Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Na Índia, Modi espera vitória recorde em eleição gigantesca marcada por divisões religiosas

Narendra Modi, de 73 anos, chegou ao poder pela primeira vez em 2014.

Espera-se que o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, ganhe um terceiro mandato consecutivo recorde nesta terça-feira (4), quando os 642 milhões de votos lançados na maior eleição do mundo forem contados.

Pesquisas de boca de urna projetam uma grande vitória para Modi e, se confirmadas — muitas vezes, elas erram o resultado na Índia —, os nacionalistas hindus de Modi terão triunfado em uma campanha virulenta na qual os partidos se acusaram mutuamente de preconceito religioso e de representar uma ameaça a partes da população.

Os investidores já comemoraram as perspectivas de mais um mandato de Modi, esperando que ele traga mais anos de forte crescimento econômico e reformas pró-empresariais para a Índia, enquanto uma possível maioria de dois terços no parlamento poderia permitir grandes mudanças na constituição, temem rivais e críticos.

Quase um bilhão de pessoas estavam aptas a votar na eleição de sete fases, que durou sete semanas, começando em 19 de abril e concluindo em 1º de junho, realizada em um calor escaldante de verão, com temperaturas atingindo quase 50° Celsius em algumas partes.

Ainda assim, mais de 66 por cento dos eleitores registrados compareceram, apenas um ponto percentual a menos do que na eleição anterior, em 2019, desmentindo os temores de que os eleitores pudessem evitar uma disputa considerada uma conclusão precipitada a favor de Modi.

Modi, de 73 anos, que chegou ao poder pela primeira vez em 2014 prometendo crescimento e mudança, busca ser apenas o segundo primeiro-ministro, após o líder da independência da Índia, Jawaharlal Nehru, a vencer três mandatos consecutivos.

Ele começou sua campanha destacando seu histórico no cargo, incluindo crescimento econômico, políticas de bem-estar, orgulho nacional, nacionalismo hindu e seu próprio compromisso pessoal em cumprir promessas que ele chamou de “Garantia de Modi.”

No entanto, ele mudou de tática após a baixa participação na primeira fase e acusou a oposição, especialmente o partido Congresso, que lidera uma aliança de duas dúzias de grupos, de favorecer os 200 milhões de muçulmanos da Índia — uma mudança que os analistas disseram que tornou a campanha grosseira e divisiva.

Eles disseram que a mudança pode ter sido destinada a animar a base nacionalista hindu do partido Bharatiya Janata (BJP) de Modi para atraí-los a votar. Modi se defendeu das críticas de que está fomentando divisões entre hindus e muçulmanos para ganhar votos e disse que estava apenas culpando a campanha da oposição.

Muito esperançosos, diz a oposição – A aliança de oposição ÍNDIA, liderada pelo partido Congresso, de Rahul Gandhi, negou favorecer os muçulmanos no país de maioria hindu e disse que Modi destruiria a constituição se retornasse ao poder e acabaria com as ações afirmativas desfrutadas pelas chamadas castas atrasadas. O BJP rejeita isso.

A aliança de oposição também prometeu mais medidas de bem-estar e benefícios, com pesquisas dizendo que o desemprego, a inflação e a angústia rural eram as principais preocupações dos eleitores.

As pesquisas de boca de urna divulgadas no sábado, após o término da votação, projetaram que a Aliança Democrática Nacional liderada pelo BJP poderia ganhar uma maioria de dois terços na câmara baixa do parlamento, composta por 543 membros.

Várias grandes pesquisas projetaram que o BJP sozinho poderia ganhar mais do que os 303 assentos que conquistou em 2019.

As projeções levaram as ações indianas a máximas históricas nesta segunda-feira (3), enquanto a rupia valorizou e os rendimentos dos títulos caíram, já que os investidores foram animados pelas expectativas de crescimento econômico sustentado.

As pesquisas de boca de urna, que são conduzidas por agências de pesquisa, têm um histórico irregular na Índia, com analistas dizendo que é um desafio acertá-las no grande e diversificado país.

Os partidos de oposição as descartaram, dizendo que não eram científicas e não refletiam a realidade.

“Estamos muito esperançosos de que nossos resultados sejam completamente opostos ao que a pesquisa de boca de urna está dizendo”, disse a ex-presidente do partido Congresso e mãe de Rahul Gandhi, Sonia, nesta segunda-feira.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/na-india-modi-espera-vitoria-recorde-em-eleicao-gigantesca-marcada-por-divisoes-religiosas#google_vignette