Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

O alerta nuclear de Putin é direto e explícito

O espectro do Armagedom foi levantado com frequência suficiente durante a guerra de 2 anos na Ucrânia, de modo que a referência a ele no discurso sobre o estado da união do presidente russo, Vladimir Putin, na quinta-feira, soou familiar. É aí que reside o risco de um julgamento errado por parte do público ocidental de que Putin era apenas um “lobo chorão”.

Três coisas devem ser observadas desde o início. Primeiro, Putin foi explícito e direto. Ele está avisando antecipadamente que é obrigado a responder com capacidade nuclear se o Estado russo for ameaçado. Evitando insinuações ou sugestões sombrias, Putin fez, na verdade, uma declaração sombria de significado histórico.

Em segundo lugar, Putin estava dirigindo-se à Assembleia Federal perante o crème de la crème da elite russa e fez com que toda a nação confiasse que o país poderia ser empurrado para uma guerra nuclear para a sua autopreservação.

Terceiro, está surgindo um contexto específico precipitado por estadistas ocidentais temerários e impetuosos que estão desesperados para evitar uma derrota iminente na guerra, que iniciaram em primeira instância, com a intenção declarada de destruir a economia da Rússia, criar instabilidade que levaria a uma mudança de regime no Kremlin.

Na realidade, o prognóstico do secretário dos EUA, Lloyd Austin, na quinta-feira, numa audiência do Congresso em Washington, de que “a OTAN estará em luta com a Rússia” se a Ucrânia for derrotada é a manifestação de uma situação difícil que a Administração Biden enfrenta depois de ter levado a Europa à beira do abismo de uma derrota abismal na Ucrânia, gerando graves incertezas quanto à sua recuperação econômica e desindustrialização devido ao revés das sanções contra a Rússia.

Dito de forma simples, o que Austin quis dizer foi que se a Ucrânia perder, a OTAN terá de ir contra a Rússia, caso contrário a credibilidade futura do sistema de alianças ocidental estará em perigo. É um apelo à Europa para se reunir para uma guerra continental.

O que o presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou na semana passada, na segunda-feira, foi também uma articulação dessa mesma mentalidade, quando causou uma tempestade ao insinuar que o envio de tropas terrestres para ajudar Kiev era uma possibilidade.

Citando Macron: “Hoje não há consenso sobre o envio oficial de tropas terrestres, mas… nada está descartado. Faremos tudo o que for necessário para garantir que a Rússia não possa vencer esta guerra. A derrota da Rússia é indispensável para a segurança e estabilidade da Europa.”

Macron estava falando depois de uma cúpula de 20 países europeus em Paris, onde um “documento restrito” em discussão tinha implicado “que vários Estados membros da OTAN e da UE estavam considerando enviar tropas para a Ucrânia numa base bilateral”, segundo o primeiro-ministro eslovaco Robert Fico.

Fico disse que o documento “causa arrepios na espinha”, pois implica que “vários Estados membros da OTAN e da UE estão considerando enviar tropas para a Ucrânia numa base bilateral”.

A divulgação de Fico não teria sido uma surpresa para Moscou, que agora colocou no domínio público a transcrição de uma conversa confidencial entre dois generais alemães em 19 de fevereiro, discutindo o cenário de um potencial ataque à Ponte da Crimeia com mísseis Taurus e possível implantação de combate por Berlim na Ucrânia, desmentindo todas as negações públicas do Chanceler Olaf Scholz.

Apropriadamente, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, chamou a transcrição de “uma revelação gritante.” Curiosamente, a transcrição revela que militares americanos e britânicos já foram enviados à Ucrânia – algo que Moscou tem alegado há meses – e outros detalhes assim também.

Este é um momento da verdade para a Rússia. Depois de aprender a conviver com a atualização constante do armamento ocidental fornecido à Ucrânia, que agora inclui mísseis Patriot e caças F-16, depois de ter sinalizado em vão que qualquer ataque à Crimeia ou qualquer ataque ao território russo seria considerado uma linha vermelha; depois de evitar cautelosamente a participação dos EUA e do Reino Unido em operações para trazer a guerra para o território russo – a declaração beligerante de Macron na semana passada foi a proverbial gota de água para o Kremlin. Prevê a implementação de combate no Ocidente para combater e matar soldados russos e conquistar territórios em nome de Kiev.

