Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

O Egito aceitará o deslocamento palestino em troca de alívio da dívida?

A estabilidade do Egito é crucial para a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, mas agora eles estão vinculando a ajuda financeira ao deslocamento em massa de moradores de Gaza para o Sinai, o que representa uma ameaça ainda maior à segurança nacional do Cairo.

À medida que o brutal ataque militar de Israel a Gaza aumenta, as reportagens continuam a girar sobre um grande trade-off egípcio em andamento: a absorção de um grande número de palestinos deslocados da Faixa em troca de alivio a enorme carga de dívida do Cairo – que ultrapassa US$ 160 bilhões.

No entanto, mais de quatro meses após o início da guerra, o parlamentar egípcio Mustafa Bakri diz que o presidente Abdel Fattah al-Sisi rejeitou US$ 250 bilhões de estados estrangeiros como pagamento para permitir que os habitantes de Gaza inundassem o Sinai.

Apesar da repetida rejeição do Cairo à transferência forçada de palestinos para o território egípcio, os temores contínuos de um possível influxo de habitantes de Gaza fugindo das atrocidades israelenses, a viabilidade de seu retorno e a desestabilização da fronteira do Sinai continuaram a assolar o governo egípcio. E questões importantes permanecem sobre quem realmente tem a ganhar com o deslocamento de palestinos para além dos limites de Gaza.

À medida que o conflito cresce em ferocidade e amplitude, tornou-se evidente que, para muitos líderes árabes, a causa palestina se tornou uma preocupação secundária, se não um inconveniente oneroso. Os estados árabes que normalizaram as relações com Israel em 2020 – como Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos e Sudão – atualmente veem a Palestina como um obstáculo à sua flexibilidade diplomática.

O plano: dinheiro para deslocamento

À medida que Israel avança militarmente no território mais ao sul de Gaza, Rafah, fotos e vídeos publicados pela Fundação Sinai para os Direitos Humanos revelam que o Egito começou a construir uma zona fechada em sua fronteira com Gaza – ostensivamente destinada a abrigar os palestinos que fogem do ataque israelense previsto a Rafah.

As imagens mostram trabalhadores usando máquinas pesadas para instalar barreiras de concreto e torres de segurança ao redor de uma faixa de terra no lado egípcio da passagem de Rafah.

Há pouca dúvida de que o deslocamento em massa de palestinos representa uma ameaça à segurança nacional do Egito a longo prazo. Ainda assim, os sauditas e os Emirados parecem estar priorizando esse objetivo israelense e, portanto, o Egito enfrenta um dilema:

Continuar a rejeitar o deslocamento ou aceitar um êxodo em massa para o Sinai – mesmo que temporariamente – em troca de incentivos econômicos que incluam a compensação de uma parte importante de sua dívida acumulada, o que também ameaça significativamente a economia egípcia e, por extensão, sua coesão social.

O Cairo é cúmplice do bloqueio de Israel a Gaza desde 2007 e tem desempenhado um papel ativo na luta contra a resistência palestina, inundando túneis que ligam a Faixa ao Sinai.

O papel crítico desempenhado pela Arábia Saudita e pelo Egito na formação de Gaza do pós-guerra não poderia ser maior. A adoção da normalização por Riade estabelece um precedente perigoso, cumprindo um desejo de longa data dos EUA-Israel de integrar o estado de ocupação na Ásia Ocidental – em detrimento da Palestina.

Essa mudança na dinâmica representa um esforço conjunto para marginalizar a causa palestina em favor de garantias políticas e econômicas regionais mais amplas de Washington. Falando na Conferência de Segurança de Munique deste ano, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que há uma “oportunidade extraordinária” nos próximos meses para o reconhecimento de Israel entre os estados árabes:

Praticamente todos os países árabes agora querem genuinamente integrar Israel à região para normalizar as relações … para fornecer compromissos e garantias de segurança para que Israel possa se sentir mais seguro.

Parece claro que Riade decidiu, desde o início da guerra de Gaza, preparar o ambiente interno para a fase pós-Gaza, ou seja, a fase de normalização e colonização. A Arábia Saudita insistiu em não adiar nenhum festival ou celebração, impediu que os artistas participantes mostrassem simpatia pelos palestinos, puniu aqueles que simpatizavam com os mártires de Gaza de uma plataforma saudita e até proibiu o uso do Kufiyyeh palestino no Mawsim al-Riyadh, um festival anual financiado pelo Estado.

O meticuloso plano da Arábia Saudita para relegar a questão palestina aos anais da história compreende cinco etapas estratégicas:

Primeiro, isolar os assuntos internos da turbulência de Gaza. Em segundo lugar, promover a solução de dois Estados como um precursor da normalização com Israel. Terceiro, coagir outros países árabes a seguirem o exemplo, isolando as vozes dissidentes. Em quarto lugar, facilitar o deslocamento de palestinos, tanto a curto quanto a longo prazo, alavancando incentivos de soft power e incentivos econômicos. Em dezembro, o jornal francês Le Monde vazou uma controversa proposta saudita-francesa para acabar com a guerra de Gaza, deslocando líderes e membros do Hamas para a Argélia.

