Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

O mundo perdeu uma voz dissidente: quem foi John Pilger, jornalista de esquerda australiano morto aos 84 anos

John Pilger, um gigante do jornalismo nascido na Austrália em 1939, morreu aos 84 anos, segundo comunicado online divulgado por sua família no último dia de 2023

Os seus diversos livros e especialmente os seus documentários abriram os olhos do mundo para as falhas, e o pior dos governos de muitos países – incluindo o seu local de nascimento.

Ele inspirou muitos jornalistas e estudantes de jornalismo com a sua determinação em criticar os efeitos prejudiciais do capitalismo e das políticas externas dos países ocidentais, especialmente dos Estados Unidos e do Reino Unido, nas vidas das pessoas comuns.

John Pilger: ‘Sou, por inclinação, antiautoritário’

Mas a sua abordagem de jornalismo ativista também provocava regularmente controvérsia. Isto se deu, em parte, devido à sua discordância incisiva das posições oficiais e, em parte, porque, ao tentar atingir o público mais vasto possível, tendia a simplificar excessivamente as questões e a exagerar os seus pontos de vista.

O jornalista inglês Auberon Waugh, que entrou em conflito com Pilger em mais de uma ocasião, inventou o verbo “to pilger” que definiu como “tratar emocionalmente um assunto com generoso desrespeito pelos detalhes inconvenientes, sempre pela causa da esquerda e sempre com grande indignação”.

Quaisquer que sejam os méritos das críticas de Waugh, eles são, na minha opinião, superados pela amplitude e profundidade das revelações de Pilger no interesse público.

Ele nunca se escondeu atrás da segurança da abordagem “ele disse, ela disse” do jornalismo, que o professor da Universidade de Nova Iorque Jay Rosen chamou de “visão do nada”.

Pilger, no entanto, rejeitou o rótulo de ativista, contando a Anthony Hayward no seu livro, In the Name of Justice: The Television Reporting of John Pilger :

“Sou, por inclinação, antiautoritário e sempre cético em relação a qualquer coisa que os agentes do poder queiram nos dizer.

É meu dever, certamente, contar às pessoas quando elas estão sendo enganadas ou quando alguém conta mentiras”.

Pilger nasceu em Bondi, Sydney. Como muitos de sua geração, ele se mudou para o Reino Unido no início dos anos 1960 e trabalhou para o The Daily Mirror, para a Reuters e para o programa investigativo da rede ITV World in Action.

Ele cobriu conflitos em Bangladesh, Biafra, Camboja e Vietnã e foi homenageado como jornalista do ano na Grã-Bretanha em 1967 e 1979.

Pilger fez mais de 50 documentários. O mais conhecido é Ano Zero: a Morte Silenciosa do Camboja , que em 1979 revelou que cerca de dois milhões dos sete milhões de habitantes do país tinham morrido em consequência do genocídio ou da fome sob o regime brutal de Pol Pot.

Seus documentários ganharam vários prêmios, incluindo o prestigiado Richard Dimbleby por reportagem factual, um prêmio Peabody para Camboja: Ano Dez e um prêmio Emmy de Melhor Documentário para Camboja: A Traição .

Ele também fez vários documentários sobre a Austrália, incluindo um em 1985, The Secret Country , sobre maus-tratos históricos e contínuos ao povo originários que irritaram o então primeiro-ministro trabalhista, Bob Hawke.

Quando o governo dos EUA de George W. Bush reagiu aos ataques terroristas assassinos da Al-Qaeda no 11 de Setembro, invadindo primeiro o Afeganistão, no final de 2001, e depois o Iraque, em março de 2003, Pilger fez Verdade e Mentiras: Quebrando o Silêncio na Guerra ao Terror .

Ele criticou duramente não só as ações de Bush, mas também as dos membros mais fervorosos da “coligação dos dispostos”: o primeiro-ministro trabalhista do Reino Unido, Tony Blair, e o primeiro-ministro da coligação australiana, John Howard.

Jornalismo sobre histórias de pessoas comuns

Sem dúvida, se Pilger ainda estivesse vivo, condenaria a ausência dos documentos do Comitê de Segurança Nacional nos papeis do gabinete de 2003 divulgados pelos Arquivos Nacionais da Austrália.

Eles mostram que o gabinete de Howard aprovou a controversa – e, em retrospectiva, desastrosa – decisão de endossar o plano da administração Bush de invadir o Iraque com base em “relatórios orais” do primeiro-ministro, em vez de submissões completas do gabinete.

Pilger escreveu ou editou 11 livros, incluindo Tell Me No Lies, uma antologia de notável jornalismo investigativo, e talvez seu livro mais conceituado, Heroes, que se referia ao que uma de suas jornalistas favoritas, Martha Gellhorn, que chamou de “a visão da terra” .

Ele fez isso contando histórias de pessoas comuns que encontrou, fossem trabalhadores em minas em Durham, na Inglaterra, refugiados do Vietnã, ou soldados americanos retornando da Guerra do Vietnã – não para desfiles, mas para vidas deslocadas pelo silêncio e pela vergonha que cercaram a guerra.

Pilger e o apoio a Julian Assange

Phillip Knightley, contemporâneo de Pilger, que também nasceu na Austrália e foi para a imprensa britânica para se tornar ele próprio um célebre jornalista investigativo e autor, resumiu o trabalho de seu compatriota em 2000:

“Ele foi certamente um dos primeiros a chamar a atenção internacional para a forma vergonhosa como a Austrália tratou os aborígenes [sic] […] John tem uma visão um pouco menos otimista do que a minha.

Em Welcome to Australia [filme de Pilger de 1999], ele se concentrou nas coisas ruins que estavam acontecendo, mas não nas boas.

Ele diria que isso não faz parte de seu briefing e é abordado em outro lugar. Ele é um polemista e, se você quiser despertar as paixões e a raiva das pessoas, quanto mais forte a polêmica, melhor”.

Pilger fez menos filmes na década de 2000, concentrando grande parte de sua energia no apoio a Julian Assange, fundador do WikiLeaks.

Assange continua a sofrer na prisão de Belmarsh, na Inglaterra, enquanto os apelos contra a sua extradição para os EUA para responder a acusações ao abrigo da Lei de Espionagem de 1917 persistem interminavelmente.

Quaisquer que sejam as falhas que existam no jornalismo de John Pilger, é desanimador que, no primeiro dia de um novo ano obscurecido por guerras, pela inação relativamente às alterações climáticas e por uma eleição presidencial nos EUA, onde a própria democracia está em votação, o mundo perdeu outra voz resolutamente dissidente nos meios de comunicação social.

FONTE:

O mundo perdeu uma voz dissidente: quem foi John Pilger, jornalista de esquerda australiano morto aos 84 anos