Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

ONG alerta que 1,1 milhão de crianças em Gaza podem morrer de fome

Ministério da Saúde palestino afirma que os ataques israelenses mataram mais de 11.500 crianças em Gaza desde o início da guerra, em 7 de outubro.

Cerca de 1,1 milhão de crianças palestinas que vivem na Faixa de Gaza podem morrer de fome ou por doenças, alertou nesta sexta-feira (23/02) ONG Save the Children.

Segundo a ONG, todas as crianças na Faixa de Gaza enfrentam possibilidade de morte por fome ou doenças devido à impossibilidade de enviar ajuda humanitária com segurança à região desde que começou a ofensiva militar israelense no território, em retaliação aos ataques do grupo islâmico Hamas, em 7 de outubro, em Israel.

A Save the Children destacou que o risco de fome continuará a aumentar enquanto Israel impedir a entrada de ajuda, incluindo alimentos, água e produtos de higiene.

A ONG acrescentou que, entre (01/01) e (15/02), mais de 50% dos pedidos para trabalhos de ajuda humanitária e avaliação em áreas do norte de Gaza foram negados pelas autoridades israelenses.

Outras organizações como o Programa Alimentar Mundial (PAM), a OMS e a Unicef também alertaram, na segunda-feira (19/02), que a desnutrição aguda entre crianças, mulheres grávidas e lactantes em Gaza aumenta acentuadamente – com situação especialmente grave no norte -, o que está prestes a causar uma “explosão de mortes”.

Israel bloqueia até mesmo o envio de farinha. Soldados israelense filmam-se enquanto destroem e queimam depósitos de alimentos em Gaza.

Segundo organizações humanitárias, 25 mil crianças ficaram órfãs e mais de dez crianças perdem pelo menos um membro do seu corpo todos os dias.

“Gaza se tornará um lugar onde nenhum ser humano poderá existir”,  vangloriou-se um ex-general das Forças de Defesa de Israel (IDF). “Haverá apenas destruição. Vocês queriam o inferno; vocês vão para o inferno”, declarou outro oficial israelense. Estes objetivos foram concretizados rapidamente: um porta-voz do Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários alertou em novembro passado que Gaza já se tinha tornado “o inferno na Terra”.

Conivência ocidental com o genocídio em curso

Presidente dos EUA Joe Biden contornou o Congresso duas vezes em dezembro passado para aprovar a venda emergencial de armas a Israel. Os apelos de organizações de direitos humanos para que o governo britânico suspendesse as vendas de armas foram ignorados (a Inglaterra exportou armas no valor de 489 milhões de libras para Israel desde 2015), e o governo britânico continuou a fornecer treinamento a oficiais militares israelenses.

Quando uma resolução do Conselho de Segurança da ONU exigiu um cessar-fogo imediato, os Estados Unidos usaram o seu poder de veto para garantir que não fosse aprovada. No Reino Unido, uma moção apresentada pelo Partido Nacional Escocês apelando a um cessar-fogo imediato foi totalmente rejeitada na Câmara dos Comuns por uma maioria de 168 votos.

Enquanto a África do Sul apresentava um caso meticuloso na Corte Internacional de Justiça (CIJ) acusando Israel de genocídio, o governo alemão foi rápido em rejeitar a acusação, e quando a decisão provisória confirmou um risco plausível de genocídio em Gaza, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores britânico expressou “preocupações consideráveis” com o caso do CIJ.

As acusações do governo israelense – que  permanecem sem fundamento  – de que funcionários da UNRWA estavam envolvidos nos ataques de 07 de outubro, vários governos ocidentais, incluindo a Austrália, o Reino Unido, os Estados Unidos, a Itália, a Áustria e Alemanha suspenderam o seu financiamento, paralisando uma das poucas chances de sobrevivência restantes dos refugiados palestinos.

Desde então, a Anistia Internacional denunciou a decisão “cruel” dos Estados. A agência da ONU é o principal fornecedor de ajuda humanitária em Gaza e já estava lutando para sanar as necessidades dos palestinos, especialmente tendo em conta que apenas uma “gota de ajuda” tem entrado em Gaza à medida que o bombardeio continua. O chefe da ajuda humanitária da ONU descreveu Gaza como a pior crise humanitária em dezembro: agora, os palestinos, incluso crianças, recorrem ao consumo de grama, de ração animal  e de água poluída, enquanto os bebês recém-nascidos morrem de fome e de doenças à medida que a fome se torna iminente.

Diante da crise humanitária Netanyahu quer fechar a UNRWA

Netanyahu, que sublinhou que os objetivos da campanha militar eram “aniquilar” o Hamas, também prevê desativar a Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos (UNRWA) do qual milhares de crianças tem acesso a ajuda.

O diretor da agência, Philippe Lazzarini, advertiu na quinta-feira (22/02) que a UNRWA está “quase quebrando” depois que 16 países suspenderam seu financiamento.

Segundo a mídia árabe, os mediadores intensificaram os esforços para garantir um cessar-fogo em Gaza, na esperança de impedir um ataque israelense à cidade de Rafah, onde mais de um milhão de pessoas deslocadas estão abrigadas no extremo sul de Gaza.

FONTE: https://operamundi.uol.com.br/guerra-israel-x-palestina/85777/ong-alerta-que-1-1-milhao-de-criancas-em-gaza-podem-morrer-de-fome