Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

“O Império não vai cair sem luta”, diz Rui Costa Pimenta

Presidente do PCO analisa geopolítica mundial e a influência do imperialismo, além de comentar sobre a situação política brasileira.

Na última entrevista concedida à TV 247, o líder do Partido da Causa Operária (PCO), Rui Costa Pimenta, fez uma análise da geopolítica mundial e a situação política atual do Brasil. Pimenta destacou a persistência do imperialismo e os desafios que ele enfrenta no cenário global.

Segundo Pimenta, “a história do pós-Segunda Guerra Mundial é a do declínio do imperialismo”, evidenciando uma tendência de enfraquecimento dessa força geopolítica ao longo das décadas. Ele ainda apontou que a credibilidade do imperialismo atingiu um nível quase nulo, especialmente devido ao apoio a eventos como o genocídio em Gaza.

Para o líder do PCO, “o imperialismo, que é uma força extremamente violenta, nunca atravessou uma crise deste tamanho”. Ele ressaltou que o imperialismo não está disposto a ceder terreno sem luta, destacando a importância da resistência e da mobilização popular.

Em relação à situação específica do Oriente Médio, Pimenta observou que o Irã demonstrou capacidade de resposta contra Israel, o que, para ele, representa o fechamento de um ciclo de 75 anos. Além disso, ele alertou para uma possível parceria entre a Argentina, sob o governo de Javier Milei, e a OTAN, o que poderia resultar na “otanização” da América do Sul, com o Brasil como alvo.

No contexto político brasileiro, Pimenta enfatizou que o aprofundamento da crise gera mais polarização e torna o Brasil um alvo. Ele ressaltou a influência do grande capital na política nacional, afirmando que “quem manda na política brasileira é o grande capital”.

Sobre a mobilização popular, Pimenta comentou que o eleitor não é sinônimo de pessoa mobilizada, e que o voto é uma forma passiva de participação política. Ele destacou a capacidade de mobilização do ex-presidente, afirmando que “Bolsonaro mobiliza e coloca gente na rua”, o que, para ele, demonstra força política.

Por fim, Pimenta fez referência à atuação do ministro Luís Roberto Barroso, destacando que “Barroso deixou claro que o lavajatismo não morreu”, apontando para uma continuidade de certas tendências políticas no país.

Assista: