Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

O EFEITO BUMERANGUE DAS SANÇÕES CONTRA A RÚSSIA

Historicamente, todos são conduzidos ao mesmo pensamento de que uma economia não pode ser sustentada apenas com a indústria bélica, especialmente quando um país está em guerra.

O caso da Rússia desafia esta lógica, pois a venda de petróleo e derivados (com custos muito baixos), em momentos de crise, acaba por ser uma fonte inesgotável de lucros, pois os preços disparam.

Quem banca a economia russa é a arrogância do ocidente. Países europeus como a Alemanha, por exemplo, optaram por destruir a própria economia na crença vã de que destruiria a economia russa.

Os alemães compravam gás barato da Rússia, estavam com a indústria forte e uma economia capaz de superar os grandes desafios. Agora é só ladeira abaixo.

Fui buscar a análise da imprensa dos países daqui da Europa sobre o crescimento da economia russa. O orgulho, a inveja e a vaidade ainda predominam entre os europeus. Eles seguem apostando no fracasso dos russos, ignoram que compram clandestinamente os produtos russos e que são reféns.

Citam a aproximação da Rússia e China como algo circunstancial e não estratégico, como realmente é. O BRICS está aí para provar.

Mentem quando dizem que o crescimento econômico da Rússia não é refletido no bem-estar da sociedade. Falam isso como se os cidadãos europeus estivessem vivendo o auge da prosperidade. O nome disso lá na minha Bahia é inveja.

Boa leitura!

NA IMPRENSA OTAN (Sucursal Madrid)

A inexplicável resistência econômica da Rússia confunde o Ocidente e destrói todas as previsões

– JP Morgan e FMI revisam mais uma vez para cima o crescimento do PIB da Rússia

– A economia da Rússia vinha se preparando para o isolamento há anos

– O aumento dos gastos com defesa inflaciona o PIB, mas não melhora a vida dos russos

A Rússia está a destruir todas as previsões econômicas. Diante do desastre mais anunciado da história (todas as organizações ocidentais falavam de um colapso do PIB entre 8 e 11% ), a economia da Rússia mal caiu 1,2% em 2022. Diante da depressão prevista (falava-se que passaria anos sem crescer ), a economia russa não só voltou a crescer em 2023, como também o está a fazer fortemente e as suas previsões continuam a melhorar. Face ao desastre e à hiperinflação, a Rússia mostra relativa estabilidade. Tanto é assim que o JP Morgan e o Fundo Monetário Internacional foram os últimos a rever em alta o PIB russo para este ano. Por que falharam as previsões ocidentais para a economia da Rússia? Erro de cálculo nas previsões ou milagre?

A resposta curta e simples à última pergunta é que ambos os factores contribuíram. As previsões falharam e a Rússia resistiu melhor do que o esperado. A economia da Rússia teve um desempenho muito melhor do que o Ocidente esperava. Os países avançados provaram que é quase impossível isolar um país tão grande, que também tem potências que continuaram a negociar e a colaborar (China e Índia) e que há muito preparava a sua economia para uma situação de quase autarquia. Talvez as organizações ocidentais baseassem as suas projecções no impacto que economias como a Venezuela sofreram. Mas a Rússia é diferente. Com uma rápida pesquisa no Google você pode ver que a mídia tem publicado análises e notícias há meses sobre o “não” colapso da economia russa (por que a economia russa não está em colapso, perguntam os analistas).

Elina Ribakova , economista do Instituto Peterson de Economia Internacional, diz à DW que há três razões principais pelas quais a economia russa tem resistido tão bem. A primeira é que o sistema financeiro russo estava suficientemente preparado para resistir à onda de sanções bancárias e financeiras, algo que foi vital nas fases iniciais das sanções. Moscou tem vindo a acumular ouro e a equipar-se a todos os níveis desde a invasão da Crimeia em 2014.