Em quinto lugar, o reino procura promover laços econômicos com Israel para integrá-lo como uma parte normal da Ásia Ocidental.

O sucesso do plano de Riade depende da cooperação das principais partes interessadas, Israel e Egito, cuja aprovação é fundamental para a normalização e a execução do deslocamento palestino.

Fechar o arquivo sobre a causa palestina e estabelecer laços com Tel Aviv é uma ambição que os sauditas compartilham com os Emirados Árabes Unidos em busca de ganhos econômicos e políticos. Apesar das declarações oficiais árabes que rejeitam os planos de deslocamento, as manobras nos bastidores sugerem uma realidade diferente, que se inclina para a dissolução gradual da causa palestina.

Sauditas e Emirados compram a soberania do Egito

A súbita ânsia de Riade de reforçar os laços econômicos com o Cairo é palpável. Com  diretrizes sem precedentes de ambos os governos, os investimentos mútuos devem disparar, com a Arábia Saudita visando aumentar o comércio para US$ 100 bilhões.

Colaborações recentes incluem um acordo de US$ 4 bilhões com a ACWA Power, listada na Arábia Saudita, para o projeto Green Hydrogen. Além disso, iniciativas estratégicas como o memorando de entendimento entre o Ministério da Produção Militar do Egito e a Autoridade Geral Saudita para Indústrias Militares e acordos em petróleo e recursos minerais sinalizam o aprofundamento da integração econômica.

As negociações em andamento entre o Cairo e Abu Dhabi para desenvolver uma extensão substancial de terra ao longo da costa mediterrânea do Egito, potencialmente avaliada em US$ 22 bilhões, podem ser um divisor de águas para a economia sitiada do Egito.

De acordo com o relatório do CBE, o valor do contrato proposto engloba uma parcela significativa da dívida externa do governo egípcio com vencimento em 2024, totalizando US$ 29,229 bilhões. Isso inclui pagamentos de juros no total de US$ 6,312 bilhões e parcelas de dívidas no valor de US$ 22,917 bilhões.

Sustento econômico ou responsabilidade política?

Não há dúvida de que o interesse da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes em investir no Egito é impulsionado principalmente pelos temores desses dois países do colapso econômico do Egito, o que poderia desestabilizar um estado árabe chave e amigável na região.

Mas surgiram informações de que as ofertas dos dois estados do Golfo ao Egito agora vinculam o deslocamento de moradores de Gaza a uma proposta para aliviar o impressionante fardo da dívida do Cairo. A oferta dos EUA para acabar com a dívida egípcia de 160 bilhões de dólares em troca de acolher 100 mil refugiados de Gaza tem um precedente histórico perigoso. Em 1991, Washington perdoou a dívida do Egito em troca de seu apoio à coalizão liderada pelos EUA contra o Iraque.

Ein Bild, das Text, Screenshot enthält.  Automatisch generierte Beschreibung

A monumental dívida nacional do Egito ocupa o segundo lugar mundial em risco de inadimplência, depois da Ucrânia. Notavelmente, os países árabes detêm uma parcela significativa da dívida do Egito, com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos sozinhos respondendo por aproximadamente 20,3%.

O iminente colapso econômico do Egito não é do interesse dos estados árabes do Golfo Pérsico ou de seu aliado dos EUA devido à importância estratégica do país no mundo árabe e no norte da África – portanto, a resolução da questão palestina surge como uma prioridade compartilhada entre a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e os EUA.

Os esforços de normalização destes últimos estados se alinham com suas estratégias geopolíticas mais amplas destinadas a conter o Irã e neutralizar o Eixo da Resistência. Apesar da retórica da Arábia Saudita endossar a normalização em troca dos direitos palestinos, suas ações durante a guerra de Gaza confirmam que Riade tem, desde o primeiro dia, trabalhado para marginalizar a causa palestina e inibir qualquer envolvimento positivo com ela.

A longo prazo, o estabelecimento de um Estado palestino representa uma ameaça aos esforços destinados a extinguir permanentemente a questão palestina. Assim, a perspectiva de deslocar palestinos para o Egito, apesar dos obstáculos imensos, continua sendo uma estratégia viável para a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

À medida que os interesses geopolíticos se entrelaçam com os imperativos econômicos, o destino de milhões de palestinos está na balança, sujeito aos caprichos da política de poder e do cálculo estratégico.

FONTE:

https://sakerlatam.blog/o-egito-aceitara-o-deslocamento-palestino-em-troca-de-alivio-da-divida/