Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

O vindouro Novus Ordo Seclorum – a mudança é necessária; não há escolha!

Tentar usar a racionalidade secular como a principal ferramenta analítica para compreender eventos geopolíticos pode ser um erro.

Durante uma visita a Oxford há algumas semanas, Josep Borrell, o Alto Representante da UE, (escreve Walter Münchau), fez uma observação interessante: “Diplomacia é a arte de gerenciar padrões duplos”. Münchau ilustrou sua hipocrisia inerente contrastando o entusiasmo com que os líderes da UE apoiaram a decisão do TPI de emitir um mandado de prisão contra Putin no ano passado, e “no entanto, não aceitá-lo – quando atinge um membro de sua equipe” (ou seja, Netanyahu).

O exemplo mais flagrante de tal ‘pensamento’ duplo diz respeito ao seu correlato – a ‘gestão’ ocidental de realidades criadas. Um padrão duplo – uma ‘narrativa’ de nós ‘vencendo’ – é elaborado e, em seguida, definido contra uma narrativa de ‘eles falhando’.

Recorrer à fabricação de narrativas de vitória (em vez de realmente obter a vitória) pode parecer bastante inteligente, mas a incerteza que causa pode ter consequências desastrosas imprevistas. Por exemplo, as ameaças deliberadamente obscuras do Presidente Macron de enviar forças da OTAN para servir na Ucrânia – o que só contribuiu para que a Rússia se preparasse para uma guerra mais ampla contra toda a OTAN, acelerando suas operações ofensivas.

Em vez de dissuadir – como provavelmente pretendido por Macron – trouxe um adversário mais determinado, com Putin avisando que a Rússia mataria qualquer ‘invasor’ da OTAN. Não foi tão inteligente, afinal…

Tome como exemplo mais substantivo a resposta do Presidente Putin a uma pergunta da imprensa durante sua visita ao Uzbequistão: ‘Esses representantes de países da OTAN, especialmente na Europa, … primeiramente nos provocaram no Donbass; nos conduziram pelo nariz por oito anos, deliberadamente nos enganando ao supor que eles [o Ocidente] queriam resolver as coisas pacificamente – apesar de sua tentativa aparentemente contrária de forçar a situação ‘para a paz’ – por meios armados.

‘Então eles nos enganaram durante o processo de negociação’, continuou Putin, ‘tendo, a priori, decidido secretamente derrotar a Rússia no campo de batalha – e assim infligir uma derrota estratégica a ela. Essa constante escalada pode levar a sérias consequências (Putin provavelmente se refere a uma escalada de mísseis terminando – até mesmo – com armas nucleares). Se essas sérias consequências ocorrerem na Europa, como os Estados Unidos se comportarão em vista de nossa paridade de armas estratégicas? Eles querem um conflito global? É difícil dizer… Vamos ver o que acontece a seguir’, concluiu. (Esta é uma paráfrase do que foi uma longa e extensa sessão de perguntas e respostas do Presidente Putin).

Naturalmente, alguns no Ocidente dirão que esta é apenas uma ‘estória’ russa – e que o Ocidente agiu razoavelmente o tempo todo, em resposta às ações de Moscou.

‘Pensamento racional’ e razoabilidade são pretensiosamente tidos como as qualidades definidoras do Ocidente (herdadas de Platão e Aristóteles). No entanto, tentar usar a racionalidade secular como a principal ferramenta analítica para compreender eventos geopolíticos pode ser um erro. Pois tal instrumento limitado força uma brutal amputação das dinâmicas mais profundas da história e do contexto – o que corre o risco de gerar análises distorcidas e respostas políticas falhas.

Só para esclarecer: O que essa diplomacia enganosa conseguiu? Resultou na completa desconfiança de Moscou em relação aos líderes europeus e no desejo de não ter mais nada a ver com eles.

É ‘racional’ deixar atores como Putin imaginando se, de fato, a Rússia enfrenta um Ocidente determinado a “infligir uma derrota estratégica” nela, ou se Washington quer apenas criar uma ‘narrativa de vitória’ antes de novembro?

Putin apontou (na conferência de imprensa) que armas de longo alcance e alta precisão baseadas na Ucrânia, (como ATACMS) são preparadas com base em ‘inteligência espacial e reconhecimento’, que então são automaticamente traduzidas nas configurações apropriadas de mísseis-alvo (com os operadores possivelmente sequer entendendo quais coordenadas estão inserindo como alvo).

Essa tarefa complexa de preparar um míssil de alta precisão, no entanto, não está sendo preparada por militares ucranianos, mas por representantes de países da OTAN, sublinhou Putin.