No discurso de quinta-feira, que foi quase inteiramente dedicado a um roteiro extremamente ambicioso e virado para o futuro para abordar questões sociais e econômicas no âmbito da nova normalidade que a Rússia alcançou mesmo sob condições de sanções ocidentais, Putin lançou um aviso a todo o Ocidente. colocando armas nucleares sobre a mesa.

Putin sublinhou que qualquer (mais) violação das regras básicas não escritas será inaceitável – que embora os EUA e os seus aliados da OTAN forneçam assistência militar à Ucrânia, mas não ataquem o solo da Rússia e não se envolvam diretamente no combate, a Rússia limitar-se-ia a usar armas convencionais.

Essencialmente, o cerne das observações de Putin reside na sua recusa em aceitar um destino para a Rússia em termos existenciais arranjados pelo Ocidente. O pensamento por trás disso não é difícil de compreender. Simplificando, a Rússia não permitirá qualquer tentativa dos EUA e dos seus aliados de remodelar a situação terrestre, impactando as linhas do front com pessoal militar da OTAN apoiado por armamento avançado e capacidades de satélite.

Putin colocou a bola firmemente no tribunal ocidental para decidir se a OTAN arriscará um confronto nuclear, o que obviamente não é a escolha da Rússia.

O contexto em que tudo isto se desenrola foi concisamente enquadrado pelo líder de um país da OTAN, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, ao discursar num fórum de diplomatas de topo em Antalya, na Riviera Turca, no fim de semana, quando sublinhou que “os europeus, juntamente com os ucranianos estão perdendo a guerra e não têm ideia de como encontrar uma saída para esta situação.”

Orban disse: “Nós, europeus, estamos agora numa posição difícil”, acrescentando que os países europeus encararam o conflito na Ucrânia “como a sua própria guerra” e perceberam tardiamente que o tempo não está do lado da Ucrânia. “O tempo está do lado da Rússia. É por isso que é necessário parar imediatamente as hostilidades.”

Como ele disse: “Se você pensa que esta é a sua guerra, mas o inimigo é mais forte que você e tem vantagens no campo de batalha, neste caso, você está no campo dos perdedores e não será uma tarefa fácil encontrar uma saída para esta situação. Agora, nós, Europeus, juntamente com os Ucranianos, estamos perdendo a guerra e não temos ideia de como encontrar uma saída para esta situação, uma saída para este conflito. Este é um problema muito sério.”

Este é o cerne da questão. Nestas circunstâncias, o resultado final é que será uma especiosidade catastrófica por parte da liderança ocidental e da opinião pública não compreender todo o significado do aviso severo de Putin de que Moscou está falando a sério o que tem dito, nomeadamente, que considerará qualquer implementação de combate ocidental na Ucrânia por países da OTAN como um ato de guerra.

Na verdade, se a Rússia enfrentar o risco de uma derrota militar na Ucrânia às mãos das forças da OTAN em combate e as regiões de Donbass e Novorossiya correrem o risco de serem subjugadas mais uma vez, isso ameaçaria a estabilidade e a integridade do Estado russo – e desafiaria a legitimidade da própria liderança do Kremlin – onde a questão da utilização de armas nucleares pode tornar-se mais aberta.

Para deixar bem claro, Putin examinou o inventário russo que hoje sustenta a sua superioridade nuclear, que os EUA não podem de forma alguma igualar. E ele desclassificou ainda algumas informações ultrassecretas: “Os esforços para desenvolver vários outros novos sistemas de armas continuam, e esperamos ouvir ainda mais sobre as realizações dos nossos investigadores e fabricantes de armas”.

Fonte: https://www.indianpunchline.com/putins-nuclear-warning-is-direct-and-explicit/

FONTE: https://sakerlatam.blog/o-alerta-nuclear-de-putin-e-direto-e-explicito/