessoas porque cargo comissionado é cargo de extrema confiança do seu chefe imediato. E mesmo nas áreas militares nós trocamos comandantes. Então, é natural que haja um rodízio”Rui Costa, ministro-chefe da Casa Civil
FONTE
https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2023/01/22/desbolsonarizacao-lula-bolsonaristas-governo.htm