Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Os perigos e as promessas do emergente mundo multipolar

Estamos entrando em um mundo multipolar pós-hegemônico. Ele também está repleto de desafios.

A economia mundial está passando por um profundo processo de convergência econômica, segundo o qual regiões que antes ficaram atrás do Ocidente na industrialização agora estão recuperando o tempo perdido.

A divulgação do Banco Mundial em 30 de maio de suas últimas estimativas de produção nacional (até o ano de 2022) oferece uma ocasião para refletir sobre a nova geopolítica. Os novos dados ressaltam a mudança de uma economia mundial liderada pelos EUA para uma economia mundial multipolar – uma realidade que os estrategistas dos EUA até agora falharam em reconhecer, aceitar ou admitir.

Os números do Banco Mundial deixam claro que o domínio econômico do Ocidente acabou. Em 1994, os países do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido, EUA) constituíam 45,3% da produção mundial, em comparação com 18,9% da produção mundial nos países do BRICS (Brasil, China, Egito, Etiópia, Índia, Irã, Rússia, África do Sul, Emirados Árabes Unidos). As tabelas viraram. O BRICS agora produz 35,2% da produção mundial, enquanto os países do G7 produzem 29,3%.

Em 2022, as cinco maiores economias em ordem decrescente são China, EUA, Índia, Rússia e Japão. O PIB da China é cerca de 25% maior que o dos EUA (aproximadamente 30% do PIB per capita dos EUA, mas com 4,2 vezes a população). Três dos cinco principais países estão nos BRICS, enquanto dois estão no G7. Em 1994, os cinco maiores eram EUA, Japão, China, Alemanha e Índia, com três no G7 e dois no BRICS.

À medida que as participações na produção mundial mudam, o poder global também muda. A aliança central liderada pelos EUA, que inclui EUA, Canadá, Reino Unido, União Europeia, Japão, Coreia, Austrália e Nova Zelândia, era 56% da produção mundial em 1994, mas agora é apenas 39,5%. Como resultado, a influência global dos EUA está diminuindo. Um exemplo vívido recente é que, quando o grupo liderado pelos EUA aplicou sanções econômicas à Rússia em 2022, poucos países fora da aliança central aderiram. Como resultado, a Rússia teve poucas dificuldades em mudar o seu comércio para países fora da aliança liderada pelos EUA.

A economia mundial está passando por um profundo processo de convergência econômica, segundo o qual regiões que antes ficaram atrás do Ocidente na industrialização nos séculos XIX e XX agora estão recuperando o tempo perdido. A convergência econômica começou na década de 1950, quando o domínio imperial europeu na África e na Ásia chegou ao fim. Ela prosseguiu em ondas, começando primeiro no Leste Asiático, depois, aproximadamente 20 anos depois, na Índia, e nas próximas duas a quatro décadas na África.

Essas e algumas outras regiões estão crescendo muito mais rápido que as economias ocidentais, pois têm mais “espaço” para aumentar o PIB, aumentando rapidamente os níveis de educação, aprimorando as habilidades dos trabalhadores e instalando infraestrutura moderna, incluindo acesso universal à eletrificação e plataformas digitais. As economias emergentes frequentemente conseguem ultrapassar os países mais ricos com infraestrutura de última geração (por exemplo, trens rápidos entre cidades, 5G, aeroportos e portos modernos), enquanto os países mais ricos permanecem presos com infraestrutura envelhecida e atualizações caras. A Perspectiva Econômica Mundial do FMI projeta que as economias emergentes e em desenvolvimento terão um crescimento médio de cerca de 4% ao ano nos próximos cinco anos, enquanto os países de alta renda terão um crescimento médio de menos de 2% ao ano.

A convergência não está ocorrendo apenas em habilidades e infraestrutura. Muitas das economias emergentes, incluindo China, Rússia, Irã e outros, também estão avançando rapidamente em inovações tecnológicas, tanto em tecnologias civis quanto militares.

A China claramente tem uma grande liderança na fabricação de tecnologias de ponta necessárias para a transição energética global, incluindo baterias, veículos elétricos, 5G, fotovoltaicos, turbinas eólicas, energia nuclear de quarta geração e outras. Os avanços rápidos da China em tecnologia espacial, biotecnologia, nanotecnologia e outras tecnologias são igualmente impressionantes. Em resposta, os EUA fizeram a alegação absurda de que a China tem uma “supercapacidade” nessas tecnologias de ponta, enquanto a verdade óbvia é que os EUA têm uma subcapacidade significativa em muitos setores. A capacidade da China para inovação e produção de baixo custo é sustentada por enormes investimentos em P&D e sua vasta e crescente força de trabalho de cientistas e engenheiros.

Apesar das novas realidades econômicas globais, o estado de segurança dos EUA ainda persegue uma grande estratégia de “primazia”, ou seja, a aspiração dos EUA de ser a potência dominante econômica, financeira, tecnológica e militar em todas as regiões do mundo. Os EUA ainda estão tentando manter a primazia na Europa cercando a Rússia na região do Mar Negro com forças da OTAN, mas a Rússia resistiu militarmente na Geórgia e na Ucrânia. Os EUA ainda estão tentando manter a primazia na Ásia cercando a China no Mar do Sul da China, uma loucura que pode levar os EUA a uma guerra desastrosa sobre Taiwan. Os EUA também estão perdendo sua posição no Oriente Médio ao resistir ao chamado unido do mundo árabe pelo reconhecimento da Palestina como o 194º estado membro das Nações Unidas.

No entanto, a primazia certamente não é possível hoje e era arrogante mesmo há 30 anos, quando o poder relativo dos EUA era muito maior. Hoje, a participação dos EUA na produção mundial é de 14,8%, em comparação com 18,5% da China, e a participação dos EUA na população mundial é de apenas 4,1%, em comparação com 17,8% da China.

A tendência para uma ampla convergência econômica global significa que a hegemonia dos EUA não será substituída pela hegemonia chinesa. De fato, a participação da China na produção mundial provavelmente atingirá o pico em torno de 20% durante a próxima década e, posteriormente, diminuirá à medida que a população da China diminuir. Outras partes do mundo, notadamente incluindo Índia e África, provavelmente mostrarão um grande aumento em suas respectivas participações na produção global e, com isso, também em seu peso geopolítico.

Estamos, portanto, entrando em um mundo multipolar pós-hegemônico. Ele também está repleto de desafios. Isso pode inaugurar uma nova “tragédia da política de grande potência”, na qual várias potências nucleares competem – em vão – pela hegemonia. Pode levar a uma quebra das regras globais frágeis, como o comércio aberto sob a Organização Mundial do Comércio. Ou pode levar a um mundo em que as grandes potências exercem tolerância mútua, restrição e até cooperação, de acordo com a Carta das Nações Unidas, porque reconhecem que apenas tal diplomacia manterá o mundo seguro na era nuclear.

FONTE: https://www.brasil247.com/blog/os-perigos-e-as-promessas-do-emergente-mundo-multipolar