A segunda é que a Rússia é um país com grande riqueza energética e um vasto território, que também faz fronteira com a China, o país chamado a liderar a economia mundial. Tudo isto permitiu-lhe desfrutar de rendimentos enormes provenientes das exportações de petróleo e gás, enquanto a China e outros países satélites continuaram a vender fatores de produção e bens de capital à Rússia para manter a sua economia activa.

A terceira razão, que será explicada com mais profundidade no final deste artigo, é a forma como o PIB é contabilizado: uma maior produção de armas ou outros bens relacionados com a guerra não gera maior bem-estar para os cidadãos da Rússia. Contudo, a produção destes bens conta no PIB através do investimento e do consumo fixos, o que gera um crescimento extra que serve para manter viva a guerra, mas não ajuda (pelo menos em termos materiais) a prosperar os cidadãos russos.

A economia da Rússia não entrou em colapso No entanto, já se passaram mais de dois anos desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia e há uma coisa em que os economistas concordam: a economia russa não entrou em colapso, apesar da imposição de sanções massivas e sem precedentes, após a invasão de fevereiro de 2022. Moscou conseguiu. ‘evitar’ parte destas sanções (mesmo as mais dolorosas) através da sua influência sobre países terceiros, da implementação de planos engenhosos ou recorrendo a antigos aliados (companhias marítimas gregas) para continuar a exportar o seu petróleo e gás.

Dito isto, a economia da Rússia recuperou totalmente (em termos de PIB) em 2023 da crise moderada de 2022. No ano passado, a economia russa cresceu 3,6%, enquanto este ano o PIB irá expandir mais 2%, de acordo com novas projeções do JP Morgan. O Fundo Monetário Internacional está ainda mais otimista, prevendo recentemente que o PIB aumentará 2,6% na Rússia este ano, um aumento acentuado em relação à sua estimativa de Outubro. Entretanto, as receitas do petróleo estão a aumentar devido ao aumento dos preços do petróleo bruto e o desemprego está no nível mais baixo de todos os tempos.

Até 2025, o JP Morgan projeta um crescimento de 1,4%. Com estes dados pode-se dizer que a economia da Rússia cresceu muito mais rapidamente do que a da zona euro nos últimos anos, apesar de ter sido Bruxelas quem impôs as sanções e Moscou quem foi sancionado. Curioso, para dizer o mínimo. Mas nem tudo que reluz é ouro. Mais crescimento nem sempre é sinônimo de maior bem-estar.

INVEJA DETECTADA (Prepare o saco de vômito)

O outro lado da economia russa

Por outro lado, também é justo salientar e realçar que uma boa parte do crescimento econômico da Rússia é produto da ‘miragem contabilística’ gerada por um investimento histórico na defesa, que dentro do PIB é contabilizado como investimento e disfarça os dados de crescimento.

O Kremlin aumentou as despesas com a defesa de tal forma que 40% de todas as despesas orçamentais em 2024 serão destinadas à defesa e segurança. É uma economia de guerra e, além disso, perigosamente sobreaquecida, dizem os especialistas. Há uma crescente escassez de mão-de-obra (grande parte da mão-de-obra empregada na indústria bélica ou na frente de batalha) e uma inflação persistentemente elevada.

‘O bom desempenho da economia da Rússia reflecte a intensa utilização de recursos na guerra, escondendo o fraco desempenho do resto da economia’, afirmam da Allianz. Além disso, a Rosstat reteve dados reais sobre exportações e importações, mas estimamos, a partir das informações disponíveis, que o comércio líquido subtraiu cerca de -2,5 pontos percentuais do crescimento global em 2023. Isto sugere que as exportações reais tiveram um desempenho significativamente pior do que as importações reais no ano passado.

O setor de guerra puxa o PIB

Quando o PIB é analisado do lado da oferta (os setores que produzem bens e serviços), o crescimento em 2023 foi impulsionado principalmente pela forte expansão nas indústrias ligadas à guerra, à construção e às vendas a retalho. As indústrias de guerra e a construção em particular aumentaram nos últimos dois anos, o aumento foi de 35% em 2023, de acordo com o relatório da Allianz. Por outro lado, a produção nos setores automóvel e dos transportes aéreos esteve bem abaixo dos níveis anteriores à guerra em 2023.

