Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Ministros do STF veem fraude no cartão de vacinação como etapa da rota de fuga de Bolsonaro após golpe fracassado

À época da falsificação, destacam os magistrados, já estava claro que o golpe não prosperaria, então Bolsonaro ‘resolveu ir embora’.

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), avaliam que existe uma ligação entre a cronologia da fraude do cartão de vacina da Covid-19 em favor de Jair Bolsonaro (PL) com a suposta tentativa de um golpe de Estado visando mantê-lo no poder. Segundo a coluna da jornalista Andréia Sadi, do G1, a Polícia Federal apurou que o documento falso da vacinação de Bolsonaro foi inserido nos registros oficiais do governo em 21 de dezembro de 2022, cerca de uma semana antes de o então mandatário viajar para os Estados Unidos.

“De acordo com ministros do STF, à época da inclusão falsa, já estava claro que as Forças Armadas – possivelmente diante da falta de apoio externo – não autorizariam um golpe de Estado. A mensagem em que o general Braga Netto, que havia sido candidato a vice de Bolsonaro, chama o comandante do Exército, Freire Gomes, de ‘cagão’ por não ter aderido ao golpe foi enviada em 14 de dezembro”, destaca a reportagem.

Bolsonaro deixou o Brasil no dia 30 de dezembro, véspera do término do seu mandato à frente do Executivo Federal. Ministros do STF sugerem que ele decidiu falsificar o certificado devido ao receio de ser barrado por não ter se vacinado. Na época, os EUA exigiam o cartão de vacinação contra Covid para entrar no país.

Ainda conforme a reportagem, a Polícia Federal aponta que alguns investigados pela intentona golpista “se evadiram do país, retirando praticamente todos seus recursos aplicados em instituições financeiras, transferindo-os para os EUA, para se resguardarem de eventual persecução penal”. No caso de Bolsonaro, existe o registro de uma operação de câmbio no valor de R$ 800 mil, realizada em 27 de dezembro, direcionando fundos para uma instituição bancária norte-americana, onde o ex-mandatário mantém uma conta.

Além disso, investigações também apontam para uma tentativa, ocorrida também em dezembro de 2022, de resgatar joias oferecidas como presentes por autoridades sauditas a que deveriam ter sido incorporadas ao patrimônio do Estado brasileiro, mas que Bolsonaro tentou se apropriar.

A Polícia Federal indiciou Bolsonaro (PL), o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-mandatário, e o deputado federal Gutemberg Reis (MDB-RJ), além de outras 14 pessoas pelos crimes de associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema público no âmbito das investigações sobre as fraudes nos cartões de vacinação.

FONTE:

https://www.brasil247.com/brasil/ministros-do-stf-veem-fraude-no-cartao-de-vacinacao-como-etapa-da-rota-de-fuga-de-bolsonaro-apos-golpe-fracassado