Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Polarização consolida ‘Lulanaro’ e deve se manter em 2026, diz livro

Em “Biografia do Abismo”, Thomas Traumann e Felipe Nunes analisam que a divisão entre direita e esquerda no país ultrapassou o cenário político e invadiu o cotidiano.

A opinião pública brasileira se calcificou em uma polarização entre direita e esquerda que ultrapassou em muito a questão eleitoral. Não existe mais o Brasil, existe o “Lulanaro”, dois universos completamente diferentes, um dos adeptos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva , outro do ex-presidente Jair Bolsonaro. Estar em uma esfera ou em outra significa escolhas diferentes de estética, educação, consumo, lazer e até sentimentais e familiares. A divisão ultrapassou o cenário político e invadiu o cotidiano. Essa é a conclusão central do livro “Biografia do Abismo”, do jornalista Thomas Traumann e do cientista social Felipe Nunes, da empresa de pesquisas Quaest. O nome do livro é uma alusão a uma frase do filósofo alemão Friedrich Nietzsche que alertou sobre o risco da radicalização: “Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne também um monstro. E se você olhar longamente para um abismo, o abismo olha de volta para você.”

Por Cesar Felicio — Valor Econômico

O livro é um estudo sobre as eleições de 2022, “uma história de ódio, amores e medos”, como os autores as definem. Não se limita a isso, entretanto. Na autópsia da disputa do ano passado , o principal traço é o aprofundamento de uma divisão já existente e que persistiu depois do pleito, como ficou evidente depois dos atos golpistas de 8 de janeiro em Brasília.

Na palavra dos autores, “da mesma forma que a identidade do torcedor não acaba com o fim da partida dentro de campo, vencendo ou perdendo, a identidade do eleitor no país de ‘Lulanaro’ não se encerra com o fim da eleição”. Esse postulado dos autores leva a diversas conclusões. Uma delas é a que as esferas se tornam relativamente impermeáveis a influências externas. Os dois grandes blocos só aceitam receber informações que confirmem seus pontos de vista anteriores e por isso tendem a uma relativa estabilidade. O resultado eleitoral de 2022, em grande parte, reproduziu em cada município o de eleições anteriores. A variação da votação de Lula em 2022 em relação à de Fernando Haddad em 2018 , por exemplo, foi apenas de 2 pontos percentuais em média. “Mesmo com várias crises, Bolsonaro foi capaz de manter boa parte da base eleitoral que arregimentou em 2018. Ao mesmo tempo, Lula manteve os grupos da base eleitoral petista e buscou recuperar parte do eleitorado que havia abandonado o PT no ciclo anterior”, dizem. Outra conclusão é que paradoxalmente a calcificação torna as eleições ainda mais imprevisíveis. Como as duas bolhas são aproximadamente do mesmo tamanho, mesmo grupos muito minoritários podem se tornar decisivos, porque oscilam entre um grupo e outro. É o caso do que eles denominam de “liberais sociais”, equivalente em 2022 aos eleitores da hoje ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB), que teve apenas 3% dos votos. Não foi o Nordeste, reduto lulista, que decidiu a eleição. O que a decidiu foi a captura por Lula de uma franja do eleitorado do Sudeste, reduto de Bolsonaro. O livro se ancora na base de dados das pesquisas de intenção de voto feitas pela Quaest sob encomenda da Genial Investimentos ao longo de 2021 e 2022, durante o processo eleitoral, e pesquisas de avaliação de governo feitas este ano. O acervo é composto por 27 rodadas de pesquisas quantitativas e de relatórios de 150 grupos de discussão. As pesquisas mostram um grau de radicalização crescente e chocante: se em dezembro de 2021 9% dos pesquisados se sentiriam mal caso um filho se casasse com alguém de perfil ideológico oposto, este percentual sobe para um terço um ano depois. A quantidade de consumidores que deixam de consumir determinada marca por motivos políticos passou de 1% para 13%. O percentual de pesquisados que mudaria o filho de escola caso em função de posições políticas mudou de 7% para 25% entre dezembro de 2022 e junho de 2023. Dos 17% de pesquisados que disseram ter rompido relações pessoais em função da campanha, 75% afirmou que não se arrependiam. O último capítulo busca ser propositivo diante do cenário sombrio. “Tem saída?”, os autores perguntam no título do epílogo. A resposta que eles dão é sim, e convidam os leitores a partirem da premissa que tanto o bolsonarismo quanto o lulismo “ são respostas políticas para problemas reais”. Portanto legítimas. A partir dessa premissa, os autores propõem que se adote uma espécie de “convenção de Genebra” em relação à disputa política. Ou seja, impor “limites claros de até onde vai a opinião pública e onde começa a intolerância”. Não respondem como isso será possível.

LEGENDA DA FOTO:

Thomas Traumann e Felipe Nunes, autores de Biografia do Abismo — Foto: Divulgação

 

FONTE

https://valor.globo.com/politica/noticia/2023/12/02/polarizacao-consolida-lulanaro-e-deve-se-manter-em-2026-diz-livro.ghtml

 

COMPRE O LIVRO AQUI: