Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 13 anos lutando pelos jornalistas (3)
Os dez maiores doadores da campanha eleitoral até agora

Os dez maiores doadores da campanha eleitoral até agora

Bilionários, banqueiros e empresários do agronegócio e do setor calçadista lideram a relação dos maiores doadores individuais destas eleições. De acordo com dados registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), R$ 312,5 milhões haviam sido repassados legalmente por pessoas físicas a candidatos até essa quarta-feira (14). Desse total, R$ 25,15 milhões (8%) foram distribuídos pelos dez principais doadores. Alguns desses doadores concentram seus recursos em poucas candidaturas, mas outros são mais ecléticos e financiam campanhas que vão da direita à esquerda.

Com a proibição de doações por empresas, as campanhas são financiadas com recursos públicos, por meio dos fundos eleitoral e partidário, e próprios, no caso de autodoação. Segundo o TSE, os candidatos declararam ter tirado do próprio bolso R$ 84,6 milhões para bancar suas próprias candidaturas até o momento. Entre os dez principais financiadores, há quem prefira concentrar as doações em poucas candidaturas e outros que optam por diversificar os repasses e distribuí-los entre candidatos com perfis diferentes.

Veja quem são os dez maiores doadores individuais até o momento.

1º Rubens Ometto

Dono do grupo Cosan, que atua em áreas de distribuição de combustíveis, usinas sucroalcooleiras e logística, o empresário é apontado pela revista Forbes como um dos dez homens mais ricos do país, com fortuna avaliada em R$ 46 bilhões. Conforme o TSE, Ometto doou R$ 5,75 milhões a candidatos até 14 de setembro.

Os principais repasses feitos por Ometto beneficiaram o diretório nacional do PSD e o diretório estadual do PP na Paraíba. Para o primeiro, ele destinou R$ 1,5 milhão. Para o segundo, R$ 1 milhão. O candidato que mais recebeu recursos do empresário até o momento é Tarcisio Gomes de Freitas, que concorre ao governo de São Paulo pelo Republicanos com o apoio do presidente Jair Bolsonaro.

O empresário também doou para os ex-ministros Onyx Lorenzoni (PL), Tereza Cristina (PP) e Ricardo Salles. O deputado Carlos Zarattini (PT-SP) e o ex-deputado Cândido Vaccarezza (ex-PT, hoje no Solidariedade-SP) também estão entre os beneficiados por doações de Ometto.

Veja para quem ele doou

2º Alexandre Grendene Bartelle

Co-fundador da Grendene, maior fabricante mundial de sandálias, possuía patrimônio de US$ 1,7 bilhão em setembro de 2022, de acordo com a Forbes. Ele doou R$ 3,57 milhões, até 14 de setembro, a cinco candidatos do Rio Grande do Sul e do Ceará. O principal destinatário dos recursos de Grendene foi o candidato a governador gaúcho Roberto Argenta (PSC), também empresário do setor calçadista, que dele recebeu R$ 1,4 milhão.

O segundo maior contemplado foi o ex-governador do Ceará Camilo Santana (PT), que concorre ao Senado, com R$ 1 milhão. O empresário também doou R$ 750 mil para o petista Elmano Freitas e R$ 350 mil para o deputado Capitão Wagner (União), que concorrem ao governo cearense. Outros R$ 50 mil ele destinou a uma candidata gaúcha à Assembleia Legislativa.

Veja para quem ele doou

3º José Salim Mattar Junior

Dono do Grupo Localiza, foi secretário de Paulo Guedes no Ministério da Economia. Doou R$ 3,22 milhões a candidatos até 14 de setembro. Na eleição de 2018, ele foi o quarto maior financiador individual, com R$ 2,9 milhões distribuídos entre 28 candidaturas.

Entre os 29 contemplados por Mattar este ano, destacam-se deputados do partido Novo que buscam novo mandato, como Vinicius Poit e Paulo Ganime, que concorrem aos governos de São Paulo e do Rio de Janeiro, ou Adriana Ventura (SP) e Marcel Van Hattem (RS), postulantes à reeleição na Câmara. Mattar destinou R$ 250 mil cada a nove candidaturas. Um dos contemplados com esse montante é o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles (PL-SP), candidato a deputado federal.

O ex-procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol e os deputados bolsonaristas Carolina de Toni (PL-PR) e Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PL-SP) também estão entre os beneficiários do empresário, assim como a advogada Rosângela Moro (União Brasil-SP), esposa do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro.

Veja para quem ele doou

4º Heitor Vanderlei Linden

Vice-presidente da Calçados Beira-Rio, o executivo doou R$ 2,6 milhões até 14 de setembro. Todo o valor doado por ele foi destinado à candidatura de Roberto Argenta (PSC), candidato ao governo do Rio Grande do Sul e presidente da Calçados Beira-Rio. Foram feitas duas transferências a ele nos valores de R$ 600 mil e R$ 2 milhões.

