Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas (2)
Orçamento confirma entrega da caneta Bic de Bolsonaro ao centrão

Orçamento confirma entrega da caneta Bic de Bolsonaro ao centrão

Se o sistema tributário é uma espécie de impressão digital da sociedade, os orçamentos anuais são o retrato de momento dos governos. Ao detalhar a distribuição dos recursos públicos disponíveis, a peça orçamentária expõe os objetivos, mesmo os não declarados e confessados, do governante para o ano que se inicia. A fotografia revelada no Orçamento para 2022, aprovado pelo Congresso e sancionado, com alguns vetos, pelo presidente Jair Bolsonaro, nesta sexta-feira (21), mostra um governo de olho grande nas eleições presidenciais e legislativas de outubro. Como “governo”, leia-se Bolsonaro e a base aliada no Congresso, liderada pelo centrão, grupamento a quem o presidente terceirizou suas tarefas de condução política e, em consequência, a distribuição das verbas públicas.

Por José Paulo Kupfer no UOL

Num quadro social crescentemente problemático, foram reservados recursos para atender políticos – seja nas emendas parlamentares, seja no fundo eleitoral – e categorias específicas de servidores – sabe-se que nesse ponto, a reserva de recursos se destinaria a reajustes de policiais, o que só não foi revelado agora para evitar manifestações de desagrado de outras categorias profissionais. Ao privilegiar interesses políticos e eleitorais mais imediatos, a versão final do Orçamento permite pressupor acirramento do conflito distributivo. Com a sanção de Bolsonaro, ficam blindadas emendas parlamentares do “orçamento secreto” e a reserva de recursos ampliados para fundos eleitorais – o volume destinado, de R$ 5 bilhões, é mais o dobro do montante destinado aos partidos políticos em anos anteriores. Não são, porém, apenas as rubricas orçamentárias privilegiadas que comprovam serem políticos e eleitorais os principais objetivos do Orçamento 2022. Isso ficou evidente desde a assinatura do decreto que subordinou as decisões de gastos do ministério da Economia, à Casa Civil chefiada pelo líder do centrão, Ciro Nogueira. A transferência definitiva da caneta Bic orçamentária para o Centrão culminou um processo de muitas voltas e dribles variados nas normas de controle de despesas públicas, com destaque para a PEC dos Precatórios. A PEC abriu espaços para gastos na base de calotes e pedaladas fiscais. Emendas parlamentares somam, para o ano eleitoral de 2022, mais de R$ 35 bilhões – o maior volume da história e o triplo, por exemplo, do empenhado em 2017. Cerca da metade desse montante atende às emendas de relator, aquelas das quais não se sabe quem é o parlamentar beneficiado, mas logo se conhece a que interesse político específico, em seu curral eleitoral, procurou atender. Embora tenham sido preservados quase R$ 90 bilhões destinados ao Auxílio Brasil, que assegura benefício mínimo de R$ 400 mensais a vulneráveis, mas só até o fim deste ano, outras ações sociais e de sustentação da cidadania sofreram cortes, por vetos presidenciais. Os mais fortes atingiram os ministérios da Educação e do Trabalho, este com ênfase no INSS. Se a Previdência já enfrenta filas de 2 milhões de pessoas com direito à aposentadoria sem atendimento, é de se imaginar a piora na situação de segurados e candidatos a segurados que ocorrerá com o corte de quase R$ 1 bilhão promovido por Bolsonaro. Com a compressão das despesas chamadas “discricionárias” – aquelas de alguma forma não obrigatórias – os investimentos públicos desceram ao nível histórico mais baixo. Considerando as emendas parlamentares, que destinam recursos a obras, a rubrica, para 2022, não chega a R$ 45 bilhões. Um aperto nas despesas de custeio da máquina pública, que também faz parte dos gastos discricionários, deverá se refletir em dificuldades para o cumprimento das tarefas do serviço público. Já havia queixas de que o trabalho de fiscalização corria riscos por falta de recursos, como alegado, por exemplo, pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que fiscaliza o mercado de capitais. Depois dos vetos orçamentários, esses riscos cresceram. O ministério da Economia, que havia proposto cortes no triplo do volume determinado pela sanção presidencial – eram R$ 9 bilhões reduzidos a R$ 3 bilhões – espera acomodar ao longo do ano as pontas soltas do Orçamento. Mas o único fator capaz de contribuir para essa acomodação é a resistência da inflação em níveis elevados. Com crescimento pífio previsto para o ano, se não ocorrer uma contração, só altas de preços seriam capazes de impulsionar a arrecadação. Além disso, ações com objetivos políticos e eleitorais podem complicar ainda mais o jogo orçamentário. Por exemplo, se aprovada a proposta de retirar tributos na venda de combustíveis e no fornecimento de energia elétrica, poderão ocorrer perdas em receitas de pelo menos R$ 50 bilhões neste ano.

FONTE

https://economia.uol.com.br/colunas/jose-paulo-kupfer/2022/01/24/orcamento-confirma-entrega-da-caneta-bic-de-bolsonaro-ao-centrao.htm