Putin está dizendo: ‘Vocês – europeus, que fornecem e operam tais armas – já estão em guerra com a Rússia’. Tentar ‘gerenciar esses padrões duplos’ não funcionará; você não pode afirmar, por um lado, que uma vez que suas munições são transportadas, elas magicamente se tornam ‘ucranianas’, enquanto ‘narram’ também que a OTAN – seus ativos de vigilância; seus técnicos de ISR e seus operadores de mísseis – não se traduzem em ‘guerra com a Rússia’.

Em suas respostas explícitas, Putin deu ao Ocidente um aviso claro: Esses representantes de países da OTAN – especialmente na Europa; especialmente em pequenos países – devem estar cientes ‘de que estão brincando’.

No entanto, na Europa, a ideia de atacar profundamente dentro da Rússia é apresentada como sendo totalmente racional – apesar de saber que tais ataques na Rússia não mudarão o curso da guerra. Simplificando, Putin está efetivamente dizendo que a Rússia só pode interpretar as declarações e ações ocidentais como uma intenção de uma guerra mais ampla.

As mesmas ‘narrativas duplas’ podem ser ditas também para Israel. Netanyahu e seu governo, por um lado, são apresentados como uma entidade messiânica, perseguindo um apocalipse bíblico. Enquanto isso, o Ocidente afirma que está simplesmente perseguindo seu próprio entendimento racional do que é do verdadeiro interesse de Israel – ou seja, uma solução de dois estados.

Pode ser desconfortável dizer isso, mas o zeitgeist ‘não-secular, não-racionalista’ de Netanyahu provavelmente reflete uma pluralidade de opiniões hoje em Israel. Em outras palavras, goste ou não – e quase todo o mundo não gosta – ainda assim é autêntico. É o que é – e, portanto, há pouco sentido em criar políticas estritamente seculares que simplesmente ignorem essa realidade (a menos que haja vontade de mudar radicalmente essa realidade – ou seja, impor um estado palestino à força).

A realidade é que um teste de força está chegando no Oriente Médio. E em sua esteira – com uma ou outra das partes exausta – uma corrente política, ou uma mudança no zeitgeist (se Israel reconsiderar os direitos especiais para um grupo populacional sobre outro vivendo em terras compartilhadas), pode abrir um caminho mais produtivo para uma ‘solução’, de um jeito ou de outro.

Novamente, a insistência em uma ótica secular, materialista convida a uma leitura equivocada do terreno, e pode piorar as coisas (encurralando Israel na escalada maciça na qual estamos à beira).

Quando Gantz – considerado uma possível alternativa mais razoável a Netanyahu, clama por uma eleição antecipada, ele está clamando, escreve Roger Alpher no Haaretz, “para renovar o contrato entre o povo e o governo e para mobilizar para uma segunda guerra de independência. Sob a nova visão, Israel está no início de uma longa guerra sangrenta pela sobrevivência”.

“Gantz não é uma pessoa secular; sua mentalidade é religiosa… Quando ele acusa Netanyahu de trazer motivos ocultos para ‘o santo dos santos’, como ele colocou – ou seja, considerações de defesa – ele está expressando sua crença religiosa na fé da nação. O estado é sagrado, o estado antes de qualquer outra coisa”.“As suas divergências de opinião com Netanyahu estão obscurecendo um consenso amplo – incluindo Yair Golan, Bezalel Smotrich, Yair Lapid, Avigdor Lieberman, Naftali Bennett, Yossi Cohen e o partido Likud com ou sem Netanyahu – de que a guerra é a questão. O público israelense é um herói por causa da guerra. Está no seu melhor durante as suas guerras: Uma nação não tem maior elevação espiritual do que o amor pelo sacrifício em ‘carregar a maca’, como dizem os israelenses”.

Simplificando, Gantz – como Netanyahu – não está no campo secular liberal ocidental.

E é aqui que o meme de ‘gestão de padrões duplos’ de Josep Borrell entra na equação: A Europa ou os EUA podem continuar a tolerar tal visão sionista ‘irracional’, com todas as suas implicações adversas para uma hegemonia dos EUA cada vez mais volátil?

Bem, há uma certa ‘racionalidade’ na visão de Netanyahu, mas não é uma enraizada em nossa ontologia mecanicista.

Talvez também, as referências bíblicas de Netanyahu a Amalek (o povo que o rei Saul foi ordenado a aniquilar), toquem nervos ocidentais: A Revolução Científica não deveria ter acabado com essa ‘outra’ ontologia? Isso lembra o Ocidente de seus próprios ‘pecados’ coloniais?