Argenta também recebeu mais R$ 1,1 milhão de Alexandre Grendene, outro empresário do ramo calçadista. Eles chegaram, inclusive, a ter divergências na Justiça por causa de negócios em 2016. Na época, Grendene possuía 12% de ações na Beira-Rio e contestou quando Argenta doou 28,67% das ações da empresa para a uma entidade filantrópica presidida por ele próprio, sem consultar os acionistas.

Veja para quem ele doou

5º Pedro Grendene Bartelle

É co-fundador do grupo Grendene S.A e responsável pela Nelore Grendene, uma das maiores produtoras de touros de raça nelore no país. Doou R$ 2,125 milhões até 14 de setembro. O empresário apareceu na lista da Forbes, em 2019, como dono de uma fortuna de US$ 1 bilhão.

Pedro Grendene doou para apenas três candidatos, todos do Ceará. Destinou R$ 1 milhão para Camilo Santana (PT), que disputa o Senado, e R$ 750 mil para Elmano Freitas (PT) e R$ 375 mil para Capitão Wagner (União), que disputam o governo estadual.

Veja para quem ele doou

6º Valter Egidio da Costa

Dono da Dan Herbert Engenharia, doou R$ 1,8 milhão até 14 de setembro. Foram R$ 1,25 milhão para a direção nacional do MDB, R$ 500 mil para a direção do PP no Distrito Federal e outros R$ 50 mil para o candidato do Novo a deputado federal Paulo Roque (DF).

Veja para quem ele doou

7º Cândido Botelho Bracher

Banqueiro, presidiu o Itaú Unibanco entre 2016 e 2021. Doou R$ 1,66 milhão a 20 candidatos até 14 de setembro. O maior repasse, no valor de R$ 133 mil, foi destinado a Vinicius Marchese Marinelli (PSD-SP), candidato a deputado federal. Entre os demais beneficiários estão políticos também de centro, centro-esquerda e esquerda.

Entre eles, Marcelo Freixo (PSB), que concorre ao governo do Rio de Janeiro, e Tabata Amaral (PSB-SP), que tenta a reeleição na Câmara. O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (União-MS), que postula o Senado, também aparece entre os financiados por Bracher. O banqueiro assinou recentemente o manifesto em defesa da democracia idealizado pela Faculdade de Direito da USP.

Veja para quem ele doou

8º Odilio Balbinotti Filho

Empresário e produtor rural, o engenheiro agrônomo é presidente do Grupo Atto e doou R$ 1,5 milhão a candidatos até 14 de setembro. Filho do ex-deputado paranaense Odilio Balbinotti, o empresário é radicado em Mato Grosso. Destinou R$ 600 mil à candidatura à reeleição de Jair Bolsonaro. Outros R$ 500 mil foram declarados para a candidatura do deputado José Medeiros (PL-MT), que tenta novo mandato na Câmara. Ele também destinou R$ 100 mil para o ex-ministro Rogério Marinho (PL), que concorre ao Senado pelo Rio Grande do Norte.

Veja para quem ele doou

9º Armínio Fraga

Ex-presidente do Banco Central e sócio-fundador da Gávea Investimentos, é considerado um dos economistas mais influentes do país e um dos responsáveis pelo Plano Real, Armínio doou R$ 1,48 milhão até 14 de setembro. Os recursos foram distribuídos a 27 candidaturas. O maior montante, R$ 200 mil, foi destinado a Marcelo Freixo (PSB), ao governo do Rio. Alessandro Molon (PSB-RJ), Tabata Amaral (PSB-SP), Felipe Rigoni (União-ES), Mendonça Filho (União-PE) e Renan Ferreirinha (PSD-RJ) também foram agraciados com R$ 100 mil cada. Candidato ao Senado pelo Maranhão, o ex-governador Flávio Dino (PSB) recebeu de Armínio R$ 50 mil, valor semelhante ao destinado por ele ao diretório do PSDB em Minas Gerais.

Veja para quem ele doou

10º Robert Carlos Lyra

Presidente da Delta Sucroenergia, o empresário doou R$ 1,43 milhão até 14 de setembro. Descendente de uma família de usineiros de Alagoas, foi escolhido o industrial do ano de 2022 pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais. É filho do usineiro e ex-senador Carlos Lyra e sobrinho do ex-deputado João Lyra, ambos já falecidos.

Com três usinas de cana-de-açúcar no Triângulo Mineiro, a Delta Sucroenergia gera na região cerca de 12 mil postos de trabalhos entre diretos e indiretos e tem receita anual de R$ 2,14 bilhões, segundo a revista Forbes. São de Minas Gerais os nove candidatos financiados por Lyra. Entre os seis que receberam R$ 200 mil cada do empresário estão os deputados federais Odair Cunha (PT), Antonio Pinheiro Neto (PP), Zé Vitor (PL), Diego Andrade (PSD) e Greyce Elias (Avante).

Veja para quem ele doou

FONTE

https://congressoemfoco.uol.com.br/area/pais/os-dez-maiores-doadores-da-campanha-eleitoral-ate-agora/