Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Por que a CIA está discutindo abertamente seus crimes contra a China?

Em editorial , o jornal chinês Global Times desvenda as reais intenções da espionagem dos EUA.

A informação vazada por alguns antigos e atuais funcionários da inteligência dos EUA para o The Wall Street Journal (WSJ) realmente deixou as pessoas sem palavras. Alega-se que a rede de espionagem da CIA na China, que foi “sistematicamente detida” pela contrainteligência chinesa há uma década, tem sido difícil de recuperar. A CIA afirmou que está atualmente a lutar para reconstruir a rede. O diretor da CIA, William Burns, revelou que os recursos orçamentários dedicados à missão na China mais do que duplicaram nos últimos três anos.

Como é bem sabido, há muito tempo que os EUA têm estado envolvidos em vigilância e espionagem indiscriminada e em grande escala em todo o mundo, ganhando o título de um verdadeiro “império de espionagem”. Tais ações, que são essencialmente clandestinas e vão contra o direito internacional e as normas fundamentais das relações internacionais, não podem resistir ao escrutínio público. Contudo, quando os americanos discutem abertamente estas atividades, não há sentimento de vergonha ou culpa. Em vez disso, existe até um sentido algo inexplicável de “justiça”, como se o envolvimento em espionagem fosse um privilégio de que gozam exclusivamente os EUA. Isto não se deve à “boa disposição psicológica” dos EUA, mas sim a uma manifestação de audácia desenfreada e descaramento que se desenvolveu após um domínio prolongado – a feia exibição da doutrina do “excepcionalismo americano”.

No entanto, ao mesmo tempo, este artigo longo e desconcertante ajuda-nos a compreender por que as elites políticas americanas caem frequentemente numa espécie de ilusão paranóica, acreditando que a China está constantemente a vigiar bases militares nos EUA, a escutar informações sensíveis e a roubar documentos vitais, entre outras coisas. Apesar de possuírem a força nacional mais formidável do mundo, exibem um elevado sentimento de insegurança. Se o mundo exterior teve dificuldade em compreender isto no passado, este artigo do WSJ indica que o seu medo deriva ironicamente das suas próprias ações.

O WSJ expôs bastante desta vez. Em primeiro lugar, revelou a proclamação pública da CIA de envolvimento em atividades de espionagem contra a China, possivelmente numa tentativa de exagerar o seu próprio valor e de procurar aumentar o apoio orçamentário no Congresso. No entanto, isso também equivale a autoincriminação. Quando os EUA bradam e visam alegados “espiões chineses”, falham consistentemente em fornecer provas concretas. Em vez disso, iniciam uma campanha difamatória contra a China e subsequentemente exigem que a China prove a sua inocência. Este padrão revela que os EUA estão plenamente conscientes da falta de legitimidade nestas alegações de “espionagem”, mas continuam descaradamente a clamar como se “ninguém pudesse fazer nada sobre isso”. Os EUA são sempre muito autoconfiantes por estarem “certos”, mas a sua noção de “justiça” difere fundamentalmente da definição universalmente aceita.

Em segundo lugar, prova que o trabalho de contraespionagem da China é altamente eficaz. Desmantelou a rede de espionagem dos EUA na China e impediu-a de ser reconstruída durante 10 anos. Esta é uma grande conquista na contraespionagem, fazendo com que os EUA tropeçassem face à robusta defesa antiespionagem da China. Quando a China reviu a sua Lei Contraespionagem, enfrentou críticas da opinião pública ocidental. Agora parece que a intenção por detrás dessas críticas era pressionar a China a remover as suas defesas e a permitir que os seus espiões operassem livremente dentro das fronteiras da China. Felizmente, a China não caiu nesta armadilha. A China foi capaz de se defender contra a espionagem no passado e também terá a capacidade de tornar inútil a infiltração da CIA no futuro.

Em terceiro lugar, isto recorda-nos que o sistema de contraespionagem deve ser reforçado. A CIA indicou que a reconstrução da sua rede de espionagem na China é atualmente o seu foco principal e continuará a sê-lo no futuro próximo. Em 2021, houve relatos de que a CIA estabeleceu um centro para a realização de missões na China, o único centro de missões da agência para um único país. Tudo isto pode tornar a situação da contraespionagem da China mais complexa e grave. É importante sublinhar que a luta contra a espionagem não entra em conflito com a abertura de alto nível da China ao mundo exterior, e as trocas externas normais não serão perturbadas ou afetadas. Apertar os laços da contraespionagem não significa suspeitar que todos os estrangeiros sejam espiões apenas por causa da sua nacionalidade.

Este ano, o cantor chinês Dao Lang lançou uma canção muito popular chamada “Luocha Haishi”, que foi tocada mais de 10 bilhões de vezes, quebrando o Recorde Mundial do Guinness. O “Reino Luocha” na canção é inspirado em Strange Tales from a Chinese Studio, uma coleção de histórias clássicas chinesas do escritor da dinastia Qing, Pu Songling, em que a feiúra é retratada como beleza e o preto e o branco são confusos. Muitos internautas chineses notaram que este “Reino Luocha” é muito semelhante aos EUA de hoje em muitos aspectos. O artigo do WSJ descreve vividamente o retrato que a CIA faz da feiúra como beleza e da confusão entre preto e branco. A percepção dominante da comunidade internacional não pode ser distorcida. Depois de a vigilância ilegal dos EUA sobre os seus aliados, como a Coreia do Sul, o Japão e a Alemanha, ter sido exposta, estes países acabaram por optar por engolir insultos e humilhações silenciosamente, mas a China não pode fazer o mesmo.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/por-que-a-cia-esta-discutindo-abertamente-seus-crimes-contra-a-china?tbref=hp