Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

O que esperar das negociações entre Putin e Modi em Moscou

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi visita Moscou nos dias 8 e 9 de julho para copresidir a 22ª Cúpula Anual Rússia-Índia com o presidente Vladimir Putin. Esta é a primeira visita oficial de Modi depois de tomar posse para um terceiro mandato como primeiro-ministro da Índia após as eleições de junho.

A Rússia aguarda com expectativa uma “visita muito importante e em grande escala, significativa para as relações russo-indianas”, sublinhou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em entrevista antes da chegada do primeiro-ministro Narendra Modi a Moscou.

A última vez que o chefe do governo indiano esteve na Rússia foi em 2019, quando foi para a cidade de Vladivostok, no Extremo Oriente. A última viagem de Modi a Moscou foi em 2015. A 21ª Cúpula Índia-Rússia foi realizada em 2021.

A Rússia é um país que continua a ser muito importante para o envolvimento da Índia na Eurásia, para além da relação estratégica bilateral abrangente que os dois lados estão desenvolvendo, disse à Sputnik o dr. Raj Kumar Sharma, pesquisador sênior do NatStrat, um think tank com sede em Nova Deli.

Em um cenário geopolítico em que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) continua alimentando o conflito na Ucrânia, o conflito israelo-palestino continua inabalável e as eleições se aproximam nos EUA, Modi “escolheu corretamente visitar a Rússia, destacando a resiliência dos laços Índia-Rússia no meio de muitas mudanças geopolíticas”, notou o especialista.

Na verdade, para Modi, a viagem a Moscou é uma demonstração da autonomia estratégica da Índia e das suas próprias ambições como líder do mundo não ocidental. Para Putin, as conversações estão em linha com uma sucessão de reuniões recentes com líderes do Sul Global, simbolizando o pivô em direção a uma nova ordem mundial.

Modi chega a Moscou na tarde desta segunda-feira (8) e será recebido com um jantar privado oferecido pelo presidente russo e, na sequência, tomam lugar as discussões formais da cúpula, seguida de reunião com a comunidade indiana em Moscou na terça-feira (9) e visitas oficiais a parques e monumentos russos. Ao final, como de praxe, serão anunciados os documentos resultantes da visita, sendo um deles um acordo há muito esperado no setor de defesa.

Segundo as assessorias dos líderes, Modi e Putin devem rever toda a gama de laços multifacetados entre os seus países, “incluindo defesa, comércio, investimento, cooperação energética, ciência e tecnologia, educação, cultura e intercâmbios interpessoais, entre outros”, observou o secretário de Relações Exteriores da Índia, Vinay Kwatra, saudando o fato de a “parceria estratégica privilegiada especial” entre os dois países ter permanecido “resiliente na sequência de múltiplos desafios geopolíticos”.

“O comércio bilateral Índia-Rússia registrou um aumento acentuado em 2023-2024. Desde então, atingiu perto de US$ 65 bilhões [cerca de R$ 354,9 bilhões], principalmente devido à forte cooperação energética entre os países”, ressaltou o alto diplomata indiano.

Para além da parceria em segurança e defesa energética no setor nuclear, o secretário indiano afirmou que o reforço da cooperação em projetos como o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul, o Corredor Marítimo Chennai-Vladivostok e o porto de Chabahar, deverá figurar com destaque nas conversações entre Modi e Putin em um cenário em que as trocas em moedas nacionais se ampliam diante da desdolarização.

Em junho deste ano, a Rússia enviou pela primeira vez, já como parte de sua mudança dos fluxos comerciais da Europa para a Ásia e o Oriente Médio, dois trens de carga com carvão para a Índia através do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul — que se estende por 7.200 quilômetros de São Petersburgo até o porto de Mumbai, na Índia, lembrou o dr. Raj Kumar Sharma.

Quando questionado sobre as sanções do Ocidente contra a Rússia, ele observou que Nova Deli tem tido o cuidado de aderir às sanções da ONU, mas no que diz respeito às sanções do G7 (grupo composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido), “temos mantido contatos muito regulares com o G7, essencialmente para proteger e fazer progredir nosso interesse nacional e as nossas necessidades quando se trata dos nossos interesses econômicos e políticos”.

Após o início da operação militar especial da Rússia na Ucrânia, os países ocidentais reduziram enormemente as suas compras de petróleo e gás russos, em uma medida que pretendia, mas falhou, paralisar a economia russa. A Índia, no entanto, viu as suas importações de petróleo russo dispararem. As importações de petróleo russo pelo país cresceram dez vezes em apenas 2023.

No setor de defesa, a Rússia continua a ser o principal fornecedor de armas da Índia, sendo responsável por 36% das suas importações de armas. Os dois lados continuam a implementar projetos da indústria de defesa focados na cooperação tecnológica. Além disso, na cúpula de Moscou, é provável que as partes assinem um Acordo de Troca Recíproca de Logística entre a Rússia e a Índia que melhore a cooperação militar entre eles.

Aplicável durante missões em tempos de guerra e em tempos de paz, o acordo vai:

  • Facilitar a reposição de abastecimentos essenciais (combustível, comida e peças sobressalentes) para permitir uma presença militar contínua em regiões cruciais;
  • Fornecer instalações de atracação (para tropas, navios de guerra e aeronaves);
  • Oferecer à Índia um alcance marítimo mais alargado, incluindo o Ártico;
  • Equilibrar os acordos logísticos da Índia com os países do Quad, reforçando ao mesmo tempo a presença da Rússia no Indo-Pacífico.

A Rússia e a Índia também esperam implementar viagens mútuas sem visto até o final de 2024, além do anúncio da abertura de mais dois consulados indianos na Rússia.

FOTO: © Sputnik / Mikhail Metsel

FONTE: https://noticiabrasil.net.br/20240708/o-que-esperar-das-negociacoes-entre-putin-e-modi-em-moscou-35486872.html