O declínio de setores como o automóvel ocorre porque todos os recursos estão a ser concentrados na produção de armas e de tudo o que é necessário para abastecer o exército russo na frente ucraniana. Sim, o PIB cresce porque as armas são ‘bens’ que se somam à contabilidade nacional, mas não geram realmente uma melhoria na população, nem são elementos que possam ajudar a aumentar o PIB no futuro, como seria o caso de investimento em máquinas e tecnologia.

A evolução da economia da Rússia é um exemplo claro de porque o PIB nem sempre é o melhor indicador para analisar a prosperidade de uma sociedade. Uma economia cujo PIB é composto 100% pela produção de armas pode produzir os mesmos dados (tanto agregados como per capita) que outra cuja produção é mais diversificada e é composta por alimentos, eletrodomésticos, cuidados de saúde… Este é um exemplo extremo. , mas mostra como funciona o PIB e porque está a favorecer a Rússia no curto prazo.

O futuro da economia russa Em suma, os especialistas da Allianz prevêem que o crescimento da economia russa será moderado para 2,5% em 2024 (em linha com o previsto pela JP Morgan e pelo FMI) e continuará a perder dinamismo nos próximos anos. Os efeitos de base desvanecem-se e os dados mensais da produção industrial e das vendas a retalho sugerem que a expansão da produção abrandou nos últimos meses. Além disso, embora a guerra esteja estagnada, a Ucrânia encontrou o ponto fraco da Rússia e não é propriamente o petróleo, que pode mudar o futuro do país liderado por Vladimir Putin. Apesar de tudo, enquanto a economia tiver capacidade para manter os seus investimentos e gastos em armamento, o PIB continuará a apresentar taxas de crescimento positivas.

“Olhando para o futuro, a inflação deverá permanecer elevada, com uma média de cerca de 6,5% este ano (depois de 7,4% em termos homólogos em Dezembro e Janeiro), em parte devido à escassez de mão-de-obra e ao elevado crescimento dos salários reais (quase +8% em 2023). Como resultado, o Banco Central da Rússia (BCR) deverá manter uma política monetária restritiva”, afirmam os analistas da Allianz. Além disso, os ataques da Ucrânia às refinarias russas tornaram-se outro factor que pode impulsionar a inflação devido ao aumento dos preços do petróleo e aos problemas na produção de produtos refinados.

Contudo, o grande problema para a Rússia surgirá a longo prazo (a menos que as previsões voltem a falhar). Anos de investimento no exército e em armas estão a subtrair o potencial dos setores e bens que servem para gerar maior crescimento futuro: maquinaria, tecnologia, educação … A curto prazo, os gastos públicos e o investimento militar podem constituir o PIB da Rússia, mas a longo prazo a situação é pelo menos perigosa para a economia deste país.

NOTA DESTE OBSERVADOR IN LOCO

Os investimentos em pesquisa e tecnologia aplicadas à defesa são muito positivos, pois eles são aplicáveis em diversas outras áreas.

Negar que a qualidade de vida (bem-estar social) do russo melhorou é apenas o último recurso da inveja dos “civilizados ocidentais”.

Dizer que a Ucrânia será capaz de atacar as refinarias russas é torcer para a própria desgraça, pois quem abastece de petróleo e derivados grande parte da economia europeia (ainda que isso seja feito clandestinamente) é a Rússia.

Por isso, torcer contra a Rússia é apenas um “abraço dos afogados” que os europeus tentam dar.

Seria muito mais honesto por parte dos europeus escrever páginas e páginas pedindo desculpas aos russos e implorando que tudo voltasse a ser como antes da guerra na Ucrânia, um ex-país que atualmente funciona como o cemitério da OTAN.

FONTE: https://twitter.com/wcalasanssuecia/status/1773256973863059891