O professor Michael Vlahos, que ensinou guerra e estratégia na Universidade Johns Hopkins e no Colégio Naval dos EUA, e foi Diretor do Centro de Estudos Estrangeiros no Departamento de Estado, afirma que a “América” também é “uma religião” consumida pelo apocalipse eternamente recorrente, e que a guerra é seu “ritual de purificação”:

“Os Pais Fundadores – nossos ‘criadores’ – imaginaram mais do que uma nação… Eles também redigiram o arco da história de uma jornada heroica divina, centrando os EUA como o culminar (a ser) da História. Esta é a narrativa sagrada dos EUA. Desde a sua fundação, os Estados Unidos perseguem, com fervor religioso ardente, um chamado superior para redimir a humanidade, punir os ímpios e consagrar um milênio dourado na terra.“Enquanto França, Grã-Bretanha, Alemanha e Rússia percorriam o mundo em busca de novas colônias e conquistas, o s EUA mantiveram-se fiéis à sua visão única de missão divina como ‘o Novo Israel de Deus’.“Assim, dentre todas as revoluções desencadeadas pela Modernidade, os Estados Unidos declaram-se – em suas próprias escrituras – ser os pioneiros e desbravadores da humanidade. Os EUA são a nação excepcional – singular, pura de coração, batizadora e redentora de todos os povos desprezados e oprimidos: A ‘última, a melhor esperança da terra’”.

O presidente Biden repetiu este catecismo precisamente em West Point em 25 de maio de 2024:

“Graças às Forças Armadas dos EUA, estamos fazendo o que só a “América” pode fazer como a nação indispensável… a única superpotência do mundo e a principal democracia do mundo: Os EUA enfrentando tiranos” em todo o mundo: Estão “protegendo a liberdade e a abertura”.“Estamos enfrentando um homem [Putin] que conheço bem há muitos anos, um tirano brutal. Não podemos não – e não vamos – não vamos nos afastar”.

Este é o catecismo da “Religião Civil Estadunidense”; explica o professor Vlahos:

“Aos olhos do mundo, tudo isso pode parecer um ritual de vaidade egoísta, mas a Religião Civil é o artigo de fé nacional para os estadunidenses. É a Sagrada Escritura, que toma forma retórica através do que os estadunidenses consideram ser a História.“A Religião Civil Americana está inextricavelmente ligada à Reforma, ao Cristianismo Calvinista e à história sangrenta do Protestantismo, com a narrativa sagrada dos EUA sendo moldados e consagrados através dos primeiros e segundos Grandes Despertares do país. Embora sua leitura das escrituras tenha se tornado secular na era Progressista – a religião estadunidense ainda permaneceu ligada às suas raízes formativas. De fato, até mesmo a nossa contemporânea ‘Igreja do Despertar’ não pode escapar de seus tubérculos cristãos calvinistas originais”.“Desde 2014, uma nova seita rapidamente crescente – ‘A Igreja do Despertar’ – procurou transformar e possuir completamente a religião civil estadunidense, para reinar como a fé sucessora. Ironicamente, o fervor de seu evangelismo canaliza o pós-milenarismo do Primeiro Grande Despertar, cujo messianismo foi codificado no Novus Ordo Seclorum (Nova Ordem dos Séculos)”.

Qual é o ponto aqui? Hubert Védrine, ex-Ministro das Relações Exteriores da França e Secretário-Geral da presidência francesa sob o Presidente Mitterrand diz que o Ocidente (isto é, abrangendo a Europa também) – os “descendentes da Cristandade [Latina]” – está “consumido pelo espírito de proselitismo”.

“Que o “ide evangelizai todas as nações” de São Paulo se tornou “ide e espalhai os direitos humanos por todo o mundo”… E que esse proselitismo é extremamente profundo em nosso DNA: “Até mesmo os menos religiosos, totalmente ateus – ainda têm isso em mente, [embora] não saibam de onde vem”.

Será este é o nervo exposto? ‘Os EUA como o Novo Israel’ – na narrativa do professor Vlahos – que não pode ser olhado diretamente nos olhos? No entanto, se olharmos no espelho, é isso que vemos?

“Esta é, de longe, a questão mais profunda e importante que enfrenta o Ocidente”, diz Védrine.“Ele será capaz de ‘aceitar a alteridade – uma que pode viver com os outros e aceitá-los pelo que são… um Ocidente que não é proselitista e não é intervencionista?”, ele pergunta.

Ao que ele retorta: “Não há escolha”. Absolutamente não —

“Não vamos nos tornar os chefes do ‘mundo que está por vir’. Portanto, somos forçados a pensar além; somos forçados a vislumbrar uma nova relação para o futuro entre o mundo ocidental e o famoso sul global”.“E o que acontece se não conseguirmos aceitar isso? Então continuaremos sendo marginalizados – cada vez mais cortados do resto do mundo – e cada vez mais desprezados por nosso senso deslocado de superioridade”.

FONTE:

https://www.brasil247.com/blog/o-vindouro-novus-ordo-seclorum-a-mudanca-e-necessaria-nao-ha-escolha